Pages

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

NOTA DE FALECIMENTO

Morreu na madrugada de ontem, aos 69 anos, o pastor catarinense Orlando Camilo Pacheco.
Em diversas ocasiões, tive a oportunidade de ouvi-lo pregar em confraternizações de mocidade e outros eventos. Era conhecido e admirado pela facilidade que tinha para memorizar versículos, citados em profusão em suas mensagens, e suas pregações, no estilo assembleiano, mas sem exageros, eram sempre boas e cativantes. 
Na década de 1980, embalado pelo slogan “Irmão vota em irmão”, ingressou no mundo da política. Exerceu dois mandatos como deputado federal, de 1987 a 1981 e, na condição de suplente, de 1991 a 1995. Nessa época, o seu ministério entrou em declínio, e não havia quem  o mencionasse sem uma nota de decepção.
Na década de 1990, abandonou a política e retornou às atividades ministeriais. Nos últimos anos, como pastor jubilado, passou a se dedicar outra vez ao ministério de pregador itinerante.
O corpo está sendo velado no templo-sede da Assembleia de Deus em Itajaí, e o sepultamento está marcado para as 15 horas de hoje, segunda-feira.
Judson Canto

domingo, 1 de dezembro de 2013

SANTIFICAÇÃO PARA O SERVIÇO DO SENHOR


 

Lev 8.23,24; Hb 2.11; 1Pe 2.9,10; Ap 1.5,6

 

O Capítulo 8 de Levítico trata da consagração de Arão e seus filhos ao sacerdócio, para servirem no tabernáculo do Senhor. Eles, e somente eles, poderiam, a partir da consagração, estarem ministrando no altar de sacrifícios, no lugar santo e no santo dos santos. O profeta Malaquias, no capítulo 3.3, fala dessa purificação também. Estudemos, pois os passos dessa consagração nesse capítulo:

 

I.       PRIMEIRO ELEMENTO – ÁGUA (Êx 29.4; Lv 8. 6). O primeiro elemento usado por Moisés, no processo da consagração dos sacerdotes, foi água.

a.     A água simboliza a Palavra (Ef 5.26; 2Rs 5.10);

b.     A Palavra Purifica (Sal 119.9-11);

c.      A Palavra Limpa (Jo 15.3);

d.     A Palavra Santifica (Jo 17.17);

e.     Ter que ser lavado pela Palavra (Ap 19.13; Jo 13.8);

f.       Sabão não lava pecado, somente a Palavra (Jr 2.22);

g.     Deixa a Palavra adentrar ao teu ser e fazer a mudança (He 4.12).

 

II.    SEGUNDO ELEMENTO – AZEITE (Êx 29.7; Lv 8. 12). O segundo elemento usado foi o azeite precioso.

a.     O Azeite simboliza o Espírito Santo (Is 61.1);

b.     O Azeite foi derramado na cabeça de Arão (Sal 133.2);

c.      A unção na cabeça fala da direção do Espírito Santo no homem (Jo 16.13; 1Jo 2.27; Rm 8.14);

d.     O Azeite não era comum. Ele era feito de uma mistura muito fina, ordenada por Deus de 5 especiarias: Mirra (Resina da planta)  - canela (Parte interna do tronco da planta) - cálamo aromático e  cássia (Da raiz da planta) -  azeite de oliveira (O fruto da oliveira moído), (Êx 30. 23). Há um preço a ser pago. O Espírito Santo e totalmente precioso.

e.     Não era qualquer um que podia fazer, nem ser derramado sobre pessoas estranhas (Êx 30. 33). Para receber, precisa ser da família de Deus (Jo 14.17).

f.       O Azeite, faz brilhar (Sal 104.15b); cura (Lc 10.34) e mantém a luz acesa (Zc 4. 2-6; Mt 25. 1-8; Lc 12.35).

 

 

 

III.  O TERCEIRO ELEMENTO FOI O SANGUE (Lv 8.23,24). O leproso após ter sido constatado que estava curado, também recebia sangue na orelha, no dedo da mão e no dedo do pé: “Então degolará o cordeiro da expiação da culpa, e o sacerdote tomará do sangue da expiação da expiação da culpa, e o porá sobre a ponta da orelha direita daquele que tem de purificar-se, e sobre o dedo polegar da mão direita, e sobre o dedo polegar do pé direito”, (Lv 14. 25).

 

1.    Na ponta da orelha direita – A importância de ouvir bem: “E os teus ouvidos ouvirão a palavra de que está por detrás de ti, dizendo: Este é o bom caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para a direita nem para a esquerda” (Is 30. 21).

a.     As orelhas são partes visíveis de nossa audição Então Tomarás uma sovela, e lhe furarás a orelha, à porta, e teu servo será para sempre: e também assim farás à tua serva”, (Dt 15.17);

 

b.     Elas são a porta de entrada de nosso espírito Porque o ouvido prova as palavras, como o paladar prova a comida”, (Jó 34.3);

 

 

c.      É o canal de acesso ao mundo interior. Enchemos o nosso espírito, de coisas boas ou ruins, através das portas da rua, os ouvidos: “E as duas portas da rua se fecharem por causa do baixo ruído da moedura...” (Ec 12. 4a);

 

d.     Há muitas espécies de vozes: “Há, por exemplo, tanta espécie de vozes no mundo, e nenhuma delas é sem significação”, (1Co 14.10);

 

 

e.     Nosso grande desafio é discerni-las: “Mas, se eu ignorar o sentido da voz, serei bárbaro para aquele a quem falo, e o que fala será bárbaro para mim”, (1Co 14.11);

 

f.       Eva não discerniu que era a voz do diabo na boca da serpente e caiu: “Ora a serpente era a mais astuta que todas as alimárias do campo que o Senhor Deus tinha feito. E esta disse à mulher: É assim que Deus disse: comereis de toda árvore do jardim? E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, Mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis, para que não morrais. Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis, Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes de abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal”, (Gn 3. 1-5);

 

 

g.     Isaque reconheceu a voz de Jacó: E disse Isaque a Jacó: Chega-te agora, para que te apalpe, meu filho, se és meu filho Esaú mesmo, ou não. Então se chegou Jacó a Isaque seu pai, que o apalpou e disse: A voz é a voz de Jacó, porém as mãos sãos as mãos de Esaú”,  (Gn 27.21,22);

