Pages

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

CRI POR ISSO FALEI




Eu creio que aquele que recebeu a Jesus como Salvador, e o ama de todo coração, tem um profundo amor pela obra missionária. Entendo que o crente salvo fará até coisas que estão fora de seu alcance, para que o Evangelho de Jesus chegue aos corações dos homens perdidos. Disse Paulo: “Porque se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim se não anunciar o evangelho” (1Co 9.16). Há uma obrigação imposta no coração daqueles que receberam a graça maravilhosa de Cristo, em propagar essa graça. Disse Jesus: “...de graça recebestes, de graça dai” (Mt.10.8).
Creio de todo meu coração, que o Evangelho sem o poder sobrenatural, não passa de mera filosofia. No tempo dos apóstolos, já haviam esses filósofos que pregavam apenas a ciência da letra, más não tinham poder em suas palavras. Vejamos o que disse Paulo: “Mas, para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus” (1Co 1. 24), e mais “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado” (1Co 2.2), e ainda “As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais” (1Co 2.13). Infelizmente, hoje em dia, permanecem ainda, aqueles que querem compreender o evangelho de Jesus, apenas pelos meios científicos e filosóficos. Esse evangelho não muda a vida de ninguém. Pode até parecer sedutor, elegante, mas é sem vida, vazio.
Creio também, que os dons espirituais estão em plena evidencia. Não há nenhum lugar nas escrituras, onde possamos ter um respaldo hermenêutico e exegético sadio, que nos aponte que os dons do Espírito Santo tenha perdido a sua eficácia. Há, disso sabemos, àqueles, que tentam, com suas falácias exegéticas, de todos os modos, desestimular os crentes nos dias atuais, que não busquem mais esses dons. Eu diria que é uma luta inglória; pois batalhar contra o Espírito Santo, é malhar em ferro frio. Veja a simples, mas brilhante resposta de Gamaliel ao conselho dos judeus quando começaram lutar contra os apóstolos do Senhor: “Mas, levantando-se Gamaliel, doutor da lei, venerado por todo o povo, mandou que, por um pouco, levassem para fora os apóstolos; E disse-lhes: Varões israelitas, acautelai-vos a respeito do que haveis de fazer a estes homens. Porque, antes destes dias, levantou-se Teudas, dizendo ser alguém; a este se ajuntou o número de uns quatrocentos homens; o qual foi morto, e todos os que lhe deram ouvidos foram dispersos e reduzidos a nada. Depois deste, levantou-se Judas, o galileu, nos dias do alistamento, e levou muito povo após si; mas também este pereceu, e todos os que lhe deram ouvidos foram dispersos. E agora digo-vos: Dai de mão a estes homens, e deixai-os, porque, se este conselho ou esta obra é de homens, se desfará, mas, se é de Deus, não podereis desfazê-la, para que não aconteça serdes também achados combatendo contra Deus (At 5. 34-39). Lutar contra aqueles que buscam o poder sobrenatural de Deus. Aqueles que creem, buscam e recebem os dons espirituais, é lutar contra Deus. A igreja do Senhor não haveria prevalecido, se não fosse esse poder até o dia de hoje. Se a igreja fosse viver apenas de filosofias, teorias, ciência da letra morta e vazia, certamente já nem se falaria mais no nome de Jesus.
O que faz com que a igreja viva, poderosa, gloriosa e triunfante continue propagando o Nome Santo do Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, não é outra força, a não ser aquela que desceu no dia de pentecostes na cidade de Jerusalém. Jesus disse: “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria e até aos confins da terra” (At 1.8). O que Jesus falou, se cumpriu dali a dez dias. “E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At.2.4). A igreja não parou de buscar poder. A cada momento que os crentes se sentiam vazios, eles iam na fonte do poder: a oração. “E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo e anunciavam com ousadia a palavra de Deus” (At 4.31). Para Paulo começar a falar da palavra, precisou ser cheio do Espírito Santo. “E Ananias foi, e entrou na casa, e, impondo-lhe as mãos, disse: Irmão Saulo, o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, me enviou, para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo. (At 9. 17).
Cri por isso falei.

Pr Daniel Nunes da Silva

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

QUERO SER SANTO



Senhor, eu quero ser santo.
Eu quero ser como Tu.
Pois Tu és santo.
Eu também quero ser.
Eu quero ser Santo.

Sei que todos os dias erro.
Todos os dias falho.
Ofendo a tua santidade.
Porém, Minh alma clama.
Tu és santo Senhor.
Eu  quero ser santo.

