Pages

sexta-feira, 21 de abril de 2017

COISAS INABALÁVEIS


Hebreus 12.27

Tudo, ou quase tudo que está em nosso poder, são coisas abaláveis, removíveis, inclusive nossa própria existência, nossa vida. Isaias escreveu dizendo: “O tempo da minha vida se foi e foi removido de mim, como choça de pastor; cortei como tecelão a minha vida; como que do tear me cortará; desde a manhã à noite” (Is 38.12).
Não há nada estável sob esses céus turbulentos; a mudança está determinada sobre todas as coisas. O mercado financeiro muda a cada segundo. A bolsa de valores cai, sobe e desce. A vida é como uma eterna gangorra. O poeta Gioia Junior escreveu: “Você que está em cima, não ria de mim que desci, porque o dia que você descer, eu terei que subir”.
Exemplos na Palavra de Deus: Jó era o mais rico do oriente, mas, viu as suas riquezas, fortunas e tudo mais, ser pulverizado em pouco tempo (Jó 1.1-22). O que aconteceu com Jó, pode acontecer com qualquer um dos mortais, pois são coisas abaláveis e removíveis (Salmos 11.3).
Porém, temos coisas que são inabaláveis: “... Ainda uma vez, mostra a mudança das coisas móveis, como coisas feitas, para que as imóveis permaneçam” (Hebreus 12.27). Quais são essas coisas imóveis, ou inabaláveis?
1.     A salvação. Quando falamos de Salvação, estamos falando de algo que confiamos unicamente nos méritos de Jesus (Jó 19.25-27). Ninguém, nem nada neste mundo, nem no mundo vindouro, poderão abalar isso. Nem as riquezas ou a falta delas nos tirará essa certeza de nossa salvação. Temos apenas que reconhecer que somos filhos de Deus, e poderemos dizer como disse Habacuque: “Porquanto ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não hajam vacas, todavia, eu me alegrarei no Senhor, e exultarei no Deus da minha Salvação” (Hc 3.17,18).
2.     A segunda coisa inabalável é o amor de Deus. O amor que Jesus tem por nós não pode ser afetado por nada neste mundo. Em João 13. 1 está escrito: “Ora, antes da festa da páscoa, sabendo que já era chegada a sua hora de passar deste mundo para o Pai, como havia amado os seus discípulos, amou-os até ao fim”. Em Romanos 8. 35, Paulo faz a pergunta: “Quem nos separará do amor de Cristo?, e conclui esse trecho sagrado afirmando: “Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor!”. (Rm 8. 39).
Podemos ver ruir, tudo o que está sob nossos pés, mesmo assim não seremos abalados, pois: “O Senhor dos exércitos está conosco, o Deus de Jacó é o nosso refugio” (Salmos 46.11).

Que Deus nos abençoe grandemente.

sábado, 1 de abril de 2017

A FORMAÇÃO DO CARÁTER CRISTÃO


Texto Áureo
“Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne vivo-a na fé do filho de Deus, o qual me amou e se entregou a si mesmo por mim” Gl 2.20).
Verdade Pratica
O homem nascido de novo tem o seu caráter transformado pelo Espírito Santo.
Leitura Bíblica em Classe
Ef 4. 17-24
Objetivo Geral
Mostrar como se dá a formação do caráter cristão
Objetivos específicos
1.     Reconhecer o caráter na realidade do homem;
2.     Mostrar como se deu a deformação do caráter humano;
3.     Explicar a redenção do caráter humano.

Introdução: Vamos neste trimestre estar estudando sobre o caráter do homem. O Título geral do trimestre é bem sugestivo: O caráter do Cristão moldado pela Palavra de Deus e provado como ouro.
Vemos então que em linhas gerais, a revista vai tratar de caráteres deformados, que podem perfeitamente serem moldados, isto é, refeitos, reconstruídos, passando pelo molde da Palavra de Deus, e depois serão provados pelo fogo das provações assim como o ouro.

