Pages

domingo, 19 de outubro de 2014

TODO CRENTE SALVO UM MISSIONÁRIO

Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura” (Mc 16.15).
Desde o Antigo Testamento, todos aqueles que tiveram um encontro verdadeiro com Deus, passaram a se preocupar com almas. Veja o exemplo de Abraão: “E chegou-se Abraão, dizendo: Destruirás também o justo com o ímpio? Se porventura houver cinquenta justos na cidade, destrui-los-ás também...?” (Gn 18. 23,24). Por isso mesmo, digo sempre: É inconcebível, que alguém tenha um encontro com Jesus e não se preocupe com as almas perdidas.
Deve-se partir do principio que todos somos frutos de missões. A obra pentecostal no Brasil é fruto da vinda de dois jovens suecos, que chegaram a Belém do Pará, e de lá a obra se espalhou por todo o território brasileiro.  Logo, somos frutos de missões. Nada mais justo, que esses filhos de missões, continuem propagando esse evangelho aqui, ali e além. Fazer missões simultâneas é isso mesmo. Não esperar que um lugar esteja todo evangelizado para começar em outro. Jesus disse: “... ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra” (At 1.8). Simultaneidade é isso: fazendo missões em todos os lugares ao mesmo tempo. Há pessoas que perguntam: Porque gastar dinheiro com a índia, China, ou outros povos que nem mesmo conhecemos? Eu te pergunto: E se Deus, não tivesse investido em nós, que éramos inimigos, como e onde estaríamos hoje?
Amados, invistamos em missões, e, tenhamos certeza de uma coisa: Deus nos abençoará sobremaneira de tal forma, que encherão nossos celeiros de todas as sortes de bênçãos advindas do Eterno.
Avante ao campo de missões!


Pr Daniel Nunes da Silva – presidente

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

A DOUTRINA SOBRE PECADO

HAMARTIOLOGIA
A DOUTRINA SOBRE PECADO
Ez 18. 4

Quando Deus terminou de fazer todas as coisas, disse que tudo tinha ficado muito bom (Gn 1.31). Porque será então, que hoje temos tantas coisas que não são boas? Qual a origem do mal? Como o pecado entrou no mundo? Essa pergunta será respondida a luz da Palavra de Deus ao longo deste estudo.
No entanto, é importante, dizer algo a mais sobre o pecado. Sabe-se que as trevas são a ausência da luz, e, que o pecado algumas vezes é tratado com trevas, porém, o pecado, e muito mais que ausência do bem. O pecado também é mais que um defeito. É uma força ativa, perniciosa e destruidora. Tiago disse que: “..., e o pecado, sendo consumado, gera morte” (Tg 1.15). O pecado consumado é aqui simbolizado como o pai, o genitor do maior inimigo do homem, a morte, quer seja espiritual ou física.

