Pages

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

QUANDO PASSAMOS PELO VALE

E a mão do Senhor estava sobre mim ali, e me disse: Levanta-te, e sai ao vale, e ali falarei contigo” (Ez 3.22).
Há alguns vales que Deus nos faz passar durante nossa vida. Estive pensando sobre eles, e, me veio o desejo de compartilhar com você. Quem sabe estejas passando por algum desses vales e este estudo te ajudará a entender melhor, porque estás passando por ele.
1.       O vale de Jaboque (Gn 32. 22-32), que o chamei “O vale da transformação”. Onde Jacó lutou com o Anjo do Senhor, e não o deixou ir, até receber a benção. Lá, no vale de Jaboque, Jacó foi transformado em Israel. De trapaceiro, enganador, usurpador a príncipe de Deus, ou, aquele que luta com Deus. Veja bem, antes de passar pelo vale de Jaboque, quem tentava ganhar as batalhas para si, era o próprio Jacó. Mesmo que para isso precisasse trapacear, ludibriar. Mas, após ter passado pelo vale, ele aprendeu que quem pelejava por ele era o Senhor. Certamente, aquele medo que estava de seu irmão Esaú, foi embora, porque a certeza no Deus de Abraão e Isaque saturou o seu coração. Não era mais ele que o guardava, mais o Senhor o protegia por onde quer que andasse: “E partiram; e o terror de Deus foi sobre as cidades que estavam ao redor deles, e não seguiram após aos filhos de Jacó” (Gn 35. 5). E melhor confiar em Deus, que confiar nos homens. O salmista Davi disse: “ Uns confiam em carros, outros em cavalos, mas nós faremos menção do nome do Senhor nosso Deus” (Sal 20. 7). Lá no vale, Jacó recebeu a transformação que precisava para ser o grande patriarca, que levou o nome de onde veio a linhagem escolhida de Deus, o povo de Israel. Se precisar, Deus vai fazer você passar no vale da transformação, vai mudar alguma coisa em sua vida. Seja em teu caráter, em seu modo de pensar, em sua maneira de agir, não sei, sei que Ele ainda é o mesmo Deus.  Gosto também de chamar o Vale de Jaboque, de “a oficina de Deus”. Nessa oficina o Criador troca peças, arranca peças, concerta peças que estão danificadas. Interessante, que quando Jacó saiu do vale, manquejava. O nervo de sua perna havia encolhido com o toque do Senhor. Quantos que precisam de um toque para encolher o orgulho, o egocentrismo, o narcisismo, etc. Há pessoas, que estão vivendo a síndrome de lúcifer. Pensam que são melhores que outros. Acham que devem sempre ser honrados e aplaudidos. Basta um toque do Senhor, e a tua vida será mudada.
2.       O Vale da sombra de morte (Sal 23.4), que o chamo de “ O Vale da Confiança perfeita em Deus”.  O salmista disse: “Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”. Que confiança é essa que o salmista manifestou? Ele está falando daquele momento crítico da vida. Ele se refere aquele dia, que mais tarde Paulo chamou de “dia mau”. Aquele momento que parece que nada da certo. Parece que todos estão contra nós. Mas o grande apóstolo dos gentios também disse: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 11.31). A confiança do salmista não estava nos amigos, nem nos cavalos de guerra que ele possuía (Sal 20. 7). Ele não confiava em seu posto como rei, mas disse: “... porque tu estás comigo”. A presença do Senhor era a real confiança de Davi. Para vencer o gigante Golias Davi disse: “Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti e nome do Senhor dos exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado” (1Sm 17. 45). Queria dizer Davi, eu não confio em armas carnais, mas sim, no nome de meu Deus. Se estás passando pelo vale da sombra de morte, chegou o momento de mostrar que não confias em si mesmo. Quem sabe os amigos, aqueles amigos íntimos, todos te abandonaram. Quem sabe o dinheiro já acabou. Mas, há um amigo, muito mais chegado que irmão, ele está dizendo: “Não te deixarei, não te abandonarei”.
3.       O vale de ossos secos (Ez 37). Gosto de chama-lo de “O vale da autenticação profética”. Nesse vale, ou você é profeta ou é osso seco. Lembro-me de quando ainda era muito jovem. Estávamos em um culto, em uma igreja muito humilde. Havia vários obreiros, entre os quais presbíteros, diáconos e cooperadores. Repentinamente, lá num cantinho uma senhora da um grito ensurdecedor e cai endemoninhada. Alguns irmãos correram pra fora do pequeno templo e outros ficaram olhando aquela mulher se contorcendo no chão e clamando com uma voz muito feia, se enroscando pelos bancos como se fosse uma serpente. Naquele momento, o presbítero grita: “Irmão Daniel, vai até lá e expulsa aquele demônio”. Eu, com confiança apenas no nome de Jesus, me levantei, e ordenei aquele espírito maligno que deixasse aquela vida, o qual, sem fazer maiores alardes, abandonou aquele corpo, deixando a mulher em paz. O diabo não aceita carteirada. Não adiante dizer que é pastor, que tem credencial de evangelista, ou diploma de teologia. Quando estamos no vale, somente uma vida em comunhão com o Espírito Santo, fará a diferença na vida do obreiro. Quantos que foram reprovados no vale! Na hora que o Senhor disse a Ezequiel: “profetiza sobre estes ossos, e dize-lhes: Ossos secos, ouvi a palavra do Senhor”, ele profetizou e o milagre aconteceu. Somente uma palavra verdadeiramente profética pode mudar o quadro caótico que o mundo está vivendo. Deus conta com você amado.
4.       O vale de Baca (Sal 84. 6). “O vale da frutificação”.  Há uma razão porque o vale de Baca (árido) é transformado em manancial. O verso anterior diz: “Bem aventurado o homem cuja força está em ti, em cujo coração estão os caminhos aplanados”. Esse que pisa o vale de Baca e o transforma em mananciais, não confia em si mesmo, mas sim no Senhor. Na verdade, o fiel cristão, apenas da passos de fé, mas que executa a benção é o Senhor. Podemos nos lembrar dos passos que os sacerdotes deram, quando na passagem do Jordão. Eles deram os passos, mas que abriu o Jordão foi o Deus. Geralmente, quando entramos nesse vale, é porque o Senhor quer nos usar para mudar situações de outras pessoas. Pessoas que estão vivendo na aridez espiritual, física, financeira ou de outra índole. Deus nos usa, para entrar nesses desertos e transformar as situações, frutificando como José e espalhando ramos sobre o muro (Gn 49.22).
Não importa o vale que estejas passando. Lembre-se: o vale é apenas a escola de Deus para sua vida. Logo, o Senhor te levará aos píncaros da vitória em nome de Jesus.


Pr Daniel Nunes

2 comentários:

Silvana Miranda disse...

Amém!

Silvana Miranda disse...

Amém!

Postar um comentário