 

h.     A necessidade de vigilância no ouvir – Cuidado com a voz do estranho! Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o Senhor, e os que contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades: pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e não trouxeram proveito nenhum a este povo, diz o Senhor”, (Jr 23. 32). Diferentemente do verdadeiro pastor: A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora. E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz. Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos” (Jo 10. 3-5);

i.        A fé vem pelo ouvir: De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus” (Rm 10.17);

j.       Quer benção? Então escute a voz de Deus: E será que, se ouvires a voz do Senhor teu Deus, tendo o cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu te ordeno hoje, o Senhor teu Deus te exaltará sobre todas as nações da terra”, (Dt 28.1); “Todo aquele, pois, que escuta as minhas palavras e as pratica, assemelhá-lo-ei ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha”, (Mt 7.24); Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas, passou da morte para a vida”, ( Jo 5.24); “Bem aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo (Ap 1.3); Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas (Ap 2.7);

Sangue na orelha direita, fala de uma audição santificada.

 

 

2.    No dedo polegar da mão direita – A importância de fazer bem: “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não faz comete pecado (Tg 4.17). “E vós, irmãos, não vos canseis de fazer o bem” (2Ts 3.13). “E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecidos” (Ga 6.9). “Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem” (Rm 12.21).

a.     As mãos falam de nossas atividades diárias;

b.    As mãos falam de nossas amizades;

c.     As mãos falam de nossa autoridade (mãos de Deus; maravilhas realizadas pelas mãos de Paulo; colocar as mãos sobre os enfermos e serem curados);

d.    As mãos falam da generosidade;

e.     As mãos falam de nosso compromisso (anel, aliança).

 

3.    No dedo polegar do pé direitoA importância de andar correto Bem aventurado o varão que não ANDA segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores” (Sal 1.1); “Julga-me, Senhor, pois tenho andado em minha sinceridade; tenho confiado também no Senhor; não vacilarei (Sal 26.1); “Não deixará vacilar o teu pé: aquele que te guarda não tosquenejará” (121.3); “Pondera as veredas de teus pés, e todos os teus caminhos sejam bem ordenados! Não declines nem para a direita nem para a esquerda: retira o teu pé do mal” (Pv 4. 26,27).

a.     Eles falam do nosso Andar – Para andar é preciso de um caminho. Que caminho, estamos andando? “Há caminhos que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte(Pv 14.12); “Os quais, deixando o caminho direito, erraram seguindo o caminho de Balaão, filho de Bosor, que amou o prêmio da injustiça(2Pe 2.15); “Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado”(2Pe 2. 21); “Ai deles! Porque entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão, e pereceram na contradição de Coré” (Jd 1.11) – Jesus disse: “Eu sou o Caminho (Jo 14.6); “Instrui o menino no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele (Pv 22.6); “E os teus ouvidos ouvirão a palavra de que está por detrás de ti, dizendo: Este é o bom caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para a direita nem para a esquerda” (Is 30.21) – Como estamos andando no Caminho? “Portanto tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados, e fazei veredas direitas para vossos pés, para que o que manqueja se não desvie inteiramente, antes seja sarado” (He 12. 12,13).

b.    Eles falam de nossa direção – Dos rumos que estamos dando a nossa vida (Vida profissional, espiritual, física, sentimental, educacional, etc.) Podemos andar no rumo certo ou não! Tudo depende da nossa decisão “Disse-lhe Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens e dá aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, e segue-me. E o mancebo, ouvindo esta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitas propriedades” (Mt 19. 21,22). Se quisermos agradar a Deus, seguiremos sempre a Ele “Respondeu-lhe pois Simão Pedro: Senhor, para quem iremos nós? Tu tens as palavras de vida eterna”(Jo 6.68); “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esse são filhos de Deus” (Rm 8.14);

c.     Eles falam do que possuímos – Não somente no sentido material, mas também no espiritual. “Todo o lugar que pisar a planta do vosso pé será vosso...”(Dt 11.24); “O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus ” (Fil 4.19); “Para que também desse a conhecer as riquezas da sua glória nos vasos de misericórdia, que para glória já dantes preparou” (Rm 9.23);

d.    Eles falam das nossas origens – Qual é nosso povo. “E disse: não te chegues para cá; tira os teus sapatos dos teus pés; porque o lugar em que tu estás é terra santa” (Ex 3. 5); “E pregava dizendo: Após mim vem aquele que é mais forte do que eu, ao qual não sou digno de, abaixando-me, desatar a correia das suas sandálias” (Mc 1.7) – Teu povo é meu povo “Disse porém Rute: Não me instes para que te deixe, e me afaste de ti: porque aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares à noite ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus”(Rt 1.16); “E se o meu povo que se chama pelo meu nome...” (2Cr 7.14); “O Senhor ao fazer descrição dos povos, dirá: Este é nascido ali” (Sal 87.6); “Este dirá: eu sou do Senhor; e aquele se chamará do nome de Jacó; e aquele outro escreverá com a sua mão: Eu sou do Senhor; e por sobrenome tomará o nome de Israel” (Is 44.5).

e.     Eles falam da nossa comunhão com Deus E andou Enoque com Deus, depois que gerou a Metusalém, trezentos anos; e gerou filhos e filhas. E foram todos os dias de Enoque trezentos e sessenta e cinco anos. E andou Enoque com Deus; e não se viu mais; porquanto Deus para si o tomou ”(Gn 5.22-24); “Estas são as gerações de Noé: Noé era varão justo e reto em suas gerações: Noé andava com Deus” (Gn 6.9); “Sendo pois Abrão da idade de noventa e nove anos, apareceu o Senhor a Abrão, e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo-poderoso, anda em minha presença e sê perfeito” (Gn17.1); “Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou”1Jo 2. 6).

Guarda o teu pé, quando entrares na casa de Deus (Ec 5.1a).