A ORIGEM DO PECADO

1.    O ambiente e a possibilidade da tentação (Gn 2. 8-17). No lindo jardim do Éden, onde Deus havia feito brotar toda sorte de árvores agradável à vista e boa para comida. À alimentação ligada a visão, (Gn 3.6). A árvore da vida no meio do jardim (Veja Ap 2.7; 22.2). Que serviria para que, do fruto dela comendo, o homem teria vida eterna. E a árvore chamada da ciência do bem o do mal. Essa árvore seria para que Deus pudesse provar a obediência do homem, pois Ele o fez como um ser moral, capaz de optar livremente por amar e obedecer a Deus, ou por desobedecer-lhe e não fazer a sua vontade (Dt 30. 15,19). Vejamos que Adão e Eva tinham uma vida prazerosa, pois Éden significa prazer, paraíso, pomar. Adão não precisava da árvore da ciência do bem e do mal para viver, pois ele tinha a árvore da vida a sua disposição.
2.    O agente da tentação (Gn 3.1). A serpente foi a encarregada de satanás, que já havia sido lançado do seu posto no céu, por ter pecado contra Deus, para mediar a conversa maligna com Eva. (Ez 28. 13-17; Is 14. 12-15; Lc 10.18), por isso mesmo satanás ficou conhecido como a antiga serpente (Ap 12.9). O diabo não vai aparecer como ele é para tentar, ele sempre vai chegar com coisas bonitas, apetitosas e sobre tudo vantajosas, (2Co 2.11; 11.14). Cuidado com ele!
3.    A sutileza da tentação. O próprio Jesus falou desse predicado distintivo da serpente (Mt 10.16). Aqueles que abrem a guarda para ela, vão sendo arrastados pelos desejos e atos pecaminosos (2Sm 11. 1-4; 1Tm 6.9,10; Tg 1.14,15). Veja os passos que a serpente dá para derrubar o casal edênico. a) Ela aproveita a solidão da mulher. Naquele momento Eva estava sozinha. b) Ela torce as palavras de Deus (Gn 3.1 comparando com Gn 2.16, 17). Veja que ela conseguiu deixar a mulher desorientada. A mulher responde que podia comer de todas as árvores, mas da árvore que está no meio do jardim não era para comer. Ora, no meio do jardim estava a árvore da vida, que eles poderiam comer sim (Gn 2.9;16).
4.    Quando a serpente faz a pergunta no versículo 1, lança uma tríplice dúvida no coração da mulher: 1) Dúvida sobre a bondade de Deus – Será que Deus está retendo alguma benção de ti? 2) Dúvida sobre a retidão de Deus – “certamente não morrereis” (Gn 3.4), isto é, Deus não pretendia dizer o que disse. Porventura não é isso que estão tentando dizer com a teologia generosa: Deus não vai lançar ninguém no inferno, porque Ele é muito bom, mas vejamos os textos (Ez 18.4; Naum 1.3; Mt 6.29; 10.28). 3) Dúvida sobre a santidade de Deus – No versículo 5 a serpente diz, com efeito: “Deus vos proibiu comer da árvore porque tem inveja de vós. Não quer que chegueis a ser sábio tanto quanto ele, de modo vos manter em ignorância. Não porque ele se interessa por vós, para vos salvar da morte, e sim por interesse dele, para impedir que chegueis a ser semelhante a ele”. Deus é santo, portando o pecado da inveja não sobe ao seu coração (Lv 21.8; Sl 5.4; Is 6.3). Não atribuamos a Deus nenhum pecado, como disse Tiago: “Ninguém, sendo tentado, diga: De Deus sou tentado; porque Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta” (Tg 1. 13).
5.    O pecado levou o homem a culpa. Vamos analisar as evidencias de uma consciência culpada. O homem e sua esposa viviam em um estado de inocência. Segundo alguns comentaristas bíblicos, Adão e Eva, antes da queda, estavam vestidos em uma auréola de luz, que demonstrava a comunhão que tinham com o Criador. 1)Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus;” (Gn 3.7a). Essa expressão “foram abertos os olhos”, indica esclarecimento milagroso ou repentino (Gn 21.19; 2R 6.17). O que a serpente prometeu, de fato aconteceu, mas não como Adão e Eva esperavam. Em vez de se tornarem iguais a Deus, um sentimento de culpa e medo entrou em seus corações. A nudez física é um quadro de uma consciência nua e culpada. Aquela vestimenta de gloria foi desfeita, e, agora sentiram que estavam nus. Ali começou o conflito entre a carne e o espírito do homem (Gl 5.16; Rm 7. 14-24). 2)... e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais” (Gn 3. 7b). A auto justificação. Querendo dizer, eu mesmo posso resolver esse problema. O homem acha que pode flertar com o pecado e sair ileso da situação. Ledo engano (Gl 6.7). Somente uma veste feita por Deus poderia cobrir o pecado (Gn 3.21). 3)E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia: e escondeu-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim” (Gn 3.8). A primeira coisa que o homem culpado faz é procurar esconder-se de Deus. São duas coisas que o culpado gosta de fazer: Esconder e disfarçar (Js 7.21; 1Rs 14.6; 22.30). Aquilo que parecia ser bom, revelou-se como mau. A culpa a insegurança, o tumulto, o medo do juízo acompanham a iniquidade (Sl 38.3,4; Is 57. 20,21; Rm 2.8,9; He 2.15).
6.    O pecado levou o homem a morte. (Rm 5.12,21; 6.16; 6.23; Tg 1.15). Na teologia paulina, o pecado entrou no mundo de forma coletiva, através do pecado de Adão. Essa morte, não é somente no âmbito físico, mas, muito mais na esfera espiritual, alma e espírito do homem (Ez 18.4; Mt 10.28). Veja que no versículo 6 Eva traça por si mesma suas metas a auto realização. Uma visão prospectiva de enriquecimento material, estético e mental, parecia incrementar a própria vida; o mundo continua a oferecer as mesmas coisas (1Jo 2.16; Tg 4.4). Tomou do seu fruto e comeu”. Simples ato, tão penoso resultado. Vamos ver que esse ato se repete agora para nossa salvação: “Tomai e comei” (Mt 26.26). Agostinho comenta a ameaça de morte feita por Deus ao casal, dizendo: Se perguntar com qual tipo de morte Deus ameaçou o homem..., se foi a morte física ou a espiritual, ou aquela segunda morte, responderemos: Foi com todas (Ez 18.4; Hb 9.27; Ap 20.6). O pecado faz que o homem queira se esconder de Deus: “...e escondeu-se Adão e sua mulher da presença de Deus” (Gn 3. 8), (Face). Comparado a Ap 6.16 e contraste com Sal 27.4; Ap 22.4.

A INSENSIBILIDADE DO PECADO
O pecado leva o ser humano a um endurecimento de coração. Em Hebreus 3.13, o escritor da carta disse: “Antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado”. Essa palavra endurecer vem da palavra grega “sklerunein”. O adjetivo “skleros” pode ser usado para uma pedra que é difícil de ser lavrada. Como metáfora, pode ser usado a um rei desumano, que trata com dureza seus súditos. O pecado endurece o coração do homem. El Filipenses 1.9, o apóstolo Paulo, ora pelos filipenses, para eles abundem, no que ele chama de “aisthesis” = percepção sensitiva, quer dizer: uma qualidade do coração e da mente que é sensível àquilo que está mal. Veja a sequencia do versículo 10: “Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalos algum até o dia de Cristo”.
Significa dizer, que a pessoa que comete um deslize em sua vida espiritual, pela primeira vez ele demostra um estremecimento e uma repugnância; se o ato se repete, cometerá com mais facilidade; se insiste em cometer a ação maléfica, será para ele uma coisa comum e normal. Significa dizer, que o pecado, pelo seu engano, tornou esse coração insensível para detectar o mal. Será como se uma pessoa, tivesse um membro do seu corpo, com problemas de sensibilidade, e chegasse um ferro em brasas nele, e, mesmo o ferro em brasas estando queimando e destruindo o membro, ele estaria insensível a tal ação.