O sangue de Jesus me purifica.
Ele me faz santo como Tu Senhor.
O sangue de Jesus me limpa.
O sangue de Jesus me redime.
Tu és santo Senhor.
Eu quero ser santo.

Minh alma chora por santidade.
Minh alma grita dentro de mim.
Minh Alma lamenta meus pecados.
Mas Tu és Santo Senhor.
Tu és santo Senhor.
Eu quero ser santo.

Se não consigo orar mais,
Teu Espirito me ajuda.
Ele ora por mim.
Ele geme por mim.
Tu és santo Senhor.
Eu quero ser Santo.

O velho homem batalha,
Se levanta contra mim.
Diz que não quer, não deseja.
Mas, o homem interior clama.
Pois Tu és santo Senhor.
Eu quero ser santo.

Há uma lei dentro em mim,
Que escraviza, que oprime,
Porém, sinto a tua mão.
Sinto o Teu perdão.
Pois Tu és Santo Senhor
Eu quero ser santo.

Quero me manter mais longe,
Cada dia mais longe do pecado.
Cada dia mais perto de Ti.
Cada dia mais junto de Ti.
Pois Tu és santo Senhor.
Eu quero ser santo.

O Céu é lugar de santo.
Imundo lá não entrará.
Me limpa dos meus pecados.
Me lava no teu sangue Jesus.
Pois Tu és santo Senhor.
Eu quero ser santo.

Tu és santo, santo, santo.
Santo o Pai, Santo o Filho,
E Santo o Espírito Santo.
Ah, como almejo ser também!
Pois Tu és santo Senhor.
Eu quero ser santo.

Tua santidade atrai a mim
Mas repulsa o homem vil.
Tua santidade é temida,
Mas sinto calma ao repetir:
Tu es santo Senhor.
Eu quero ser santo.

Somente após te ouvir.
E sentir o alivio na alma.
Posso repousar em paz.
Nos braços santos do Pai.
Pois Tu és santo Senhor.
Eu quero ser santo.

segunda-feira, 19 de novembro de 2018


O CRENTE SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
Porém, agora, não subsistirá o teu reino; já tem buscado o SENHOR para si um homem segundo o seu coração e já lhe tem ordenado o SENHOR que seja chefe sobre o seu povo, porquanto não guardaste o que o SENHOR te ordenou” (1Sm 13.14).
Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para altura de sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o SENHOR não vê como vê o homem. Pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração” (1Sm 16.7).
E, quando este foi retirado, lhes levantou como rei a Davi, ao qual também deu testemunho e disse: Achei a Davi filho de Jessé, varão conforme o  eu coração, que executará toda a minha vontade” (At 13.22).
Diz-se que coração é terra que ninguém vai, ou que ninguém anda. Porém, há um que vai sim: Deus. Ele não somente vai, como ele sonda e perscruta o coração. Está escrito em Jeremias 17.10 “Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, e provo os pensamentos:...”. Ler Hb 4.12; Sal 139.1-4.
O coração é a sede de nossas emoções, vontade e sentimentos. Viver, ou andar segundo o coração de Deus, é andar segundo a sua vontade. Todo aquele que anda segundo, não é primeiro. Significa dizer, que ele sempre vai esperar que o primeiro de o passo, para logo ele dar também o seu passo.
Você já pensou sobre isto, o que significa andar segundo o coração de Deus? Você já imaginou como é  coração de Deus? A tendência do ser humano é andar segundo o seu próprio coração. É andar segundo o seu próprio pensamento. Salomão nos diz: “ Há caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são caminhos de morte” (Pv 14.12). Diz mais ainda: “Dos seus caminhos se fartará o infiel de coração,...” (Pv 14. 14). Isaías disse: “Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos e se converta ao SENHOR, que se compadecerá dele; torne para o SENHOR nosso Deus, porque grandioso é em perdoar” (Is 55. 7). Isto significa que o ser humano ama andar em seu próprio caminho, e segundo os desejos de seu coração. Paulo nos diz em Romanos 1. 24, que “... Deus os entregou às concupiscências de seu coração, à imundícia, para desonrarem o seu corpo entre si”.