 

Pr Daniel Nunes da Silva – Presidente da IEADCG e COMEAD-CGPB

domingo, 27 de outubro de 2013

Novas descobertas podem abalar teoria da evolução

Crânio humano e mosquito com sangue desafiam cientistas
 
Duas descobertas recentes podem “abalar” a teoria da evolução. Um crânio escavado na República da Geórgia, está levantando uma nova hipótese sobre a formação da espécie humana. Muitos cientistas defendiam a possibilidade de que várias espécies humanas viveram na Terra há dois milhões de anos. Contudo, há fortes indícios que isso pode não ser verdade.
Em um artigo publicado recentemente na revista científica Science, a equipe liderada pelo pesquisador David Lordkipanidze, defende que as espécies Homo habilis, Homo rudolfensis e Homo erectus são todos parte de uma linhagem única.
O crânio descoberto em Dmanisi, Geórgia, apresenta dentes grandes, um rosto comprido e sugere que o cérebro era menor. Estas características seriam semelhantes às do Homo habilis, mas com traços até então exclusivos do Homo erectus.
Para Lordkipanidze, as grandes variações presentes neste crânio não seriam sinais de espécies diferentes, mas apenas diferenças dentro de uma mesma espécie. “Quando olhamos para essas variações e comparamos com humanos modernos, você pode ver que é uma variação normal”, disse ele à rede BBC.
Paralelo a isso, a descoberta de um mosquito fossilizado está fazendo cientistas questionarem a suposta idade dos fósseis antigos e camadas de rocha. Um artigo importante foi publicado pela Academia Nacional de Ciências de autoria de cinco cientistas norte-americanos e europeus.
Ele aborda a recente descoberta de um mosquito fossilizado na Formação Kishenehn, em Montana, EUA. Uma imagem que remete ao filme Jurassic Park, de 1993. Dentro do fóssil existe vestígios de sangue ainda preservado, algo que os descobridores consideram sem precedentes.
“A preservação desse mosquito fêmea fossilizado… foi algo extremamente improvável. E precisava estar cheio de sangue e ser envolvido por um sedimento anaeróbio sem que isso estourasse a frágil distensão de seu abdômen repleto de sangue”, afirmam seus descobridores no artigo publicado pela revista científica Nature .
O mosquito estava envolto em sedimentos de xisto, num local que os geólogos afirmam ter 46 milhões de anos. Logo, essa descoberta precisaria ter diz fossilizada há cerca de 46 milhões de anos atrás. Contudo, os cientistas afirmam que o sangue dento do inseto não poderia ter sobrevivido durante um período tão grande de tempo.
“O abdômen de um mosquito cheio de sangue é como um balão pronto para estourar. É algo extremamente frágil”, afirmou Dale Greenwalt, líder da equipe de cientistas. “As chances de ele não ter se desintegrado antes de fossilização são infinitamente pequenas”.
Agora, levanta-se a questão de se os métodos de datação das rochas naquela região são confiáveis. Brian Thomas, cientista ligado ao Instituto de Pesquisas da Criação, diz que o sangue do mosquito não poderia ter sobrevivido a milhões de anos. Ele disse ao Christian News Network que os cientistas estimam a idade dos fósseis com os dados de cartas geológicas padronizadas.
Para Thomas os métodos de datação das rochas utilizados normalmente são “sabidamente pouco confiáveis”. “Em última análise”, conclui Thomas, não haveria uma explicação científica plausível. Os “milhões de anos” sempre apontados pelos geólogos podem não estar corretos, pois seriam no máximo milhares.

sábado, 26 de outubro de 2013

Como o Diabo destrói uma nação? Texto escrito por Paul Harvey em 1964, 50 anos atrás


Se eu fosse o Príncipe das Trevas, tentaria envolver o mundo inteiro nas trevas. Eu gostaria de ter um terço do mercado imobiliário e quatro quintos da população, mas não ficaria feliz até dominar a maçã mais madura da árvore. Com isso quero dizer, que seria necessário, tomar conta dos Estados Unidos.

Em primeiro lugar, subverteria as igrejas. Começaria uma campanha de sussurros. Com a sabedoria de uma serpente, sussurraria para você, como sussurrei para Eva: “Faça tudo que você quiser.”

Para os jovens, gostaria de sussurrar que “A Bíblia é um mito”. Eu iria convencê-los de que o homem criou Deus e não o contrário. Eu diria a eles, em segredo, que o que é ruim é bom, e o que é bom está “fora de moda”. Aos idosos, eu iria ensiná-los a orar: ‘Pai nosso, que estás em Washington …”

Depois, eu me organizaria. Ensinaria os escritores a fazer literatura sensacionalista emocionante, de maneira que qualquer outra coisa parecesse chata e desinteressante. Eu encheria a TV de filmes cheios de sexo. Forneceria drogas para todos. Eu venderia álcool para senhores e senhoras da sociedade. Tranquilizaria o restante com comprimidos.

Se eu fosse o diabo, colocaria as famílias em guerra com elas mesmas; as igrejas em guerra com elas mesmas, e as nações em guerra, até que cada uma delas fosse consumida.

Prometeria à imprensa o maior índice de audiência, forçando-as a se destruírem mutualmente. Se eu fosse o diabo, iria encorajar às escolas a refinar o intelecto dos jovens, mas negligenciar a disciplina: “Deixem eles correrem soltos”. Antes que pudessem se dar conta, seria preciso cães farejadores de drogas e detectores de metal em cada entrada de escola. Dentro de uma década, teria presídios superlotados.

Com promessas de reconhecimento e poder, faria os juízes defenderem a pornografia e ficarem contra Deus. Em pouco tempo, colocaria ateus para me representar diante da suprema corte e os pregadores iriam concordar. Assim, conseguiria expulsar Deus do tribunal, depois da escola, e, por fim, do Congresso e do Senado. Nas igrejas, substituiria a religião por psicologia e endeusaria a ciência. Incentivaria padres e pastores a abusarem de meninos e meninas e ficarem ricos com o dinheiro das igrejas.

Se eu fosse o diabo, faria que o símbolo da Páscoa fosse apenas um ovo e o símbolo do Natal, uma garrafa de bebida.

Se eu fosse o diabo, tiraria daqueles que têm e daria àqueles que desejam ter até conseguir matar o incentivo de suas ambições. Quer apostar que eu faria com que todos os Estados promovessem o jogo como uma forma de ficar rico? Alertaria a todos contra os extremos no trabalho duro, no patriotismo e na conduta moral. Convenceria os jovens que o casamento é uma coisa defasada, que só ficar é bem mais divertido e o que a TV mostra é a maneira certa de viver. Assim, eu poderia despir as pessoas em público, e incentivá-los a transar com pessoas que tenham doenças incuráveis.  