I.       O CARÁTER NA REALIDADE DO HOMEM. Vamos começar fazendo a diferença entre o que é caráter e o que é personalidade.
1.     Personalidade: Nossa lição resume dizendo: A personalidade pode ser definida como sendo a qualidade do que é pessoal. É a maneira de ser, ou seja, aquilo que nos distingue de outra pessoa. Segundo o pastor Elinaldo Renovato, a personalidade é formada durante o desenvolvimento psicoafetivo do individuo. Para que essa personalidade seja formada, inclui elementos genéticos (temperamento), como também o meio ambiente, onde o sujeito esta sendo formado.
A maioria dos psicólogos concorda que a personalidade se consolida e desenvolve aos seis anos de idade.
A palavra Personalidade vem da palavra latina persona, usada originalmente para designar as máscaras usadas pelos atores no antigo teatro grego, com o tempo ela passou a ser descrita como a máscara que usamos para o mundo ver.
Pode-se dizer que há personalidade para todos os gostos: Extrovertidos ou introvertidos, sociáveis ou tímidos, agressivos ou passivos, simpáticos ou chatos, desafiadores ou negociadores, etc. Fora a imagem social superficial, que todos temos e nos apresentamos, como: charme, jovialidade e carisma. Mas o que vemos, pode não ser verdade! Sócrates, grande filósofo grego que nasceu no ano 470 a. C. disse: “O caminho mais grandioso para viver com honra neste mundo é ser a pessoa que fingimos ser”.
Como vemos, a personalidade é formada, fazendo do sujeito único e singular no mundo, através de componentes genéticos, educacionais, familiares, sociais e psicossociais, que vão determinar seu papel na sociedade.
Eis o grande valor da EBD, do culto doméstico e do culto de Doutrina para a criança (Pv 22.6).
2.     Caráter. A palavra caráter é originada do verbo grego que significa “gravar”. A firmeza moral de uma pessoa, depende do que está gravado em seu interior.
Caráter é o que somos por baixo de nossa personalidade (Máscara).
Ao contrário da personalidade, que se forma na infância, o caráter continua a crescer e a se desenvolver ao longo da vida.
Na prática, sua importância é bem maior, já que uma pessoa não é responsável pela sua personalidade, mas por seu comportamento.
Na verdade o caráter é bem diferente da personalidade. Pois o caráter trata de nossa maturidade moral, que é a disposição para fazer a coisa certa. Mesmo quando preço para fazê-la é superior ao que estamos dispostos a pagar (Pv 23.23).
É fácil amarmos as pessoas que gostamos, mas, o caráter cristão formado em nós, nos ordena que amemos até os que nos aborrecem (Pv 25.21,22; Rm 12.20.13.8).
O desenvolvimento da firmeza moral significa ganhar essa batalha até que a vitória se torne um hábito.
Portanto, podemos dizer que caráter é nossa força moral e ética.
O nosso caráter pode ser influenciado tanto pela hereditariedade quanto pelo ambiente em que vivemos. Influenciado não determinado.
A excelente boa nova, é que qualquer individuo pensante, pode optar por ser diferente a partir de hoje.
Aristóteles disse: “Nós nos tornamos o que fazemos repetidamente”, ou seja: Nós nos tornamos justos, ao praticarmos atos justos, controlados aos praticarmos o autocontrole, etc. Quer dizer, quando nosso caráter é provado.
De nada adiante eu dizer que sou uma pessoa de bom caráter, mas, na hora da prova, eu provar tudo ao contrário.
Concluo sobre esse ponto, usando uma frase muito bonita de Whitney M. Young, que disse: “A verdade é que não há nada de digno em ser superior a outra pessoa. A única nobreza genuína é ser superior a seu antigo eu”.
SÍNTESE DO TÓPICO I
Deus criou o homem provido de caráter

II.    A DEFORMAÇÃO DO CARÁTER HUMANO.
1.     A queda e o caráter humano. Enquanto todas as demais coisa foram criadas através do “fiat” (faça-se) de Deus, o homem teve uma criação de modo bem diferente (Gn 1.26,27). Criado portanto, perfeito em termos espirituais, morais e físicos.
2.     Imagem e semelhança de Deus. O pastor Elinaldo nos traz as duas palavras no hebraico: “imagem” é selem, e “semelhança” d`mûth, ambas se referem a algo similar ou idêntico a coisa que representam, ou aquilo de que são a “imagem”
A interpretação de quem vem a ser a “semelhança” de Deus no homem tem muitas variantes, diz o pastor Elinaldo: Há quem entenda que essa “semelhança” é apenas moral e espiritual. Outros entendem que é mais ampla, que inclui a essência da divindade do Criador.