A PALAVRA PECADO E SEUS ACOMPANHANTES

1.     Hamartia está relacionada a blasphemia (Mt 12.31). O significado básico de blasfêmia é insulto. O pecado é um insulto a Deus. O pecado insulta a Deus, porque zomba de seus mandamentos, por colocar o “eu” no lugar devido somente a Deus (Mt 22.37).
2.     Hamartia está relacionada com apate (He 3.13). Apate é engano. O pecado é sempre enganoso, promete fazer o que não pode. O pecado é sempre uma mentira. Um filósofo disse: “O pecado nunca pode trazer felicidade, porque, entre outras coisas, deixa o homem com o constante temor de ser descoberto” (Pv 14.34b). Todas as coisas estão nuas e patentes diante dos olhos de Deus (Sl 139.12; He 4.13). “O primeiro enganado com o pecado é o pecador que o pratica” (Pv 20.17).
3.     Hamartia está relacionada a epithumia (Tg 1.15). Epithumia é concupiscência, desejo, cobiça. Epithumia sempre deseja o que não pode ser desejado. Até Aristóteles definiu epithumia como alguém que se lança ao prazer, que segundo os estoicos, se trata do prazer além dos limites e da razão. A concupiscência é uma cobiça ou desejo desenfreado por aquilo que não me pertence, e, não deve pertencer. Quantos têm perdido a vida e a salvação, perdido a liberdade, perdido família, etc. tudo em troca da cobiça por coisas que não lhes pertenciam (Ex 20.17; Dt 5.21; 1Tm 6.9,10,11).
4.     Hamartia e igualada a anomia (1Jo 3.4). Anomia é desobediência a lei. Anomia induz o homem fazer o que lhe bem parece. Faz que o homem coloque seus interesses acima de seus deveres com seu próximo e de sua obediência a Deus. A anomia é o desejo do homem em colocar o “eu” no lugar de Deus, fazendo do homem o centro da vida (Antropocentrismo). Anomia é alguém querer viver fora da lei, da lei dos homens e muito mais da lei de Deus (Rm 1. 28-32).
5.     Hamartia é igualada a adikia (1Jo 5.17). Adikia é injustiça, iniquidade, mal. Adikia é, portanto o espírito pecaminoso que se nega a cumprir seus deveres para com Deus e com os homens (Rm 13.1-7).

6.     Hamartia está ligada com prosopolepsia (Tg 2.9). Prosopolepsia é  acepção de pessoas. Acepção de pessoas, ao mundo, a vida e aos seres humanos em geral. Pecado é aceitar e praticar as normas do mundo em vez dos princípios de Deus; julgar as coisas como os homens veem e não como Deus vê. Segregação racial, cor da pele, classes sociais, etc. (Cl 3.10,11; At 10.34,35).

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

O QUE UM DEUS SOBERANO NÃO PODE FAZER (DAVE HUNT)