Em outras palavras, se eu fosse o diabo, continuaria fazendo o que ele já está fazendo.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

DOUTRINAS ENSINADAS PELA IGREJA ASSEMBLEIA DE DEUS, FUNDADA PELOS MISSIONÁRIOS DANIEL BERG E GUNNAR VINGREN


SALVAÇÃO

Ensinamos que a salvação é totalmente pela graça de Deus, fundamentada na redenção de Jesus Cristo, no mérito do seu sangue derramado, e não por méritos pessoais ou obras (Jo 1.12; Ef 1.7; 2.8-10; 1ª Pe 1.18,19). A justificação (Rm 8.33) é um ato pelo qual Deus declara justos todos aqueles que através da fé em Jesus arrependeram-se dos seus pecados (Lc 13.3; At 2.38; 3.19; 11.18; Rm 2.4; 2ª Co 7.10; Is 55.6,7) e confessam-no como Soberano Senhor (Rm 10.9,10; 1ª Co 12.3; 2ª Co 4.5; Fp 2.11). Esta justiça é separada de qualquer virtude ou obra humana (Rm 3.20; 4.6), e consiste em aceitar o sacrifício vicário de Jesus para a redenção dos nossos pecados (Cl 2.14; 1ª Pe. 2.24) e imputar a justiça de Cristo a nós (1ª Co 1.30; 2ª Co 5.21). A regeneração é um trabalho sobrenatural do Espírito Santo através do qual uma natureza e uma vida divina é dada (Jo 3.3-7; Tt 3.5). É instantânea e executada unicamente pelo poder do Espírito Santo através da instrumentalidade da Palavra de Deus (Jo 5.24), quando o pecador arrependido, responde em fé à divina provisão da salvação. A genuína regeneração é manifestada por frutos dignos de arrependimento ao se demonstrar atitudes e condutas condizentes com o testemunho cristão. É através da regeneração, ao receber uma nova natureza, que o homem se habilita a viver uma vida que vença ao pecado e agrade a Deus (Jo 3. 3-7; 1ª Co 6.19-20; Ef 2.10; 5.17-21; Fp 2.12; Cl 3.16; 2ª Pe 1.4-10). De acordo com as Assembleias de Deus no Brasil, a doutrina da eleição condicional, a qual é baseada no exercício individual do livre arbítrio de cada homem. Entendemos ser a eleição um ato baseado na presciência de Deus, pelo qual Ele escolheu em Jesus Cristo para a salvação todos aqueles que de antemão sabia que O aceitariam, isto é, somos eleitos em Cristo, porque decidimos aceitá-lo (Ef 1.4; 1ª Pe 1.1,2; II Tm 1.9). A eleição baseada na presciência divina, sendo consequência de uma fé prevista por Deus. (Discordamos da eleição incondicional do Calvinismo, onde a fé é fruto e vidência da eleição – os indivíduos são eleitos para crer, e não porque hão de crer). De acordo com o nosso ensino, a eleição incondicional fere o senso de justiça de Deus e a responsabilidade do homem. Como falar em julgamento onde não houve exercício da liberdade? Além do mais vemos na Bíblia que Cristo morreu por todos os Homens, (1ª Tm 2.4,6; Hb 2.9; 1ª Jo 2.2; 2ª Pe 3.9), sendo a vontade divina que todos sejam salvos(Mt 11.28; Rm 10.13). Estes convites seriam hipocrisia divina se a aceitação deles dependesse unicamente de uma assistência eficaz por parte de Deus. E o que fazer com exortações que inspiram a atividade missionária e a pregação do Evangelho a todos os perdidos? Retiraríamos da nossa Bíblia Mc 16.15,16? Assim sendo, na eleição condicional Deus e o homem cooperam mutuamente no processo de salvação (que o homem é ativo na conversão podemos ver pelas seguintes passagens: Is 55.7; Jr 18.11; Ez 18.23-32; 33.11; At 2.38; 3.19; 17.30). As seguintes referências sustentam a nossa posição da eleição condicional: Mt 7.24; Mt 25.34-40; 1º Sm 2.30; Jo 3.10; Mt 10.32; 11.28; Mc 8.38; 11.3,6; Lc 9.23; At 2.21; 10.43; 17.30; Rm1.16; 10.13,14; 1ª Tm 2.3,4; Ap 3.20; 22.17. Cada crente, no mesmo instante em que aceita a Jesus é declarado posicionalmente santo. Esta santidade não poderá ser confundida coma santificação progressiva, mas é uma posição, não tendo nada a ver com a sua presente condição (At 20.32; 1ª Co 1.2,30; 6.11; 2ª Ts 2.13; Hb 2.11; 3.1; 10.10,14; 13.12; 1ª Pe 1.2). Também que através da operação do Espírito Santo, há uma santificação progressiva, pela qual se procura igualar o padrão presente de comportamento ao do estado posicional de santidade. Através da obediência à Palavra de Deus e através do poder do Espírito Santo, o crente é capaz de viver uma vida de santificação progressiva, na qual vai crescendo mais e mais, até a estatura de varão perfeito (Ef 4.13; Jo 17.17,19; Rm 6.1-22; 2ª Co 3.18; 1ª Ts 9.3-4; 5.23). Cada pessoa salva está envolvida em um conflito diário (a nova criação em Cristo guerreia contra a carne). Ressaltamos que a provisão para a vitória é conseguida através do domínio do Espírito Santo (Rm 7 e 8). O conflito, contudo, entre a carne e o espírito, estará sempre presente (a menos que o crente morra, ou seja, arrebatado). Não aceitamos, portanto, a Teologia da erradicação do pecado da natureza humana, após a pessoa haver aceitado a Jesus, por entender que a mesma não tem fundamento escriturístico. O que o Espírito Santo faz não é a erradicação do pecado, mas é providenciar vitória sobre o poder do pecado (Gl 5.16-25; Ef 4.22-24; Fp 3.12; Cl 3.9,10; 1ª Pe 1.14-16; 1ª Jo 3.5-9).