COMO PODEMOS ANDAR SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS
a.    Somente através do novo nascimento
Não há nenhum ser humano, que possa viver segundo o coração de Deus, senão aquele que nasceu de novo: “Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus” (Jo 1. 12,13); “...Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo não pode ver o Reino de Deus” (Jo 3.3); “... Na Verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus” (Jo 3.5). “Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva e que permanece” (1Pe 1.23). “Deixando, pois, toda malicia, e todo engano, e fingimentos, e inveja, e murmurações, desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que, por ela, vades crescendo, se é que já provaste que o Senhor é benigno” (1Pe 2.1-3).
b.    Crescer no conhecimento de Deus.
O passo seguinte, é crescer no conhecimento  de Deus. Não basta nascer. Tem crescer. “E a vida eterna é esta: que conheçam a ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a que, enviaste” (Jo 17.3); “Para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais corroborados com poder pelo seu Espírito no homem interior (coração); para que Cristo habite, pela fé, no vosso coração;  a fim de, estando arraigados e fundados em amor, poderdes perfeitamente compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais cheios de toda a plenitude de Deus” (Ef 3. 17-19). Desde que teve o encontro com Cristo, no caminho de Damasco, o alvo primordial de Paulo, foi o de cada dia mais conhecer a Cristo (Fil 3. 8-10). Pedro nos exorta: “... antes, crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo...” (2Pe 3.18).
Ao concluir o assunto acerca dos dons espirituais, em 1ª aos Coríntios 12, Paulo nos diz que nos mostraria um caminho ainda mais excelente que os dons. Você já leu sobre isso? Leiamos então. Qual seria esse caminho ainda mais excelente, que Paulo fala em 1ª Coríntios 12. 31? O amor. Há crentes que são gigantes nos dons, mas, anões no amor. Então, Paulo nos diz: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem (cresci), acabei com as coisas de menino” (1Co 13. 11). Leiamos ainda Hebreus 5. 11-14; 6.1.
A DIFERENÇA DO QUE ANDA SEGUNDO A CARNE DAQUELE QUE VIVE SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS.
a.     O que anda segundo o coração do velho homem diz: Eu sou o melhor; o que anda segundo o coração de Deus diz: O meu próximo é melhor que eu (Fil 2.3);
b.    O que anda segundo o coração do velho homem diz: Quem domina sou eu; O que anda segundo o coração de Deus diz: Não mais vivo eu, mas Cristo vive em mim (Gal 2.20);
c.     O que vive segundo o coração do velho homem, ama andar na imundícia da carne, o homem segundo o coração de Deus ama a santificação (1Ts 5.23);
d.    O que anda segundo o coração do velho homem, gosta das trevas, o que anda segundo o coração de Deus, ama a luz (Jo 8.12; 1Jo 1.7);
Finalmente, o coração do homem ímpio, tem escrito nele as leis do pecado (Rm 8. 2b); No coração do novo homem, aquele que Paulo nos fala em 2Co 5.17, tem escrito nele a lei de Deus: “... porque já é manifesto que vós sois a carta de Cristo, ministrada por nós e escrita não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas nas tábuas de carne do coração” (2Co 3.3); “Mas este é o concerto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o SENHOR: porei a minha lei no seu interior e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. E não ensinará alguém mais a seu próximo, nem alguém, a seu irmão, dizendo: Conhecei ao SENHOR; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior, ...” (Jr 31.33,34). Ler ainda Ez 36.26,27.
Assim como um computador, que é de minha propriedade, se você abri-lo, vai encontrar muitas mensagens edificantes, poesias, leituras da palavra, estudos bíblicos, assim também  o nosso coração, quando Deus escreve suas leis. O coração do homem ímpio, tem escrito a lei do pecado (Mt 7.21; Lc 6.45b). Mas no coração do homem renascido de novo, tem as leis de Deus. (Sal 119.11; Mc 12.30; Lc 6.45a).