A IMAGEM DE DEUS NO HOMEM
Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança.” (Gn 1.26) Vejamos também: Gn 5.1; 9.6; Ec 9. 29; At 17.26,28,29; 1Co 11.7; 2Co 3.18; 4.4; Ef 2.10; 4.24; Cl 1.15; 3.10; Tg 3.9.
Segundo Myer Pearlman, alguns elementos constituem a imagem divina no homem, quais sejam:
1.     Parentesco com Deus. A partir do momento que Deus soprou nas narinas do homem, e ele passou a existir, também passou a ser filho de Deus. Mesmo que depois tenha se degradado pelo pecado, mas , ele não perdeu a sua razão. Um homem pode degradar-se, a ponto de outro ter que dizer a ele: Seja homem. Porém, jamais vai ser chegar a um tigre e dizer: Seja Tigre. Entende?
2.     Caráter moral. O reconhecimento do bem e do mal pertence somente ao homem. Um animal aprende o certo e o errado, dependendo de seu dono.
3.     Razão. O animal é uma criatura da natureza, o homem o senhor da natureza. Ele é capaz de refletir sobre a natureza e suas causas. Consideremos todas as invenções que surgiram na mente do homem.
4.     Capacidade para ser imortal. O homem foi criado para viver eternamente.
5.     Domínio sobre a terra (Gn 2.28). O homem foi designado para ser imagem e semelhança com respeito a soberania.
3.     A deformação do caráter humano.  Como foi dito acima: Deus fez o homem perfeito (Ec 7.29). Nesse texto, a palavra “invenções” não se refere às descobertas científicas ou tecnológicas, que são frutos da inteligência humana. Refere-se, sim, às mudanças e inovações de caráter moral negativo ou pecaminoso, contrariando a vontade de Deus.
Quando o homem deu lugar ao diabo e desobedeceu a Deus e pecou, perdeu aquela semelhança moral com o Criador. Permaneceu algo muito tênue daquilo que antigamente era perfeito. A semelhança foi distorcida, prejudicada, no ser humano, enfatiza Renovato. Esses traços são senso de justiça, de ética e da busca por um ser supremo no âmago de sua consciência.
O seu caráter, impresso por Deus em sua mente, e em seu interior, foi deformado pelos efeitos espirituais e morais da queda. Essa deformação abrangeu algumas áreas da vida do homem, a saber:
a.       No relacionamento com Deus. Desde o Éden, o homem tem se afastado progressivamente de Deus em direção ao abismo eterno. Textos mostram o que o homem perdeu (Rm 3.23; 5.12; 6.23).
Todos nascem marcados por essa tragédia. Até as criancinhas já nascem sob à influencia nefasta do pecado em seu ser (Sal 51.5). A Bíblia é clara em dizer que o pecado é uma parede de separação entre o homem e Deus (Is 59.2).
Os dois versículos mais tristes da Bíblia estão em Genesis 3.23,24: “O Senhor Deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra, de que fora tomado”, “E, havendo lançado fora o homem, pôs querubins ao oriente do jardim do Éden e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida”.
O homem perdeu o relacionamento com Deus. Depois de mais de quatro mil anos, chegou Jesus, aquele que veio para refazer esse acesso, dizendo: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai, senão por mim” (Jo 14.6).
b.      No relacionamento humano. O homem preferiu dar desculpas, que assumir a sua culpa (Gn 3. 9-13). Já se pode ver um ser de caráter deformado, que originalmente era puro e santo.
Não demorou muito para que acontecesse o primeiro homicídio na face da terra (Gn 4. 8). Logo outros (Gn 4.23).
A história não nos deixa esquecer quantos assassinatos. O imperadores romanos. Hitler, Stalin, Mussolini, entre outros de menor envergadura do mal.
c.       A depravação moral da sociedade. Vemos uma sociedade onde já se aceitava a bigamia (Gn 4.23). Isso fala de relacionamentos pecaminosos, e depravação moral. Homossexualismo em Sodoma e Gomorra (Gn 19.5). Isso já era artimanha do diabo, contra o plano de crescimento que Deus havia traçado para a humanidade (Gn 1.27,28). Isso sempre foi e sempre será abominação aos olhos do Senhor (Lv 18.22; 20.13). Paulo fala sobre tudo isso em Romanos 1.18-32.
d.      No relacionamento com a natureza. O planeta terra foi preparado por Deus, para ser o ambiente ideal para o desenvolvimento da vida do homem e dos animais. A terra foi dada por Deus aos filhos dos homens (Sal 24.1; 115.16). Deus colocou o homem no jardim para cuidar da terra (Gn 2.15).
Por causa do pecado, o sistema ecológico foi mudado. As condições ambientais foram transformadas. A terra passou a produzir espinhos. Finalmente, o relacionamento com a natureza mudou completamente. É só olhar para a terra hoje, para vermos o que o homem, que era para cuida-la fez com ela. Rios poluídos, agrotóxicos na lavoura, desmatamento sem controle, etc.