 

terça-feira, 8 de outubro de 2013

A MISSIONÁRIA MARIA SOARES SE EMOCIONA NO ANIVERSÁRIO DO CÍRCULO DE ORAÇÃO FUNDADO POR ELA EM MONTEIRO-PB

A Missionária Maria Soares da Silva, mãe do Pastor Daniel Nunes, participou das festividades de mais um ano de existência do Círculo de Oração na cidade de Monteiro-PB, trabalho fundado por ela em outubro de 1982 com poucas irmãs. De lá para cá, o trabalho tem crescido de forma maravilhosa e a fundadora, não conteve as lágrimas, quando o pastor Daniel Nunes (pregador da noite do dia 06 de outubro), a chamou na frente pra fazer uma justa homenagem ao seu honorável trabalho. Que Deus continue abençoando todas as irmãs da Assembleia de Deus em Monteiro, bem como o pastor Francisco e a irmã Rute que estão a frente daquela grande obra, que é uma das Igrejas filiais da COMEAD-CGPB, que tem como presidente o pastor Daniel Nunes.

CARTA DO MISSIONÁRIO RUBENS MENDONÇA - ARGENTINA

Pr. Daniel Nunes. Estamos bem aqui no campo Missionário, Pr. queremos agradecer a Deus pela vida do Sr. família e igreja ,a nossa Comead e a Semad.Pelas orações e pela ajuda Missionária. Pr. Queremos expressar alegria de falar sobres os trabalhos aqui na missão em Mendoza nas cidades de Las Heras, Maipú e Guaymallen. Pr. no mês de Setembro tivemos muitos cultos abençoados por Deus com Salvação de vidas e curas. Pr. Daniel, temos na Igreja um auxiliar de trabalho Irmão Mario ele foi levado as pressas para o Hospital sentindo uma forte dor e foi constatado que ele estava com um liquido nos pulmões tinha que passar por um tratamento para tirar este liquido através de uma grande agulha, nós estivemos orando, depois desta oração o Senhor Jesus fez um grande milagre na vida do Irmão Mario o liquido desapareceu quando uma Medica fez outro exame foi constatado que o liquido não estava más. Pr. Daniel outro milagre aconteceu com um neto da Irmã Gloria o nome do menino e Ramiro ele estava para passar pela Cirurgia numa segunda e no dia de Sábado dos dias antes da Cirurgia em uma Oração na Congregação Jesus curou Ramiro na segunda quando ele chegou pela manha na clínica a sua mãe falou para o medico que ele não estava sentido dor o Cirurgião resolveu tirar outra ultrassom e foi constatado que não tinha mas o liquido e deu alta para Ramiro e falou para família que os pulmões dele estava perfeito, Deus seja Louvado Jesus realizou este milagre na vida de Ramiro Pr. Daniel O Senhor Jesus tem realizado muitos milagres e Salvação de vidas Pr. são muitos testemunhos de curas e milagres na vida dos irmãos, Pr. estamos enviando as fotos, Pr. Daniel sempre estamos em oração pelo Sr., família e Igreja. Pr. quero agradecer a Semad na pessoa do seu Sec. Pr. Jailtom Barbosa e equipe que fazem a Semad pelo empenho ao trabalho Missionário a nossa Comead pelo apoio ao trabalho Missionário e aos Obreiros do campo e aos Dirigentes de Congregações de Campina Grande aos Agentes de Missões pelo trabalho Pr. Daniel Muito obrigado. Que Deus o abençoe Grandemente um forte Abraço. Pr. Pedidos de Oração por Salvação de vidas. Batismo no Espírito Santo. Pr. sua para med. Salmos 126 Fraternalmente em Cristo

sábado, 5 de outubro de 2013

O VALOR DOS BONS CONSELHOS

O Valor dos bons conselhos (Pv 1.1-6) A lição da Escola Dominical da CPAD para esse domingo, 06 de outubro, vai abrir uma série de estudos nos livros de Provérbios e Eclesiastes. Dois livros da literatura da Sabedoria, ou sapienciais. É algo supremo para quem quer viver bem com Deus, consigo mesmo e com seu próximo. Temos consciência do mundo mau e pecador que vivemos e por isso mesmo temos que conversar, trocar ideias, comprar, vender, negociar com todo tipo de pessoa. Pessoa má, intolerante, vaidosa, ambiciosa, orgulhosa, avarenta, ciumenta, raivosa, e por ai vai uma lista infinda de atitudes tomadas por alguém que deparamos todos os dias. A Bíblia diz que o mundo jaz no maligno (1Jo 5.19). Isto é, está tomado por forças malignas, que operam através da carne, fazendo que os homens sejam instrumentos de iniquidade (Rm 6.13). Como mudar esse quadro desesperador do mundo? Sempre estou me perguntando: O que a igreja, enquanto povo de Deus tem feito para mudar essa sociedade? Eugene Peterson, escritor americano, citado por José Gonçalves, comentador desse trimestre, diz que os conselhos dados, através da sabedoria salomônica, abrangem diferentes áreas da vida, como: Honrar os pais, criar filhos, lidar com o dinheiro, conduzir a sexualidade, trabalhar e exercitar a liderança, usar bem as palavras, tratar os amigos com gentileza, comer e beber saudavelmente, bem como cultivar emoções e atitudes em relação aos outros de modo pacífico. Porém, Salomão adverte que “O temor do Senhor é o principio da ciência” (Pv 1.7). Pergunto então: Qual tem sido a contribuição do povo de Deus para mudar a nossa sociedade para melhor? Tenho batido nessa tecla a muito tempo! Pois, fazendo uma analise sociológica da cristandade, pouco, mas muito pouco mesmo, tem ajudado na mudança para melhor da sociedade onde cada individuo que se diz cristão está inserido. Em Filipenses 2.15, Paulo exorta o povo de Deus dizendo: “Para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiro no mundo”. O povo de Deus tem agido assim? A resposta será um duro não. Encontramos hoje em dia, crentes envolvidos nos mais escandalosos pecados. Apesar de serem detentores do nome cristão, ou crentes em Jesus Cristo, continuam sendo infiéis nos contratos. Compram e não pagam, assumem compromissos e não cumprem, mentem, caluniam, invejam, traem etc. Como maridos ou esposas, muitos de Bíblia na mão, são piores que os que não conhecem a Palavra de Deus. Não sabem educar os filhos, e parece que não querem aprender. Não estamos em nada diferentes do povo de Israel, povo escolhido por Deus, mas, não corresponderam à chamada, por isso mesmo pagaram duro preço e pagam até o dia de hoje. Anelo ansioso, que esse trimestre da EBD, desperte em todos os Assembleianos (Igreja centenária, que prega um evangelho de transformação e mudanças na vida espiritual, abrangente ao comportamento de cada individuo) um desejo ardente de ser mudado e mudar a sociedade a sua volta. Pr Daniel Nunes