Deus os abençoem ricamente
Pr Daniel  Nunes

terça-feira, 30 de outubro de 2018

SER PASTOR



Ser pastor é muito mais que ser um pregador. Está além de ser um administrador de igreja. Muito além de professor ou conferencista.
Ser pastor é algo da alma, não apenas do intelecto.
Ser pastor é sentir paixão pelas almas. É desejar a salvação de alguém de forma tão intensa, que nos leve à atitude solidária de repartir as boas-novas com ele. É chorar pelos que se mantém rebeldes. É pensar no marido desta irmã, no filho daquela outra, na esposa do obreiro, nos vizinhos da igreja, nos garotos da rua.
Ser pastor é tudo fazer para conseguir ganhar alguns para Cristo.
Ser pastor é festejar a festa da igreja. É alegrar-se com a alegria daquele que conquista um novo emprego, daquele que gradua-se na faculdade, daquele que recebe a escritura da casa própria ou do outro que recebeu alta no hospital.
Ser pastor é ter o brilho de alegria ao ver a felicidade de um casal apaixonado, ao ver o sucesso na vida cristã de um jovem consagrado, é festejar a conversão de um familiar de alguém da igreja por quem há tempos se vinha orando.
Ser pastor é desejar o bem sem cobiçar para si absolutamente nada, a não ser a felicidade de participar dessa hora feliz.Mas ser pastor também é chorar. Chorar pela ingratidão dos homens. Chorar porque muitas vezes aqueles a quem tanto se ajudou são os primeiros a perseguirem-nos, a esfaquearem-nos pelas costas, a criticarem-nos, a levantarem falso testemunho contra a igreja e contra nós. É chorar com os que choram, unindo-nos ao enlutado que perdeu um ente querido, é dar o ombro para o entristecido pela perda de um amor, é ser a companhia do solitário, é ouvir a mesma história uma porção de vezes por parte do carente. Chorar com a família necessitada, com o pai de um drogado, com a mãe da prostituta, com a família do traficante, com o irmão desprezado.
Ser pastor é não ter outro interesse senão o pregar a Cristo. É não se envolver nos negócios deste mundo, buscando riquezas, fama e posição. É saber dizer não quando o coração disser sim. É não ir à casa dos ricos em detrimento dos pobres. É não dar atenção demasiada para uns, esquecendo-se dos outros. É não ficar do lado dos jovens, em detrimento dos adultos e vice-versa.
Ser pastor é não envolver-se em demasia com as pessoas, ao ponto de se perder a linha divisória do amor e do respeito, do carinho e da disciplina.
Ser pastor é não aceitar subornos nem tampouco desprezar os não expressivos.
Ser pastor é ser pai. É disciplinar com carinho e amor, conquanto com a firmeza da vara, da correção e, não raras vezes, da exclusão de pessoas queridas. É obedecer a Bíblia, não aos homens. É seguir a Deus, não ao coração.
Ser pastor é ser justo.
Ser pastor é saber dizer não, quando a emoção manda dizer sim.
Ser pastor é ter a consciência de não ser sempre popular, principalmente quando tiver que tomar decisões pesadas e difíceis, e saber também ser humilde quando a bênção de Deus o enaltecer diante do rebanho e diante do mundo. Os erros são nossos, mas a glória é de Deus.
Ser pastor é levantar-se quando todos estão dormindo e dormir quando todos estão acordados, socorrendo ao necessita-do no horário da necessidade.
Ser pastor é não medir esforços pela paz. É pacificar pais e filhos, maridos e esposas, sogros e genros, irmãos e irmãs.
Ser pastor é sofrer o dano, o dolo, a injustiça, confiando n'Aquele que é o galardoador dos que o buscam.
Ser pastor é dar a camisa quando lhe pedem a blusa, andar duas milhas quando o obrigam a uma, dar a outra face quando esbofeteado.
Ser pastor é estar pronto para a solidão. É manter-se no Santo dos Santos de joelhos prostrados, obtendo a solução para os problemas insolúveis.
Ser pastor é ser sacerdote, mantendo sigilo no coração, mantendo em segredo o que precisa continuar sendo segredo, e repartindo com as pessoas certas aquilo que é "repartível".
Ser pastor é muitas vezes não ser convidado para uma festa, não ser informado de uma notícia ou ser deixado de fora de um evento, e ainda assim manter a postura, a educação, o polimento e a compaixão.
Ser pastor é ser profeta, tornar o seu púlpito um "assim diz o Senhor", uma tocha flamejante, um facho de luz, uma espada de dois gumes, afiada e afogueada, proclamando aos quatro ventos a salvação e a santificação do povo de Deus.
Ser pastor é ser marido e ser pai. É fazer de seu ministério motivo de louvor dentro e fora de casa. É não causar à esposa a sensação de que a igreja é uma amante, uma concorrente, que lhe tira todo o tempo de vida conjugal.
Ser pastor é amar aos seus filhos da mesma forma que ensina aos pais cristãos amarem aos seus. É olhar para os olhos de seus filhos e ver o brilho de seus próprios olhos. É preocupar-se menos com o que os outros vão pensar e mais no que os filhos vão aprender, sentir e receber. É ver cada filho crescer, dando a cada um a atenção e o amor necessários. É orgulhar-se de ser pai, alegrar-se por ser esposo, servir de modelo para o povo.
Ser pastor é pedir perdão.
Se os pastores fossem super-homens, Deus daria a tarefa pastoral aos anjos, mas preferiu fazer de pecadores convertidos os líderes de rebanho, pois, sendo humanos, poderiam mostrar aos demais que é possível ser uma bênção. Mas, quando pecarem, saberem pedir perdão. A humildade é uma chave que abre todas as portas, até as portas emperradas dos corações decepcionados. A humildade pode levar o pastor à exoneração, como prova de nobreza e integridade, como pode fazê-lo retomar seus trabalhos com maior pujança e vigor. Há pecados que põem fim a um ministério e ser pastor é saber quando o tempo acabou. Recomeçar é possível, mas nem sempre.
Ser pastor é saber discernir entre ficar ou sair, entre continuar pastor e recolher-se respeitosamente.
Ser pastor é crer quando todos descrêem. Saber esperar com confiança, saber transmitir otimismo e força de vontade. É fazer de seu púlpito um farol gigantesco, sob cuja luz o povo caminha sempre em frente, para cima e em direção a Deus.
Ser pastor é ver o lado bom da questão, é vislumbrar uma saída quando todos imaginarem que é o fim do túnel.
Ser pastor é contagiar, e não contaminar.
Ser pastor é inovar, é renovar, é oferecer-se como sacrifício em prol da vontade de Deus.
Ser pastor é fazer o povo caminhar mais feliz, mais contente, é fazer a comunidade acreditar que o impossível é possível, é fazer o triste ser feliz, o cansado tornar-se revigorado, o desesperado ficar confiante e o perdido salvar-se. As guerras não são ganhas com armas, mas com palavras, e as do pastor são as palavras de Deus, portanto, invencíveis. (desconheço o autor).
"Os pastores devem servir por amor ao serviço do Senhor, e não calculando o lucro material que o seu trabalho lhes oferece".
"Os pastores devem servir com preocupação sincera pela glória de Deus e visando o bem de almas imortais; estando prontos a fazê-lo com alegria, fazendo tudo que contribua para isso" (John Gill).