SÍNTESE DO TÓPICO II
A deformação do caráter humano veio com a queda

III.  A REDENÇAO DO CARATER HUMANO. Jesus veio ao mundo salvar o homem perdido da tragédia do pecado que o separa de Deus (Is 59.2). Naquele cenário horrível da queda, Deus em sua infinita misericórdia prometeu a redenção da raça humana por meio da “semente da mulher” (Gn 3.15).
Sem Deus, o homem tem um caráter deformado. Aquela marca de Deus gravada no interior do homem, foi danificada, e por isso mesmo o homem peca por inclinação, por opção e até por prazer em pecar (Rm 8.5-7). Tornando-se assim propriedade do diabo (1Jo 3. 8), o que é muito triste.
Mas, o Evangelho de Jesus, tem poder para salvar os pecadores (1Tm 1.15; Rm 1.16. Onde o homem alcança assim o novo nascimento (Jo 3.3,7).
A salvação em Cristo Jesus, faz do homem uma nova criatura (2Co 5.17).

1.     Novo nascimento, transformação do caráter.  Aquilo que o pecado levou do homem, Jesus veio para devolver (Jo 3.16). O caráter do homem renovado, é totalmente outro, veja o que disse Paulo em 1ªCoríntios 6.10,11; e Efésios 4. 17-32. Isso é caráter renovado.
2.     A palavra de Deus muda e fortalece o caráter. A Bíblia tem um poder transformador tão grande na vida do nascido de novo que todo o seu ser é alcançado pelos seus efeitos benéficos e regeneradores (Hb 4.12).
A obra realizada na vida do homem, é muito mais que uma mudança de religião, pois envolve a regeneração (Jo 3.3,7); Justificação (Rm 3.24; 5.1,9), e santificação (He 12.14; 1ª Ts 5.23).
A igreja ajuda a lapidar o caráter de seus membros através da Palavra de Deus (Dt 31.12).
3.     O caráter amoroso do Cristão.  A salvação propiciada pelo sacrifício expiatório de Cristo abrange todas as áreas estruturais do ser humano: Espírito, alma e corpo. Os aspectos fundamentais da salvação, como:  regeneração, justificação e santificação, devem ser vistos em toda a sua abrangência. Podemos dizer que o cristão tem uma marca principal: o amor. O amar a Deus e o amor ao próximo (Mt 22.34-40; Jo 13.34,35). Quem não ama, não é salvo (1ª Jo 2.9,11).
Juntamente com o amor, inerente a vida do salvo está a santificação, sem a qual ninguém vera o Senhor (He 12.14). A santificação tem o lado divino da execução (He 2.11), porém, no aspecto progressivo, a santificação tem a participação e o esforço do homem (2Co 7.1; Fil 2.12).
Em suma, a santificação molda o caráter do crente em seu desenvolvimento espiritual. O salvo tem que se santificar para que seu caráter seja santo.
SÍNTESE DO TÓPICO III
Jesus Cristo veio ao mundo para a redenção do caráter humano.