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

OS ENSINAMENTOS DO ESPÍRITO SANTO

Textos: Jo 14. 16, 17,26; 15. 26; 16. 7-14 I PARTE Bastam apenas esses textos sagrados, para provar que o Espírito Santo não é apenas uma mera influencia, como ensinam algumas seitas, mas sim uma pessoa. Temos nos textos acima, uma pessoa que: Fica conosco, ensina, faz lembrar, testifica, convence, guia, fala, ouve, anuncia, glorifica e recebe. Esse outro consolador (O Espírito Santo), que veio para ficar conosco, é um Mestre por excelência: “..., esse vos ensinará todas as coisas” (Jo 14. 26). I. As características desse Mestre. Ele é: 1. INDISPENSÁVEL – “... ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus” (1Co 2. 11b). Para conhecermos a Deus, se torna indispensável o Espírito Santo, pois “Ora, o homem natural..., não pode entendê-las” (1Co 2.14; Jo 3. 8-10). Os caminhos de Deus são insondáveis (Ro 11.33). Somente quem veio do Céu, pode testificar as coisas do céu para os homens (Jo 16.13). 2. INFALÍVEL – “... porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus.” (1Co 2.10). Ler Is 40.13. Em vão buscamos conhecimento de Deus se menosprezarmos os ensinamentos do Espírito Santo (Is 59.21). “O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Rm 8. 16). 3. TODO-SUFICIENTE – “... e vos ensinará todas as coisas” (Jo 14. 26). Ler Jo 16.13; 1Jo 2.27. Quem é que pode explicar melhor o livro, senão aquele que o escreveu? Muitos querem interpretar a Bíblia a seu bel prazer, mas, quem pode explicar e interpretar melhor a Bíblia e o grande Mestre Espírito Santo! 4. DISCRETO – “... porque não falará de si mesmo” (Jo 16.13). O Espírito Santo se oculta para poder glorificar mais a Jesus. Ele dá exemplo para todos os mestres. Se o Grande Mestre é tão discreto assim! Como não deveria ser os acadêmicos? (2Co 2.16; Rm 11.33;12.3).

O QUE PODEMOS APRENDER COM ISRAEL

Há algo que me intriga há algum tempo: o que leva um país com apenas 7,9 milhões de habitantes (o Paraná tem 10,4 milhões); um território minúsculo (menor que o Estado de Sergipe); terras ruins; sem recursos naturais; com apenas 64 anos de existência; e em constantes conflitos militares… ser um dos maiores centros de inovação do mundo; ter 63 empresas de tecnologia listadas na bolsa Nasdaq (mais do que a Europa, Japão, China e Índia somados); ter registrado 7.652 patentes no exterior entre 2002 e 2005; ter ganho 31% dos prêmios Nobel de Medicina e 27% dos Nobel de Física? Em resumo: o que explica o extraordinário desenvolvimento econômico e tecnológico de Israel? Pela lista de carências e problemas citados no parágrafo anterior, Israel tinha tudo para ser apenas mais um país atrasado e miserável. Mas, além de não ser, o país transformou-se em um caso único de inovação, tecnologia e desenvolvimento. Muitas das maravilhas que usamos hoje vêm de lá. O pen-drive, a memória flash de computador e muitos medicamentos que salvam vidas estão na lista de patentes de Israel. Qualquer explicação rápida é leviana. Muitos dirão que é o dinheiro dos norte-americanos e dos judeus espalhados pelo mundo que faz o sucesso de Israel. Não é. Primeiro, porque nenhuma montanha de dinheiro transforma uma nação de atrasados e ignorantes em gênios da inovação e ganhadores de prêmios Nobel. Segundo, grande parte do dinheiro recebido por Israel foi gasta em defesa e conflitos militares. Terceiro, o apadrinhamento militar de Israel nos primeiros nos de sua fundação não foi dado pelos Estados Unidos, mas pela França, cujo apoio cessou somente em 1967 após a Guerra dos Seis Dias. Nos artigos e livros que pesquisei, não há explicação simplista para o sucesso de Israel. Pelo espaço limitado deste artigo, destaco apenas quatro pontos: 1. A história e a cultura. A religião judaica dá ênfase à leitura e à aprendizagem, mais do que aos ritos. A perseguição aos judeus e a proibição, durante a Idade Média, de possuirem terras os levou a estudar e se tornarem médicos, banqueiros e profissões que pudessem ser exercidas em qualquer lugar. 2. O apreço pela tecnologia e pela inovação. Israel gasta 4,5% de seu produto bruto em pesquisa e desenvolvimento, contra 2,61% dos Estados Unidos e 1,2% do Brasil. Na ausência de recursos naturais e premido pela necessidade, Israel entrou de cabeça numa cultura de pesquisar, descobrir e inovar. 3. A estrutura educacional. A crença de que a única saída para o desenvolvimento mais do que os recursos naturais é a educação de qualidade está na raiz da cultura de Israel. Do ensino básico até a universidade, Israel desfruta de uma educação de nível e acessível a todos. Se você pensa encontrar um judeu analfabeto, desista. É uma questão cultural: para eles, povo e governo, a educação é o bem maior. 4. O respeito pelo empreendedor e pelo fracasso. Em Israel, valoriza-se muito aquele que se dispõe a inventar, inovar ou empreender. Quem tenta e fracassa é respeitado e apoiado, pois eles acreditam que a falência é um aprendizado e a chance de acertar da próxima vez aumenta. Isso leva a uma ausência de medo do fracasso e é um elemento-chave da cultura da inovação. No Brasil, o desgraçado que falir uma microempresa nunca mais consegue uma certidão negativa e jamais volta a ser empreendedor. Não se consegue transpor a cultura de um país para outro, mas há muito que aprender com Israel. Publicado em 24 de agosto de 2012 em Economia, Educação, História, Política