terça-feira, 26 de junho de 2018

PORQUE MUITA GENTE NÃO TEM AMIGOS



Resultado de imagem para amigos
Há amigos mais chegados que um irmão” (Pv 18.24).
Um verdadeiro amigo, como Davi e Jônatas, não é coisa do acaso; é uma dádiva de Deus do mais alto valor, e que deve ser preservada com todo empenho. Há nisso a contribuição humana.
Quando alguém afirma que tem muitos amigos é porque não tem nenhum, no sentido estrito da palavra, como estamos abordando aqui. (1Sm 18. 1-4; 20.17-23; 2Sm 23.26; Pv 17.17; 18.24). Um verdadeiro amigo é um tesouro para a vida inteira. Segundo deixa ver Filemom versículo 15, as boas amizades em Cristo, aqui, continuarão na outra vida. Considerar as expressões “irmãos e amigos” (Sal 122.4), e “irmão e companheiro” (Sal 38.11), e “irmão, cooperador e companheiro” (Fil 2.25).
Eis porque muita gente não tem amigos
1.    Pedantismo. Demonstração ostensiva de que sempre sabe mais do que os outros. Ora, quem sabe mesmo, não se preocupa em querer sempre exibir seus conhecimentos. Somente o pedante é que vive alardeando que sabe muito.
2.    Exagero em falar.  Isso é uma forma disfarçada de mentir. Não parecem mas pessoas assim, uma vez descoberta, são evitada a todo custo por todos.
3.    Ser inconstante. Pessoa que está sempre mudando de atitude, não inspira confiança em ninguém.
4.    Mania de chefia. Chefiar é uma coisa; ter mania de chefia é outra. Pessoas assim, querem mandar em tudo, ou ter tudo segundo o seu gosto peculiar. Têm sempre a ideai de superioridade.
5.    Ser reclamador. Nunca está satisfeito. Nada o satisfaz. Ninguém serve. Ninguém quer ficar perto de uma pessoa assim!
6.    Ser curioso e intrometido. Entra em todo lugar sem ter sido chamado, sem que alguém lhe desse liberdade. Gosta de saber conversas que não lhe compete saber.
7.    Ser tagarela. Todo tagarela cria problemas para si e para os outros à sua volta, seja onde for.
8.    Ser precipitado e imprudente. Diz e faz o que não deve dizer, nem fazer, com a desculpa “eu sou assim mesmo”. Se tal pessoa vier a ter um amigo de fato, muito cedo o perderá. O precipitado é grosseiro, nem sempre por natureza, mas pelos atos e palavras ferinas. Quando é esse o caso, eles, depois de seus atos impensados querem que todo mundo fique bonzinho com ele.
9.    Ser vaidoso, orgulhoso. Gosta sempre de elogio, mas nunca reconhece com palavras e com atos as virtudes dos outros, nem  o que fazem de bem para ele.
10. Egoísmo crônico. Pensar somente em si; cuidar só de si mesmo; não se preocupa com ninguém mais.
Se você não sabe porque não tem amigos, examine cuidadosamente a lista acima.
Extraído da capa da revista da EBD do ano de 1984, com algumas adaptações do pastor Daniel Nunes.