Conclusão.
Concluo reprisando as palavras de um escritor russo Leon Tolstoi que disse: “Todos querem mudar o mundo, mas ninguém quer mudar a si mesmo”.  Caráter é assim, vemos as falhas nos outros, mas dificilmente enxergamos os nossos defeitos. Foi por isso que Jesus disse: “E porque reparas tu no argueiro que está no olho de teu irmão e não vês a trave que está no teu olho? (Mt 7.3).

O homem salvo e remido por Cristo Jesus tem as marcas do Salvador no seu ser e no seu comportamento (Gl 6.17). Amém. 

terça-feira, 21 de março de 2017

RIO PARAIBA

RIO PARAÍBA


Aqui o Rio Paraíba,
Corria de vez em quando.
As chuvas iam caindo,
As águas se avolumando.
O leito ia se enchendo,
E o povo se alegrando.

Se as chuvas demorassem,
Ele corria por alguns dias.
Não era por muito tempo,
Logo, logo enfraquecia.
As águas iam minguando,
E pouco a pouco morria.

Quando o rio estava correndo,
Era uma festança segura.
Menino, rapaz, moça e velho,
Alimentava-se da fartura.
Mas quando se acabava,
Deixava aquela secura.

Lembro-me ainda dos dias,
Que pescava em suas águas.
Com tarrafa, rede ou anzol,
Ninguém voltava sem nada.
Mas quando ele secava,
Aquela festa acabava.

Ele se ia minguando,
Devagar, devagarinho.
Aquele rio tão largo,
Ia ficando fininho.
Até se acabar por inteiro,
Ficando o leito sequinho.

Todos bebiam dele,
O boi, a cabra e o passarinho.
Sem falar no ser humano,
Todos tiravam um pouquinho.
Mas quando ele secava,
Ficava o leito sozinho.

Mas agora é diferente,
O velho Chico chegou.
A transposição é realidade,
E o rio se movimentou.
Já não para de correr,
E a alegria voltou.

Fui ver o milagre de perto,
Vi as águas doces correndo!
O povo rindo a toa,
Nadando, pescando e comendo.
Enquanto as águas serenas,
Passavam o rio enchendo.

Não aguentei e desci,
Quilômetros a beira do rio.
Prazenteiro ele descia,
Em um curso manso e frio.
Regando a terra cansada,
                                                         Trazendo vida ao vazio.

Resta-nos cuidar bem,
Do leito e de suas águas.
Não jogando esgoto e lixo,
Maculando suas vagas.
Cuidando do rio Paraíba,
Cuidaremos nossas plagas.

Muitas árvores plantaremos,
As margens do Paraíba.
Do cariri ao litoral,
Trazendo ainda mais vida.
E pra sempre cantaremos,
Viva nossa terra querida.


Poesias composta por Daniel Nunes da Silva, no dia 20 de março de 2017. 

FRASES MISSIONÁRIAS QUE COMPOMOS


Todo cristão verdadeiramente nascido de novo é um missionário em potencial!

Todos cristãos do mundo inteiro são frutos de missões, pois Jesus foi o primeiro missionário.

Se você não gosta e não quer fazer missões, pelo menos não atrapalhe quem quer fazer!

Não podemos querer fazer missões apenas quando tivermos tempo. Vamos fazer missões, e outras coisas fazemos quando sobrar tempo.

Missões está na genética do crente salvo.

Se tiver o sangue de Jesus no coração, então tem missões!

Quem ama a Deus, ama missões. São duas coisas inseparáveis. Ele Deus seu filho unigênito por amor.

Enquanto você me critica e vê os meus defeitos, faço missões! Oh Glória!

Se fosse pela vontade dos seus algozes, o Nome de Jesus, o manso profeta de Nazaré, teria sido varrido da história. Mas Ele está vivo!

Há uma preocupação exacerbada pelo material em nossa atual sociedade, e, se esquecem de que o homem é mais espírito que carne.

Deixe o teu coração trabalhar como um reloginho suíço. Como? Amando o seu próximo; amando até aquele que não gosta de você. Coração sadio!

Faça a diferença dirigindo seu carro, conversando com seus amigos, comprando, pagando, vendendo, enfim, em qualquer ação, ou reação.