Uma das expressões mais comuns que escutamos em círculos cristãos, especialmente quando se quer reassumir a confiança quando as coisas não estão dando certo, é que “Deus esta no controle, Ele ainda está no trono.” Os cristãos se confortam com estas palavras – mas o que elas significam? Deus não estava “no controle” quando Satã rebelou e quando Adão e Eva desobedeceram, mas agora Ele está? Deus estar no controle significa que todos os estupros, assassinatos, guerra e o mal proliferado é exatamente o que Ele planejou e deseja?
Cristo nos pede para orar, “Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” (Mt 6.10). Por que a oração se nós já estamos no reino de Deus com Satã preso, como João Calvino ensinou e os Reconstrucionistas alegam hoje? Poderia um mundo de mal excessivo ser realmente o que Deus deseja? Certamente não!
“Espere um minuto!” alguém se opõe. “Você está sugerindo que nosso Deus onipotente é incapaz de realizar Sua vontade sobre a terra? Que heresia esta! Paulo claramente diz que Deus ‘faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade’ (Ef 1.11).”
Sim. Mas a própria Bíblia contém muitos exemplos de homens desafiando a vontade de Deus e desobedecendo-o. Deus se lamenta, “Criei filhos, e os engrandeci, mas eles se rebelaram contra mim” (Is 1.2). Os sacrifícios que eles oferecem a Ele e suas vidas corruptas não são obviamente de acordo com a Sua vontade. Somos informados de que “os fariseus e os doutores da lei rejeitaram o conselho de Deus” (Lc 7.30).
A declaração de Cristo em Mt 7.21 mostra claramente que todos nem sempre fazemos a vontade de Deus. Isto está implícito em Is 65.12, 1Ts 5.17-19, Hb 10.36, 1Pe 2.15, 1Jo 2.17 e muitas outras passagens. De fato, Ef 1.11 não diz que tudo que acontece é de acordo com a vontade de Deus, mas de acordo com “o conselho” de Sua vontade. Claramente o conselho da vontade de Deus deu ao homem liberdade para desobedecê-lo. Não há nenhuma outra explicação para o pecado.
Todavia, em seu zelo para proteger a soberania de Deus de qualquer desafio, A. W. Pink argumenta ardentemente, “Deus preordena tudo que acontece… Deus inicia todas as coisas, controla todas as coisas…”[1] Edwin H. Palmer concorda: “Deus está por trás de tudo. Ele decide e faz todas as coisas acontecerem… Ele preordenou tudo ‘segundo o conselho de Sua vontade’ (Ef 1.11): o mover de um dedo… o erro de um datilografista – até o pecado.”[2]
Estamos aqui diante de uma distinção vital. Uma coisa é Deus, em Sua soberania e sem diminuir esta soberania, dar ao homem o poder para rebelar contra Ele. Isto abriria a porta para o pecado, sendo o homem unicamente responsável por sua livre escolha. Outra totalmente diferente é Deus controlar tudo de tal maneira que Ele deve efetivamente causar o pecado do homem.
É uma falácia imaginar que, para Deus estar no controle de Seu universo, Ele precisa, por essa razão, preordenar e iniciar tudo. Deste modo, Ele causa o pecado, depois pune o pecador. Para justificar esta opinião, é argumentado que “Deus não tem nenhuma obrigação de conceder Sua graça àqueles que Ele predestina para o julgamento eterno.” De fato, obrigação não tem nenhuma relação com graça.
Na verdade diminui a soberania de Deus sugerir que Ele não pode usar para seus propósitos o que Ele não preordena e origina. Não há razão lógica nem bíblica por que um Deus soberano, por Seu próprio plano soberano, não poderia conceder a criaturas feitas à Sua imagem a liberdade de escolha moral genuína. E há razões convincentes por que Ele faria dessa forma.
Muitas vezes um ateísta (ou um sincero indagador que está perturbado pelo mal e o sofrimento) lança em nossas faces, “Você alega que seu Deus é todo-poderoso. Então por que Ele não interrompe o mal e o sofrimento? Se Ele pode e não faz, Ele é um monstro; se Ele não pode, então Ele não é todo-poderoso!” O ateísta pensa que nos encurralou.
A resposta envolve certas coisas que Deus não pode fazer.
Mas Deus é infinito em poder, então não deve haver nada que Ele não possa fazer! Sério? O próprio fato que Ele é infinito em poder significa que Ele não pode falhar. Há muito mais que seres finitos fazem todo o tempo que o infinito, absolutamente soberano Deus não pode fazer por Ele ser Deus: mentir, trapacear, roubar, pecar, se enganar, etc. De fato, muito mais que Deus não pode fazer é vital para nós entendermos quando enfrentamos desafios de céticos.
Tragicamente, há muitas questões sinceras que muitos cristãos não podem responder. Poucos pais têm tirado um tempo para pensar nos muitos desafios intelectuais e teológicos que suas crianças progressivamente enfrentam, desafios para os quais a juventude de hoje não encontra respostas de tantos púlpitos e lições das escolas dominicais. Como resultado, números crescentes daqueles criados em lares e igrejas evangélicos estão abandonando a “fé” que nunca adequadamente entenderam.