sexta-feira, 8 de junho de 2018

DE PASTOR PARA PASTOR



Antes como ministros de Deus, tornando-nos recomendáveis em tudo: na muita paciência, nas aflições, nas necessidades, nas angustias, nos acoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns. Na pureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no Espírito Santo, no amor não fingido. Na palavra da verdade, no poder de Deus, pelas armas da justiça, à direita e á esquerda, por honra e por desonra, por infâmia e por boa fama: como enganadores, e sendo verdadeiros; Como desconhecidos, mas sendo bem conhecidos: como morrendo, e eis que vivemos: como castigados, e não mortos; Como contristados, mas sempre alegres: como pobres, mas enriquecendo a muitos: como nada tendo, e possuindo tudo” (2Co 6. 4-10).
Olhando para esse trecho da segunda epístola ao Coríntios, e tudo o que foi elencado por Paulo quanto a vida e comportamento do ministro do evangelho de Jesus, perguntamos: Seria possível que alguém de carne e osso pudesse suportar física, espiritual, emocional e mentalmente essa carga toda de responsabilidade? Certamente que a resposta seria não. Não há em hipótese alguma, que um homem em sã consciência assuma tal responsabilidade, confiando em seus méritos, em suas forças físicas, mentais e emocionais.
O pastor, esse homem chamado por Deus para cuidar das ovelhas do seu pasto, como disse Pedro: “Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós...” (1Pe 5.2a), precisa confiar inteiramente na graça de Deus para o exercício dessa que é a mais sublime de todas as funções na face da terra. Missão essa, que transcende os limites terrenais. Sai da esfera da ciência humana, biológica e exata e galga patamares espirituais e celestiais. Há momento que na vida do pastor 2 + 2 não é   igual 4. Há momentos na vida e ministério pastoral, que o homem deixa de ser apenas homem para ser uma alma sedenta, um espírito angustiado, que precisa muito mais que remédios desenvolvidos pelos laboratórios químicos; pois ele está precisando da medicação do céu. E sendo do céu, não há laboratório na terra que possa desenvolver essa medicina. Quem não se lembra das palavras de Jesus ao anjo da igreja em Laodiceia?: Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; vestidos brancos, para que vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas” (Ap 3.18). Existem alguns materiais que o pastor usa no exercido do ministério, que não se encontra entre os homens. Não há fabricação na terra.
Há, alguns tipos de alimentos usados pelos pastores, que é fabricado no céu. Diz a Palavra: “E quando o orvalho descia, de noite, sobre o arraial, o maná descia sobre ele” (Nm 11.9). Onde era fabricado o maná? Ainda hoje existem alimentos sendo fabricado no céu, que os despenseiros (pastores chamados por Deus), os tomam, para entregar a igreja do Senhor. “Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus”. Sim, os pastores tem a difícil e sublime missão, de entrar na despensa de Deus e extrair aquilo que as ovelhas precisam para seu sustento espiritual. Relembrando as palavras de Jesus ao anjo da igreja em Laodiceia, ele fala de um tipo de ouro, que não é o ouro da terra; de um tipo de vestimenta que não são os vestidos deste mundo, e de um tipo de colírio que não é fabricado por aqui, mas no céu.
No céu há um movimento contínuo. A Bíblia fala de anjos que ministram aos que hão de herdar a salvação (Hb 1.14). Sendo assim, há uma conexão muito fina, entre o dono da igreja e o pastor chamado para essa tão sublime finalidade. Assim como o dono de uma grande empresa multinacional, que tem sua central, digamos nos Estados Unidos da América, porém, tem filiais por todos os continentes da terra. E, em cada um desse lugares tem seus gerentes de confiança para distribuição de tudo o que a empresa precisa para sua logística, bem como o produto que comercializa, tudo passa pela mão desse homem de extrema confiança do dono; assim, o pastor é esse representante de Deus na terra. Por isso mesmo, Paulo diz que “...requer-se nos despenseiros que cada um se ache fiel” (1Co 4. 2). E isso não é fácil. É humanamente impossível.