A sociedade atual está com suas vísceras expostas. Só a ação poderosa do Espírito Santo, através de um povo salvo, pode restaurá-la.

Campo missionário não aceita cobaias. A igreja somente envia, mas quem chama é o Espírito Santo. Atos 13.1,2

Desprezar a atualidade dos Dons Espirituais, é achar que pode fazer a obra da evangelização com as armas naturais ou carnais. E não pode!

Não podemos, porém, desprezar os dons espirituais, pois, os mesmos capacitam-nos, à grande tarefa da evangelização.

Avivamentos momentâneos, onde não se vê mudança de atitudes não é avivamento, mas emocionalismo!

Será que Deus queria munir somente a Igreja Primitiva com os Dons? Será que hoje o pecado é diferente? O diabo é mais fraco? Pense nisso!

Pregar sem piedade e sem oração, é matar a mensagem e a ortodoxia dela”.
É muito fácil cantar: “Se pelos vales eu peregrino vou andar”, o difícil é passar pelo vale!

Fazer missões e fazer tudo para que Deus seja glorificado.

Jesus glorificou o Pai, quando nasceu, cresceu, foi crucificado, morreu e consumou a salvação, pois ao terceiro dia Ele ressuscitou.

Nenhum verdadeiro missionário busca seus interesses, mas sim, os interesses de Deus.

Fazer missões não é convencional à igreja, é ordem vinda do Senhor da Igreja.

Não há nada mais anticristanísmo, que um cristão que não ama missões!

Uma coisa é certa: se você não fizer missões, Deus levantará outra pessoa, quem sabe, aquela que você acha não tem nenhuma condições, e, ele fará.

Você quer chegar diante de Deus de mãos cheias? Então não perca tempo, faça missões!

Mesmo que o céu não será lugar de competições, será muito bom para o crente na hora de receber seus galardões.

Levar pão para a mesa do missionário; agasalha-lo no frio, e colocar sapatos em seus formosos pés, é sem dúvida uma missão sublime!

Não há resultado sem trabalho, muito trabalho!

Você pode até ter aparência de piedade, mas aparência não surte eficácia. Para se ter eficácia é preciso ser verdadeiro!

Missões sem lagrimas, e como uma terra sem chuva, por mais que plante nada nasce!

Senhor, que nunca falte lagrimas em meus olhos para chorar pelas almas perdidas!

Como ninguém vê a Deus, a gloria dele passa pela vida do verdadeiro servo aqui na terra. Que grande responsabilidade da igreja!

Estou cada dia mais convencido, que somente o salvo ama missões.

Não há campo que não produza, há missionários sem sementes!

Missionário sem a semente da Palavra de Deus é como uma maquina vazia, faz barulho, mas não planta nada.

Alguns vão aos campos missionários, não pensando nas almas, mas em status.

A palavra "missão" dentro do mundo evangélico define o que é de mais precípuo, urgente e sublime na vida da igreja

Não quero te impressionar: mas se você não ama ou não sente nada por missões, reveja seus conceitos cristãos, pois há algo errado em você!

A seriedade de se fazer missões, é porque as almas dos homens estão em jogo, e isso para toda eternidade.


terça-feira, 7 de março de 2017

QUAL EVANGELHO EU NÃO ME ENVERGONHO?



Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é pode de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego” (Rm 1.16).
Quero deixar ciente que não sou adepto do evangelho da prosperidade. Aquele evangelho de que tudo tem que dar certo, senão você está em pecado. O evangelho que você “decreta” e Deus se torna obrigado a fazer, porque você, o “senhor súdito” (incoerência), decretou, e a Ele, não resta outra coisa a fazer, senão realizar a ordem dada pelo súdito. Isso é muito mais que um absurdo; é uma afronta a soberania do Todo-Poderoso.
O Evangelho da prosperidade, que também é o evangelho da confissão positiva, onde os seus propagadores ensinam, que basta falar, para que as coisas aconteçam. Onde basta “amarrar ao diabo”, e está tudo resolvido. Mas, parece que estão amarrando com cordas fracas, pois, “amarram, amarram”, e o bicho continua solto.
Mas, quero deixar ciente também, que não sou adepto daquele evangelho da tortura. Daquele evangelho que precisa estar sofrendo para ser evangelho. Que é preciso ser doente, ser pobre, ser humilhado para que de fato esteja vivenciando o evangelho.
Nós vamos encontrar uma igreja primitiva, onde o evangelho era vivido em toda a sua inteireza, e que a Bíblia diz: “Não havia, pois, entre eles necessitado algum; porque todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as depositava aos pés dos apóstolos. E repartiam-se a cada um, segundo a necessidade que cada um tinha” (At 4. 34.35).
Eu creio em um evangelho que muda a vida do ser humano por completo. Quantos homens, que antes de serem crentes, viviam caídos no vício da embriagues, da prostituição, e, por isso mesmo, viviam uma vida miserável financeiramente falando. Seus filhos viviam comendo resto da casa dos outros. Mas, no dia que tiveram um encontro com Jesus, além de suas almas serem salvas e redimidas do pecado que os atormentavam, ainda tiveram suas vidas social mudada.
Não podemos esquecer que a palavra empregada para salvação, do grego “soteria”, entre outros significados, nos fala de resgate, segurança, salvação, saúde, libertação. Todos nós sabemos que a missão principal do Salvador Jesus Cristo, é libertar e resgatar o homem de seus delitos e pecados. Porém, o evangelho é muito mais amplo que isso. O individuo que crê no evangelho de Jesus Cristo, ganha uma nova comunidade, uma nova família, como disse Paulo: “Assim que já não sois estrangeiros, nem forasteiros, mas concidadãos dos Santos e da família de Deus”(Ef 2.19). Ganhando uma família, ele passa a usufruir de alguns privilégios que antes ele não tinha. A sua vida começa a mudar em todos os sentidos.
Alguém pode dizer: Mas Jesus disse que no mundo tereis aflições, citando João 16.33. Isso é a mais cristalina verdade! Quem é que está dizendo que no mundo não teremos aflições? O rico tem aflição, o pobre tem aflição, o assalariado tem aflição, o agricultor tem aflição, o médico tem aflição, enfim: não importa a classe social do sujeito, ele nasceu, vai passar por muitas aflições. Mas veja o que disse o Salmista Davi: “Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas” (Sal 34.19). Vamos passando pelas aflições da vida, até aquele dia, em que o Senhor nos libertará desse tabernáculo terreno, e descansaremos para sempre nos braços de nosso amado redentor.
O evangelho que eu não me envergonho, é poder para salvar, para curar e resgatar o homem das correntes do inferno. É o evangelho que muda a vida do pecador, de servo do pecado em servo do Senhor Jesus. Ele vai continuar sendo servo, vai mudar apenas de Senhor. Antes, o seu senhor era o pecado, que o destruía, e finalmente ele pagaria com a morte e morte eterna. Agora ele é servo do Senhor Jesus, que o abençoa com toda sorte de bênçãos espirituais. Conduz-lhe em vitórias, e finalmente lhe dará o céu como herança.
O evangelho que eu não me envergonho, não é nem o da prosperidade, nem o da tortura, o da miséria ou da fome. O preço que tinha que ser pago, Jesus já pagou na cruz do calvário (Jo 19.30). Não é preciso mais que vivamos na miséria para sermos salvos, nem tampouco carregar uma cruz de sofrimento pelo resto de nossas vidas. A cruz que precisamos carregar é a cruz da renuncia de nós mesmos (Lc 9.23).
Concluo dizendo que não há uma regra para ser pregada quanto a prosperidade financeira. A um, Jesus disse: “...se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá aos pobres e terás um tesouro no céu; e vem e segue-me” (Mt 19.21). A outro ele disse “... Em verdade vos digo que ninguém há, que tenha deixado casa, ou irmãos, ou irmãs, ou pai, ou mãe, ou mulher, ou filhos, ou campos, por amor de mim e do evangelho, que não receba cem vezes tanto, já neste tempo, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, com perseguições, e, no século futuro, a vida eterna” (Mc 10. 29,30).
Deus sabe até a quem ele pode dar! Há alguns que se ele der um pouquinho a mais, já vai querer pisar em seu próximo. Então, ele o mantem com pouco, e fiel. Há outros, que ele pode encher de bens, riquezas e tudo mais, que vai permanecer como Abraão, que a Bíblia diz: “E era Abrão muito rico, em gado, em prata e em ouro” (Gn 13.2). Contudo, o patriarca seguia firme servindo a Deus, e foi até ao fim.
O evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo, é sem sombra de dúvida, a maior benção que o homem pode receber. Pois além de salvar a sua alma do inferno, traz o pecador arrependido aos pés de Cristo, proporciona-lhe a oportunidade de servir a Deus, fazer parte do corpo de Cristo que é a igreja, ser templo do Espírito Santo, receber direção em sua vida, em todos os sentidos, quer sejam: espiritual, social, familiar, financeira, moral, etc. do maior professor de todos os tempos que é o Espírito Santo (Jo 16.13; Rm 8.14), por fim, recebe a vida eterna para viver e gozar ao lado de Jesus: “E, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez e vos levarei para mim mesmo, para que, onde eu estiver, estejais vos também” (Jo 14.3).
O evangelho que eu não me envergonho, não é o evangelho do oba, oba. O evangelho das multidões, avidas por milagres apenas para o corpo. Avidas apenas pelo apartamento, pelo carro, pela fazendo cheia de gado, e pelos bens materiais. O evangelho que não me envergonho, é aquele que pode tudo, mas, que não está preso aos caprichos do homem, senão, aos planos eternos do Todo-Poderoso. O evangelho do Cordeiro de Deus que foi morto antes da fundação do mundo. O evangelho do Deus que abençoa, mas também o que se aborrece com o pecado. O Deus que ama, mas também o que corrige. O Deus que socorre, mas também o que açoita aquele que toma por filho (He 12.6). O Deus que salva, mas também o que lança a alma do pecador impenitente no inferno (Mt 10.28).