A soberania e o poder é a panacéia? Muitos cristãos superficialmente acham que sim. Todavia há muito para o qual a soberania e o poder são irrelevantes. Deus age não apenas soberanamente, mas com amor, graça, misericórdia, justiça e verdade. Sua soberania é exercitada somente em perfeita harmonia com todos os Seus outros atributos.
Há muito que Deus não pode fazer, não apesar do que Ele é, mas por causa de quem Ele é. Até Agostinho, descrito como o primeiro dos assim chamados primeiros Pais da Igreja que “ensinou a absoluta soberania de Deus,”[3]declarou, “Por conseguinte, Ele não pode fazer algumas coisas justamente por ser onipotente.”[4]
Por causa de Sua absoluta santidade, é impossível para Deus praticar o mal, fazer com que outros pratiquem ou até tentar alguém ao mal: “Ninguém, sendo tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele a ninguém tenta,” (Tg 1.13). Mas e quanto às muitas passagens na Escritura onde diz que Deus tentou alguém ou foi tentado? Por exemplo, “Deus tentou a Abraão” (Gn 22.1). A palavra hebraica aí e por todo o Velho Testamento énacah, que significa testar ou provar, como num teste de pureza de um metal. Não tem nada a ver com tentar para pecar. Deus estava testando a fé e a obediência de Abraão.
Se Deus não pode ser tentado, por que Israel é alertado, “Não tentareis o Senhor vosso Deus” (Dt 6.16)? Somos até informados de que em Massá, ao pedir água, “tentaram ao Senhor, dizendo: Está o Senhor no meio de nós, ou não?” (Êx 17.7). Mais tarde eles “tentaram a Deus nos seus corações, pedindo comida segundo o seu apetite… dizendo: Poderá Deus porventura preparar uma mesa no deserto?… provocaram o Deus Altíssimo” (Sl 78.18-19, 56).
Deus não estava sendo tentado para realizar o mal, Ele estava sendo provocado, Sua paciência estava sendo testada. Ao invés de esperar obedientemente que Ele supra suas necessidades, Seu povo estava pedindo que Ele usasse Seu poder para lhes dar o que queriam para satisfazer seus desejos. A “tentação” de Deus era um desafio blasfemo forçando-o a, ou ceder ao desejo deles, ou puni-los pela rebelião.
Quando Jesus foi “tentado pelo Diabo” para lançar-se do pináculo do templo para provar que os anjos Lhes sustentariam em suas mãos, Ele lembrou, “Não tentarás o Senhor teu Deus” (Mt 4.1-11). Em outras palavras, colocar-nos deliberadamente em um lugar onde Deus deva agir para nos proteger é tentá-lo.
Tiago então diz, “Cada um, porém, é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência.” A tentação ao mal não vem de fora mas de dentro. O homem que não poderia possivelmente ser “tentado” para ser desonesto nos negócios pode sucumbir à tentação de cometer adultério e, assim, ser desonesto com sua mulher. Dizem que “todo homem tem seu preço.”
Deus não estava tentando Adão e Eva para pecar quando Ele lhes diz para não comerem de uma árvore em particular. Eva foi tentada por sua própria cobiça e desejo egocêntrico. Até na inocência o homem podia ser egoísta e desobediente. Vemos isto em jovens infantes que por enquanto não sabem a diferença entre o certo e o errado.
Além disso, há muitas outras coisas que Deus não pode fazer. Deus não pode negar a Si mesmo ou se contradizer. Ele não pode mudar. Ele não pode voltar atrás em Sua Palavra. Especialmente em relação à humanidade, há algumas coisas que Deus não pode fazer que são muito importantes para entender e explicar aos outros. Um dos conceitos mais fundamentais (e menos entendido pelas pessoas “religiosas”) é este: Ele não pode perdoar o pecado sem a pena ser paga e aceita pelo homem.
Estamos dizendo que apesar de Sua soberania e infinito poder Deus não pode perdoar quem Ele quer, Ele não pode simplesmente apagar o passado deles no registro celestial? Exatamente: Ele não pode, porque Ele é também perfeitamente justo. “Então você está sugerindo,” alguns se queixam, “que Deus quer salvar toda a humanidade mas falta o poder para fazer isso? É uma negação da onipotência e soberania de Deus se houver algo que Ele deseja mas não possa realizar.” De fato, onipotência e soberania são irrelevantes em consideração ao perdão.
Cristo no Jardim na noite anterior da cruz gritou, “Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice…” (Mt 26.39). Certamente se tivesse sido possível proporcionar salvação de outra forma, o Pai teria isentado Cristo dos excruciantes sofrimentos físicos da cruz e a agonia espiritual infinita de sofrer a pena que Sua perfeita justiça tinha pronunciada sobre o pecado. Mas até para o Deus onipotente não houve outro jeito. É importante que nós claramente explicamos esta verdade bíblica e lógica quando apresentamos o evangelho.
Suponha que um juiz tenha diante dele um filho, uma filha ou outra pessoa amada considerada culpada de múltiplos assassinatos pelo júri. Apesar de seu amor, o juiz deve confirmar a pena exigida pela lei. O amor não pode anular a justiça. O único modo que Deus poderia perdoar pecadores e continuar justo seria que Cristo pagasse a pena pelo pecado (Rm 3.21-28).