Por isso mesmo, que, apesar de toda preparação psicológica pastoral. Todos os cursos que possa e venha fazer. Toda capacitação humana, nas ciências antropológicas, sociológicas, etc. jamais estará apto para tal missão. A missão pastoral é uma missão do desafios dos impossíveis! Quando a medicina diz que não tem jeito, ai vem o pastor dizendo que Jesus vai fazer o milagre. Quando o país está em crise e as portas estão fechadas, vem o pastor dizendo que Deus vai abrir as portas. Se lermos o texto paulino do inicio dessa mensagem, vamos ver que o que estamos discorrendo aqui, está tudo contido lá. O pastor é o pobre que enriquece a muitos; é o fraco que fortalece a muitos; é o que não é conhecido na terra, mas que tem uma amizade estreita no céu; que é chamado de enganador na terra, porém, os habitantes do céu sabe que ele é verdadeiro. Só lembrando: naquele momento que Jesus disse que a filha de Jairo dormia, os que estavam na sala riram dele. Zombaram dele. Parece que dá para dizer que alguém disse entre os demais: Esse é um enganador! Nada disso: ali estava a verdade encarnada em homem.
Pastor que sofre, que chora, que ora nas madrugadas, que prega o verdadeiro evangelho, que ganha almas para o reino de Deus. Que vai para as vigílias buscar a presença do Senhor. Que cuida do rebanho que o Senhor lhe confiou. Que é menosprezado por muitos, mas fala a verdade, mesmo que muitas vezes não é ouvido. Que tira da sua boca para dar a igreja do Senhor. Que ora pelos enfermos e vê os milagres de Deus. Que expulsa demônios em nome de Jesus e alimenta a igreja com a boa doutrina. Que é incansável na lide do ministério. Que não busca seus interesses, mas o interesse de Jesus Cristo, pois sabe que foi constituído como bispo, não por homens, mas, pelo Espírito Santo para apascentar o rebanho de Deus, que Ele resgatou com o seu próprio sangue (At 20.28).
Pastor, que muitas vezes enfermo, cansado, entristecido, não para, não cede, não desanima, não diz que não dá, não diz que não pode, não diz que não tem, não mostra fraqueza, não reclama para alguém achar que ele é um coitadinho. Pastor chamado para tão sublime e transcendental missão. A missão de fazer Cristo conhecido por todos os homens. Como disse o apóstolo entre os gentios: “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado” (1Co 2.2).
De que material é feito esse homem chamado de Pastor? Que de manhã chora em um culto fúnebre, a noite está se alegrando na festa de casamento? Como é que seu coração aguenta? Como ele suporta tais oscilações em suas emoções? Um homem que sabe que foi traído por uma ovelha, mas, assim como Jesus chamou Judas de amigo na hora do beijo traidor, ele também chama de amigo, trata bem, e ora por essa pessoa. Um homem que tem que se manter sempre na linha. Todos podem, menos ele. Ele é o pastor, o exemplo, o herói, o paradigma, o ícone. Todos o chamam de pai. A última palavra é a dele. Que tamanha responsabilidade!
Se chora muito, o chamam de fraco, chorão; se não chora é seco, falta-lhe espiritualidade, é cara dura. Se se veste bem, é vaidoso; se não, é desleixado. Se anda de carro bom, esta gastando muito o dinheiro dos dízimos; se anda de carro velho, é porque não sabe administrar bem o dinheiro da igreja. Que luta, que dificuldade, que fio de navalha!
Pastor chamado por Deus, permaneçamos firmes na vocação que o Senhor nos chamou. Quando as lutas apertarem, corra para os pés do Salvador. Lá tem lenitivo para a tua alma de pastor. Lá tem fortaleza para o teu coração de pastor. Lá tem alimento para o nosso espírito, muitas vezes solitário de pastor. Lá, aos pés de Cristo, tem a resposta que você pastor está precisando, seja para a sua família, seu ministério ou a igreja que o Senhor lhe confiou.
E, quando aparecer o Sumo Pastor; alcançareis a incorruptível coroa de gloria” (1Pe 5.4).
PARABÉNS PASTORES

Pr Daniel Nunes da Silva


quinta-feira, 31 de maio de 2018

A PROMESSA DA SUA PRESENÇA



Êxodo 33. 12-16

Disse, pois: Irá a minha presença contigo para te fazer descansar” (v. 14).