domingo, 8 de setembro de 2013

CINCO CAMPOS DA ATUAÇÃO DO ESPIRITO SANTO NA VIDA DO HOMEM

Texto: Rm 8. Sabemos que o Espírito Santo veio para guiar todas as nossas ações, porém, Ele não faz do homem um robô para ser controlado a distancia. Ele vem morar dentro do ser humano, e, assim usa nossos membros como seus instrumentos para a gloria de Deus (Rm 8.15; 1Co 6.19,20). 1. O campo do controle (vv. 1-4) – A palavra chave aqui é LEI (Rm 7. 19-24). Paulo exemplifica aqui aquele cristão, que está tentando servir a Deus mais não consegue se desvencilhar do mundo que de perto o rodeia. O pecado prende incondicionalmente, o Espírito liberta e vigia com cuidado (2Co 3.17; Ef 4.30; Tg 4.5-7). Aqui vemos um processo que emancipa. O Espírito Santo não quer que nós vivamos sob pressão para andarmos nos trilhos de Deus, Ele quer que por emancipação façamos isso, quer dizer, por escolha, por decisão própria e não sob ameaças (Rm 6.17,18). 2. O campo do pensamento (vv. 5-7). As vias sensoriais são sem dúvida as mais atacadas pelo diabo, pois o pecado é gerado ai, no psicológico do homem – Aqui a palavra chave é MENTE (2Co 10.5; Fil 4.7,8; Ef 6.17a). Aqui vemos um poder que eleva (Gal 5.16-18; Ef 1.16-18; 3. 14-18). 3. O campo da ação (v 13) – A palavra chave é OBRAS (v 13). Aqui vemos um processo que erradica (Gal 5.19-22). Erradicar é extirpar, desarraigar, arrancar pela raiz. Uma doença não é erradicada da noite para o dia, se trabalha com prevenções através das vacinas. Assim também, a doença do pecado, seja ele qual for, deve ser combatida com o remédio da Palavra de Deus. Apliquemos sempre a vacina da Palavra. Porque é que o crente vem para o culto de doutrina? Será que ele está vivendo em pecado constante? Não. Ele vem para receber a vacina da Palavra (2Tm 3. 16.17). 4. O campo do ambiente (vv 22-25), não podemos nos entusiasmar com este mundo, pois, “o mundo passa, e a suas concupiscências” (1Jo 2.17), o crente está com muita esperança aguardando a volta de Jesus (1Ts 1.10) – Aqui a palavra chave é ESPERANÇA (Rm 5.2-5; 8.18). Aqui vemos um processo que entusiasma (1Co 2.9). “Passarinhos belas flores querem me encantar, são vãos terrestres esplendores, pois contemplo meu lar” (HC 36). 5. O campo da oração (vv.26,27; 1Ts 5.17) – Palavra chave é INTERSEÇÃO (2Co 1. 3-4; Ef 6.18; Col 1.9;). Aqui vemos um processo que educa. Somos educados a orar uns pelos outros (Tg 5. 16; Gal 6.2). Saímos da oração egoísta, “venha a nós”, somente a nós!

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

CGADB realiza AGE e desliga pastor Ivan Bastos

A Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB) reuniu nesta segunda-feira (2) ministros, pastores e obreiros para a VI AGE (Assembleia Geral Extraordinária) para votar sobre o relatório do Conselho de Ética e Disciplina que pedia o desligamento do 1º Tesoureiro, o pastor Ivan Bastos. O encontrou aconteceu na sede da igreja Assembleia de Deus do Belenzinho, em São Paulo, e teve 2.638 participantes, destes 2.504 votaram pelo desligamento e apenas 134 membros foram contra a retirada de Ivan Bastos do cargo. Assim como os pastores Samuel Câmara, Jônatas Câmara e Sóstenes Apolos (já falecido), Ivan Bastos foi condenado por ter tumultuado a AGE que aconteceu em 2012 em Maceió. Por conta disso, todos os pastores citados estão desligados da convenção. Por ser membro eleito da Mesa Diretora, Bastos só poderia ser desligado mediante a uma votação dos integrantes da CGADB em uma Assembleia Geral. Por este motivo ele foi o último dos pastores acusados a ser julgado. O pastor José Wellington Bezerra da Costa anunciou em seguida que o pastor Álvaro Alen Sanches, que atuava como 2º Tesoureiro, será empossado como 1º Tesoureiro, ocupando assim o cargo que ficou vago. O site da CPAD (Casa Publicadora das Assembleias de Deus) noticiou que a decisão da Justiça de Manaus foi derrubada pelo Desembargador Paulo Cesar Caminha e Lima, liberando a CGADB a realizar a reunião e assim votar no processo disciplinar. Os pastores envolvidos haviam conseguido uma liminar na Justiça que impedia a realização da AGE estabelecendo uma multa em caso de desobediência. Há outras decisões judiciais com multas contra a CGADB, incluindo termos que pedem a reintegração dos pastores expulsos. por Leiliane Roberta Lopes