Há duas outras questões de vital importância em relação à salvação do homem que Deus não pode fazer: ele não pode forçar ninguém a amá-lo; e Ele não pode forçar ninguém a aceitar um presente. Pela própria natureza do amor e da doação, o homem deve ter o poder de escolha. A recepção do amor de Deus e do dom da salvação através de Jesus Cristo pode somente ser por um ato do livre-arbítrio do homem.
Alguns argumentam que se a vontade de Deus fosse que todos os homens fossem salvos, o fato de todos não serem salvos significaria que a vontade de Deus seria frustrada e Sua soberania aniquilada pelos homens. É também argumentado que, se o homem pudesse dizer sim ou não a Cristo, ele teria a palavra final em sua salvação e sua vontade é mais forte do que a vontade de Deus: “A heresia do livre-arbítrio destrona Deus e entroniza o homem.”[5]
Não há nada na Bíblia ou na lógica que sugere que a soberania de Deus requer que o homem seja impotente para fazer uma escolha real, moral ou de qualquer outra maneira.
Dar ao homem o poder para fazer um escolha genuína, independente, não diminui o controle de Deus sobre Seu universo. Sendo onipotente e onisciente, Deus certamente poderia arranjar as circunstâncias para impedir que a rebelião do homem possa frustrar Seus propósitos. De fato, Deus poderia até usar o livre-arbítrio do homem para ajudar a cumprir Seus próprios planos e por meio disso ser ainda mais glorificado.
O grande plano de Deus desde a fundação do mundo para conceder ao homem o dom de Seu amor impede qualquer faculdade para forçar esse dom sobre qualquer uma de Suas criaturas. Tanto o amor quanto os dons de qualquer espécie devem ser recebidos. A força perverte a transação.
O fato que Deus não pode falhar, mentir, pecar, mudar ou negar a Si mesmo não diminui Sua soberania em qualquer proporção. Nem é Ele menos soberano porque não pode forçar alguém a amá-lo ou a receber o dom da vida eterna por Jesus Cristo. E do lado humano, a limitação reversa prevalece: não há nada que alguém possa fazer para merecer ou ganhar o amor ou um dom. Eles devem ser dados livremente do coração de Deus sem qualquer razão que não seja o amor, a misericórdia e a graça.
Maravilhosamente, em Sua graça soberana, Deus assim constituiu o homem e teve a intenção que o homem recebesse esse dom voluntariamente por um ato de sua vontade e respondesse com amor ao amor de Deus. Alguém uma vez disse, “O livre-arbítrio do homem é a mais maravilhosa das obras do Criador.”[6] O poder de escolha abre a porta para algo maravilhoso além de nossa compreensão: comunhão genuína entre Deus e o homem por toda a eternidade. Sem o livre-arbítrio o homem não poderia receber o dom da vida eterna, por isso Deus não poderia dar este dom a ele.
Pusey aponta que “Sem o livre-arbítrio, o homem seria inferior aos menores animais, que têm uma espécie de liberdade limitada de escolha…. Seria auto-contraditório que o Deus Todo-Poderoso criasse um livre agente capaz de amá-lo, sem também ser capaz de rejeitar Seu amor…. sem o livre-arbítrio não poderíamos livremente amar Deus. Liberdade é uma condição do amor.”[7]
É o poder de escolha genuína do próprio coração e vontade do homem que Deus tem soberanamente dado a ele que possibilita Deus a amar o homem e ao homem receber esse amor e a amar Deus em resposta “porque ele nos amou primeiro” (1Jo 4.19). É impossível que o poder de escolha pudesse desafiar a soberania de Deus visto que é a soberania de Deus que conferiu este dom ao homem e estabeleceu as condições para amar e dar.
Sugerir que Deus estaria faltando em “poder” (assim negando Sua soberania) se Ele oferecesse salvação e alguns a rejeitasse é errar o alvo. Poder e amor não são partes da mesma discussão. De fato, das muitas coisas que temos visto que Deus não pode fazer, uma falta de “poder” não é a razão para qualquer uma delas, nem é Sua soberania mitigada de maneira alguma por qualquer uma destas.
Assim, Deus ter dado à humanidade o poder de escolher amá-lo ou não e receber ou rejeitar o dom gratuito da salvação, longe de negar a soberania de Deus, admite o que a própria soberania de Deus amorosa e maravilhosamente proporcionou. Que possamos desejosamente responder de coração a Seu amor com nosso amor, e em gratidão por Seu enorme dom proclamar as boas novas aos outros.
Dave Hunt  – Tradução: Paulo Cesar Antune
Extraído do site arminianismo.com em 27/10/2013
[1] Pink, The Sovereignty of God, 240.
[2] Edwin H. Palmer, The Five Points of Calvinism (Baker Books, 1999), 25.
[3] C. Norman Sellers, Election and Perseverance (Schoettle Publishing Co., 1987), 3.
[4] Augustine, The City of God, V. 10.
[5] W.E. Best, Free Grace Versus Free Will (Best Book Missionary Trust, 1977), 35.
[6] Junius B. Reimensnyder, Doom Eternal (N.S. Quiney, 1880), 257; citado em Fisk, Calvinistic Paths Retraced, 223.
[7] Edward B. Pusey, What Is Of Faith As To Everlasting Punishment?  (James Parker & Co., 1881), 22-23; citado em Samuel Fisk, Calvinistic Paths Retraced (Biblical Evangelism Press, 1985), 222.
Fonte:www.cacp.org.br