Isso foi uma promessa feita pelo SENHOR DEUS. Existem mais de 8000 mil promessas de Deus na Bíblia. Disse Paulo: “Porque todas quantas promessas há de Deus são nele sim; e por ele o Amém,...” (1Co 1.20). Pedro disse: “Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina” (2Pe 1.4).

I.            Como esta promessa foi buscada. (v. 12).  Foi buscada diante uma grande comissão que Deus lhe havia feito (Ex 3.7-12). Moisés Pensou: “Como poderei tirar esse povo, sem a poderosa mão de Deus?”. Sempre falamos: “Quando Deus chama ele capacita”, e também: “Deus não chama capacitados, mas capacita aos chamados”. Isso é verdade! Porém, se precisa esclarecer essa capacitação, para que ninguém, depois de capacitado se sinta melhor que ninguém: A capacitação é o mandamento; o que dá condições do cumprimento da missão é a real presença do Senhor conosco (2Co 9.8). Tira-se a presença, se vai a capacitação. Como disse Jesus: “Sem mim, nada podeis fazer” (Jo 15.4,5).
II.          O que a promessa oferecia.  Irá a minha presença contigo...”. Quem pode imaginar os tesouros contidos no baú dessa promessa? (2Sm 22.13; Sal 16.11; 18.12; 68.8). Os tesouros da terra e dos oceanos podem se esgotar, porém, nem as demandas da humanidade, no que tange a redenção, nunca poderão diminuir, nem o tempo nem a eternidade, as riquezas aqui contidas. E essa promessa é tua, é nossa (Mt 28.20; Mc 16.20; At 9. 4-6). Ela se faz real através do Espírito Santo, que habita em nós (Jo 14. 16,17; 1Co 3.16). Assim como o sol se faz real na terra através da atmosfera, a presença de Deus se faz real em nós, através do Espírito Santo. Quando o crente entristece ao Espírito, ele fecha a porta para a presença da graça de Deus em sua vida. Davi sabia muito bem o significado da presença de Deus (Sal 51.11).
III.        Quando foi dada essa promessa. Foi dada em resposta a um clamor: “... rogo-te que agora me faças saber o teu caminho, e conhecer-te-ei...” (v. 13). Aqueles que procuram conhecer a Deus, lhe conhecerão (Is 43.10; Os 6.3). O Senhor Deus se deleita em manifestar-se a Si Mesmo aqueles lhe buscam (Is 44.3). Isso é algo que agrada a Deus! Sabe por quê? Porque os homens já não pedem mais a presença de Deus, eles querem as bênçãos, mas não a presença. A vida animal, terrena, se pode até viver sem conhecer a Deus, mas a vida eterna somente conhecendo a Ele (Jo 17.3).
IV.       O que está promessa trouxe. Com a sua presença podemos esperar também:
1.    Evidencias da graça (v. 13,16). Andar com a presença de Deus, implica dizer que podemos viver na plenitude de sua graça (Jo 1. 16; 2Co 12.9). Graça é favor. Se a presença de Deus está conosco, temos o seu favor, a sua benevolência.
2.    Certeza de repouso (v. 14). A presença do Senhor nos dá repouso, assim como a presença do sol da a luz, a presença da videira da a seiva para os ramos, como a presença da mãe consola o filhinho que chora. Jesus disse: “Vinde a mim... eu os farei descansar”. Ler ainda (Sal 23.4). A presença e Jesus nos dá repouso:
a) do Poder do pecado (Rm 6.14);
b) Do temor do homem (Sl 91. 1-9);
c) Das ansiedades do mundo (Mt 14.30-32);
d) Das inquietudes do serviço (Mt 11.29).
3.    O poder de separação (v. 16). Ficaram separados do Egito e da casa da servidão.
a) A presença de Deus com Abraão o separou de Ur dos Caldeus, de sua família e da casa de seu pai (Gn 12.1).
b) O azeite santo, símbolo da presença de Deus e do Espírito Santo, separou Arão e seus filhos para o serviço do Senhor (Ex 29.4-9).
c) A presença de Deus em nós, através do Espírito Santo, no separará da vida e dos pensamentos do mundo (Rm 12.2).
SUA PRESENÇA SEPARA. Santo, significa “separado, ou consagrado ao Senhor” (Tt 2.14; 1Pe 2.9).

Concluo dizendo que O rei Davi, sabia o significado de ter a presença do Senhor em sua vida (2Sm 22.13; Sal 132.1-9; 51.11).