A autenticidade e a atualidade das línguas estranhas na Igreja

A autenticidade e a atualidade das línguas estranhas na Igreja At 1. 1-8; 2. 1-4 Por mais que os críticos da atualidade das línguas estranhas tentem, não conseguem deter a marcha pentecostal no mundo. Sabemos que há os exageros, porém, não é por isso que vamos extinguir a operação do Espírito Santo na Igreja (1Ts 5. 19). Quem pode conter um rio perene? Consegue-se barrar por um tempo, mais ele acaba por passar por cima. Paulo, após ensinar sobre o assunto das línguas estranhas, termina dizendo: “Se alguém cuida ser profeta ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor. Mas, se alguém ignora isso, que ignore. Portanto, irmãos, procurai com zelo, profetizar e não proibais falar línguas. Mas, faça-se tudo decentemente e com ordem”. (1Co 14. 37-40). 1. Era necessário esperar a promessa (vv. 4,5). • Que promessa era essa? a. Promessa de um povo adorando a Deus em outras línguas através do profeta Isaias (Is 28.11); b. Promessa feita através do profeta Joel (Jl 2.28,29); c. Promessa feita por Joao Batista (Mt 3.11); d. Promessa feita pelo próprio Jesus (Mc 16.17; Lc 24.49; At 1.8). • Quem deveria esperar a promessa? e. Crentes que já estavam armados com poder espiritual (Mt 10.1); f. Os que tinham os nomes escritos no livro da vida (Lc 10.20); g. Que estavam limpos moralmente (Jo 15.3); h. Que estavam em contato com Cristo como ramo ligado na videira (Jo 15.5); i. Que conheciam que o Espírito Santo estava com eles (Jo 14.17); j. Que tinham sentido o fôlego de Cristo ressuscitado quando disse: “Recebei o Espírito Santo” (Jo 20. 22). • Uma é a experiência da salvação, onde o Espírito Santo opera a regeneração na vida do homem (Jo 3.5,6; Tt 3.5), outra é a experiência do batismo com Espírito Santo, com evidencia de falar em outras línguas (At 19.1-7). É evidente a necessidade que temos de sermos cheios do Espírito Santo para testemunharmos de Jesus (At 1.8; 10.38). • Pentecostes (gr penteekostos = quinquagésimo). A segunda grande festa dos Israelitas, que se dava cinquenta dias após a páscoa (Lv 23.17,20), onde as primícias da colheita era oferecida ao Senhor, em forma de dois pães, que eram movidos diante de Deus. Assim a primícias da Igreja foi movida pelo Espírito Santo cinquenta dias após a páscoa (At 1.3; 2.1). 2. A Igreja nasceu em meio a um grande avivamento. Qualquer ambiente que não tenha esse poder, sufoca a Igreja. Ela está em muitas partes do mundo, agonizando, como um peixe fora d’água, por falta da oração e consequentemente o avivamento do Espírito Santo. Spurgeon disse: “Se uma igreja não ora, ela está morta”. Vejamos como foi a descida do Espírito Santo para inaugurar a igreja de Jesus: a. “Estavam todos reunidos no mesmo lugar”(At 2.1). Como a morte e ressurreição de Jesus mudou o conceito de vida dos discípulos! Antes: • Procuravam a primazia (Mt 20.20-28); • Queriam saber quem era o maior (Lc 22. 24); • Voltaram para seus trabalhos materiais (Jo 21.2,3). Depois: • Estavam todos – desapareceram as divisões (Col 3.11); • Reunidos • No mesmo lugar – todos queriam estar na presença de Deus • Dez dias no mesmo lugar – não queriam voltar aos trabalhos, queriam ser cheios do Espírito Santo (Lc 24.49). b. “E, de repente, veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso” (At 2.2). • O vento na Bíblia é usado como símbolo do Espírito Santo (Ez 37. 9,10); • Na conversa que Jesus teve com Nicodemos, falou da ação do Espírito Santo como um vento que assopra aonde quer (Jo 3. 8); • No pentecostes foi o som de um vento veemente e impetuoso (At 2.2); • No princípio o Espírito se movia sobre a face do abismo (G, 1.2); • Ali no templo estava o exército de Deus (os discípulos), mas murchos, tristes, sem forças, etc. Mas quando chegou o vento do Espírito encheu a todos (1Co 15.45). c. “E foram vistas por eles línguas repartidas como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles” (At 2.3). • João falou sobre essa manifestação (Mt .3.11); • Na sarça para Moises, Deus se manifestou com fogo (Ex 3. 1,2); • No altar de Elias ele respondeu com fogo (1Rs 18. 36-38); • A Gloria de Deus nas visões de Ezequiel tinha vento tempestuoso e fogo (Ez 1.4); • Deus é fogo (Hb 12.29); • Uma fábrica parada por falta de fogo na caldeira. d. “E todos foram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At 2.4). • Três vezes no livro de Atos e mencionado o falar em línguas (At 2.4; 10. 44-47; 19.6); • O apóstolo Pedro e seus companheiros somente ficaram sabendo que os gentios da casa de Cornélio, estavam batizados com Espírito Santo, porque eles falaram em línguas estranhas (At 10. 45,46). O GLORIOSO BATISMO COM ESPÍRITO SANTO Mt. 3.11; Mc 16.17; At 2.1-4; 10. 44-46; 19.6 Todo crente batizado com ou no Espírito Santo fala línguas estranhas. Significa dizer que batismo é o revestimento que o cristão precisa para fazer com mais afinco a obra de Deus (Lc 24.49; At 1.8). A obra principal desse revestimento é a proclamação do Evangelho de Jesus Cristo até aos confins da terra. Vejamos então a importância de ser batizado com o Espírito Santo e falar em línguas estranhas. 1. O crente batizado está revestido de poder (Lc 24.49). Uma pessoa apenas vestida, não pode enfrentar temperaturas baixas, mas a revestida tem maior capacidade para frios mais intensos (At 4.31; 19. 11-16); 2. O crente batizado pode orar por problemas que ele nem sabe, nem conhece (Rm 8.26). Com a ajuda dos gemidos inexprimíveis do Espírito Santo, o crente pode estar orando por problemas que ele, em seu sentido natural jamais oraria. Até por pessoas que ele nem conhece, mas o Espírito Santo conhece. Por isso é bom orar em línguas estranhas. Paulo disse que quem ora em línguas ora com seu espírito e não com seu entendimento (1Co 14. 14). Por isso que digo, que há coisas, pelas quais oramos em línguas, que nosso entendimento não sabe que estamos orando! 3. O crente batizado tem uma comunicação direta com Deus (1Co 14.2). Quando ele fala línguas estranhas, mesmo sem ser interpretado por ninguém, ele fala ao coração de Deus com ação de graças e com rogos. Veja que Paulo diz: “Porque se eu orar em línguas estranhas o meu espírito ora bem...” (1Co 14.14). 4. O crente batizado edifica-se a si mesmo no momento que está falando em línguas estranhas (1Co 14. 4). Edifica-se a sim mesmo porque o seu espírito está orando ao Senhor. Os homens não estão entendendo nada, mas Deus está entendendo. 5. O crente batizado com Espírito Santo deve tornar-se mais cônscio da presença, poder e direção do Espírito de Deus em sua vida (At 4.31; 6.5; 9.31; 10.19; 13.2,4,52; 15.28; 16.6,7; 20.23).