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

A GRANDE RESPONSABILIDADE DOS LÍDERES DA ATUALIDADE

Mt 28. 16-20; Mc 16.15

Como é grande a responsabilidade daqueles que o Senhor Jesus Cristo, têm colocado como atalaias e arautos do Evangelho nos dias atuais. Em um século, onde o verdadeiro Evangelho de Jesus está sendo trocado por entretenimentos vários. Onde a briga pelo que canta melhor, o que toca melhor, o que prega melhor, faz mais bonito é uma constante dentro dos círculos evangélicos. Tempo, onde as maiores bizarrices são cometidas, tudo em Nome de Jesus. Uma grande quantidade desses hão de ouvir da boca do Senhor a voz dizendo: “... Nunca vos conheci” (Mt 7. 23).
O que faremos? Ficaremos imóveis, aceitando tudo como se nada tivesse acontecendo? Ou vamos reagir com a Palavra de Deus em punho. Será que podemos dizer como Paulo? “Porque nada me propus saber entre vós, senão a Jesus Cristo, e este crucificado” (1Co 2.2). E disse mais: “... e ai de mim, se não anunciar o Evangelho” (1Co 9.16c). O apóstolo Paulo se preocupava com a pregação do genuíno Evangelho de Jesus. Com o anuncio daquilo que de fato muda a vida das pessoas. Vejamos o conselho que ele deu a Timóteo: “E o que de mim, entre muitas testemunhas ouviste, confia-o a homens féis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros” (2Tm 2.2); disse mais: “Conjuro-te pois diante de Deus, e do Senhor Jesus Cristo que há de julgar os vivos e os mortos, na sua vinda e no seu reino, que pregues a Palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda longanimidade e doutrina. Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas. Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério” (2Tm 4. 1-5).
Deus vai cobrar de nossa geração! Não podemos aceitar um evangelho superficial, epidérmico. Cultos que chamamos de avivados, e trabalho que chamamos de avivamento. Porém, ao voltar para casa, o cristão continua tão carnal, tão maligno, quanto antes. A mesma língua que falou um montão de palavras em línguas estranhas, já está falando palavras obscenas, mentindo, falando mal uns dos outros, etc. As mesmas mãos que levantaram para “adorar a Deus” no templo são as mesmas que espancam os filhos e a esposa em casa. Quantos filhos frustrados. Quantas esposas deprimidas, porque o esposo, diante da igreja é um santo, mas no lar é um demônio. Quantas mulheres, que assumem papel de profetiza na igreja, mas que sua boca é um sepulcro aberto. São mulheres desequilibradas, falastronas, rixosas. Algumas, o marido está vivendo com ela, porque não quer perder o ministério. Isso é muito triste!
Amados, creio que temos um trabalho gigantesco dentro da igreja para fazer. A voz do Senhor bradou dizendo à Igreja de Éfeso: “Lembra-te, pois donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar  o teu castiçal, se não te arrependeres” (Ap 2. 5); ainda a Igreja de Tiatira: “Mas tenho porém contra ti que toleras Jezabel, mulher que diz profetiza, ensinar e enganar os meus servos, para que se prostituam e comam dos sacrifícios da idolatria” (Ap 2. 20); A Igreja de Laodicéia disse: “Assim, porque és morno, e nem és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca” (Ap 3. 16). O bastão está em nossas mãos. Deus vai cobrar de cada um de nós se não fizermos o que ele manda fazer.
Usemos nossos púlpitos para ensinar a Palavra de Deus. Ensinar o evangelho de Jesus. Falar sobre o poder transformador que o evangelho tem. Falar da obra na cruz do Calvário. Falar que Jesus quer que sejamos santos, limpos, libertos do pode das trevas. Jesus não quer um povo comprometido com o mundo. Com um coração dividido. Ele quer um povo que seja seu, somente Seu: “O qual se Deus a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras” (Tt 2.14). Veja como Paulo manda Timóteo ensinar isso: “Fala disto, e exorta e repreende com toda a autoridade. Ninguém de despreze” (Tt 2.15). A igreja precisa de orar e aprender a Palavra. Todo grande avivamento veio precedido de muita confissão, arrependimento e oração e aliança com Deus (2Cr 7.14; Ed 9. 1-6; 10. 1-3). Avivamento somente de barulho sem confissão, arrependimento e mudança de comportamento, não é avivamento.


Pr Daniel Nunes - Pastor presidente da IEADCG e COMEAD-CGPB

A INSENSIBILIDADE DO PECADO


O pecado leva o ser humano a um endurecimento de coração. Em Hebreus 3.13, o escritor da carta disse: “Antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado”. Essa palavra endurecer vem da palavra grega “sklerunein”. O adjetivo “skleros” pode ser usado para uma pedra que é difícil de ser lavrada. Como metáfora, pode ser usado a um rei desumano, que trata com dureza seus súditos. O pecado endurece o coração do homem. Em Filipenses 1.9, o apóstolo Paulo, ora pelos filipenses, para que eles abundem, no que ele chama de “aisthesis” = percepção sensitiva, quer dizer: uma qualidade do coração e da mente que é sensível àquilo que está mal. Veja a sequencia do versículo 10: “Para que aproveis as coisas excelentes, para que sejais sinceros, e sem escândalos algum até o dia de Cristo”.
Significa dizer, que a pessoa que comete um deslize em sua vida espiritual, pela primeira vez ele demostra um estremecimento e uma repugnância; se o ato se repete, cometerá com mais facilidade; se insiste em cometer a ação maléfica, será para ele uma coisa comum e normal. Significa dizer, que o pecado, pelo seu engano, tornou esse coração insensível para detectar o mal. Será como se uma pessoa, tivesse um membro do seu corpo, com problemas de sensibilidade, e chegasse um ferro em brasas nele, e, mesmo o ferro em brasas estando queimando e destruindo o membro, ele estaria insensível a tal ação.


quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Teologia Reformada: Uma Breve Reflexão para Jovens Arminianos Simpatizantes das Ideias Calvinistas

Deus quer que todos sejam salvos, mas decide salvar apenas alguns.

Deus quer que todos se arrependam, mas concede o arrependimento apenas a alguns.

Deus quer que todos creiam, mas concede o dom da fé apenas a alguns.