Aceitemos de coração o Evangelho vivo e verdadeiro de Jesus, pois em Nenhum outro há salvação, a não ser nEle, e por Ele: JESUS (At 4.12).

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

PR DANIEL NUNES PARTICIPARÁ COMO PRELETOR DA ESCOLA BÍBLICA DE OBREIROS EM CURITIBA-PR




De 24 de fevereiro à 01 de março de 2017 acontecerá no templo-sede da Assembleia de Deus em Curitiba, Paraná, sob a liderança do pastor Wagner Tadeu dos Santos Gaby, a Escola Bíblica de Obreiros 2017; os preletores desta edição serão os pastores; Antonio Gilberto (RJ); Eude Martins (SP); Claudionor de Andrade (RJ); José Prado Veiga, líder da AD Ministério do Belém no Itaim Paulista (SP); Daniel Nunes, Campina Grande (PB); Océlio Nauar (PA) e José Lopes (EUA). A sede da IEADC esta situado à Rua Senador Xavier da Silva, 467, Centro Cívico. jogo do texto 2

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

O CERTO E O ERRADO



1.     VOU LOUVAR UM HINO (ERRADO). HINO NÃO É DEUS PARA SER LOUVADO. VOU LOUVAR A DEUS COM UM HINO (CERTO)

2.     VAMOS ORAR PELA PALAVRA (ERRADO). A PALAVRA NÃO ESTÁ DOENTE PARA RECEBER ORAÇÃO. VAMOS ORAR AGRADECENDO A DEUS PELA PALAVRA (CERTO)


3.     VAMOS ORAR PARA QUE DEUS POSSA (ERRADO). DEUS NÃO PRECISA DE ORAÇÃO DE NINGUÉM, POIS ELE PODE TUDO. VAMOS ORAR PARA QUE DEUS FAÇA, OU PARA QUE DEUS VENHA FAZER (CERTO).

4.     FIQUEM EM ESPÍRITO DE ORAÇÃO (ERRADO). ORAÇÃO NÃO TEM ESPÍRITO. FIQUEM ORANDO EM ESPÍRITO (CERTO).


5.     A PAZ DO SENHOR, AMÉM (ERRADO). O AMÉM QUEM DEVE DIZER É A IGREJA QUE VOCÊ ESTÁ SAUDANDO.  A PAZ DO SENHOR (CERTO) E A IGREJA QUE RESPONDE AMÉM.



Pr Daniel Nunes - Presidente