Dessa forma, Deus diz que quer a bênção da salvação para todos, mas somente os predestinados poderão obtê-la.

Deus já decidiu quem vai para o inferno, e também como irá. Se através de uma morte rápida e não muito dolorosa, ou de uma morte lenta e bastante sofrida.

Preguemos o evangelho da graça para todos, embora tal graça  somente será eficaz para aqueles que Deus assim resolveu que fosse.

Deus muda a vontade de alguns para recompensá-los com a vida eterna, enquanto deixa a vontade de outros intocável para condená-los à perdição eterna.

Mesmo assim, não tendo escolha, pois Deus já escolheu tudo, sou moralmente responsável por minhas ações.

Sou um arminiano que amo, respeito e tenho muitos amigos calvinistas, mas que não concordo com ideias tão contraditórias e extremadas.

Aos jovens arminianos, simpatizantes das ideias calvinistas, a plena maturidade que somente é adquirida com o passar dos anos vos conduzirá a uma maior moderação em vossos posicionamentos e argumentos.

Predestinação e livre-arbítrio são realidades bíblicas que coexistem e não se excluem, desde que bem conciliadas.

Cuidado, pois uma grande paixão teológica, sem muita reflexão, pode resultar numa frustração na mesma proporção.

Uma inundação de textos para defesa do calvinismo geralmente surge diante das questões aqui expostas, mas vale lembrar que uma enchente de textos em defesa do arminianismo normalmente logo se segue.


Altair Germano, um perdido pecador, salvo pela graça de Deus em Cristo Jesus

sábado, 30 de agosto de 2014

Marina exclui casamento gay e criminalização da homofobia do seu plano de governo




 -Comitê da candidata do PSB à Presidência afirma ter havido ‘falha processual na editoração’ do programa lançado e divulga ‘errata’

Decorridas menos de 24 horas do lançamento oficial de seu programa de governo, a candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, emitiu nota oficial para retificar o que havia prometido em relação à defesa dos direitos da população homossexual.

Alegando "falha processual na editoração do texto" divulgado, ela recuou em relação aos pontos mais polêmicos e rejeitados pelos pastores de denominações evangélicas, onde se abriga parte considerável de seu eleitorado. 

Ontem, após a divulgação do programa, ao mesmo tempo que as redes sociais registravam manifestações de apoio da comunidade LGBT, pastores e políticos da bancada evangélica disparavam críticas, insinuando que Marina perderia o apoio do eleitorado de suas igrejas.

Um dos pontos que mais deixam evidente o recuo da candidata, que pertence à igreja Assembleia de Deus, é a supressão da promessa de "articular no Legislativo a votação da PLC 122". O objetivo desse projeto de lei, que tramita desde 2006, é equiparar o crime de homofobia ao racismo, com a aplicação das mesmas penas previstas em lei. 

Desde que surgiu, ele tem sido combatido pela bancada evangélica, com o argumento de que pastores que atacarem a homofobia em seus programas de rádio e TV também poderão criminalizados, o que seria uma restrição do ponto de vista da liberdade religiosa.

Outro recuo dos mais notáveis se refere à união entre pessoas do mesmo sexo. Na versão original, Marina prometeu "apoiar propostas em defesa do casamento civil e igualitária com vistas à aprovação dos projetos de lei e da emenda constitucional em tramitação, que garantem o direito ao casamento igualitário na Constituição e no Código Civil". Na proposta modificada, ela diz que vai "garantir os direitos oriundos da união civil entre pessoas do mesmo sexo".

Em outras palavras, ela vai se limitar a cumprir determinações legais já existentes, que surgiram do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que reconhecem a união civil entre pessoas do mesmo sexo e obriga os cartórios a registrar essas uniões. A promessa, portanto, apenas informa que a determinação do Supremo será cumprida. O que os gays reivindicam é uma lei que garanta o direito à união na Constituição. Isso os deixaria livres de mudanças nas interpretações do STF e do CNJ. Em outras palavras, teriam mais segurança.

Kit escolar. Marina se igualou à atual presidente Dilma Rousseff ao suprimir do programa a promessa de "desenvolver material didático destinado a conscientizar sobre a diversidade de orientação sexual e as novas formas de família". 

Em 2011, pressionada pela bancada evangélica no Congresso, Dilma interrompeu a distribuição de material didático que se destinava justamente a combater a intolerância nas escolas, afirmando que seu governo não faria divulgação de nenhum tipo de orientação sexual. De la cá para cá, Dilma tem sido duramente criticada pela comunidade LGBT por essa decisão. Na sexta-feira, com a divulgação de seu programa, Marina ganhou elogios de quase toda a comunidade, que voltou a se lembrar da atitude de Dilma. 

O terceiro ponto mais notável é o que trata da aprovação do Projeto de Lei da Identidade de Gênero Brasileira, mais conhecida como Lei João Nery. Seu objetivo é regulamentar o direito à troca de nomes de transexuais e travestis, dispensando a enorme burocracia que são obrigados a enfrentar hoje. Marina havia prometido mobilizar a bancada de governo no apoio à lei. No texto divulgado ontem, ela suprimiu a intenção de trabalhar pela aprovação.