Pages

sábado, 29 de agosto de 2020

O AMIGO JESUS


 

... Vocês não percebem que o envolvimento com os prazeres pecaminosos deste mundo torna vocês inimigos de Deus? Eu volto a dizer que se o objetivo de vocês é desfrutar o prazer pecaminoso do mundo perdido, vocês também se tornam inimigos de Deus” (Tg 4.4 Bíblia Viva).

Umas das coisas melhores neste mundo é ter amigos não é mesmo? Já dizia o velho filósofo Sócrates: “Boa coisa é fazer amigos’. Sim, a Bíblia afirma que “... há amigo mais chegado do que um irmãos”. Outra coisa melhor ainda, é ter bons amigos. Amigos que nos compreendem, amigos que nos aconselham, amigos que nos ouvem, etc. Porém, ainda mais excelente é ter Jesus como nosso amigo. A amizade de Jesus é verdadeira, pura, contagiante, sincera; maravilhosa! Como é bom poder contar com o amigo Jesus! Ele é amigo em todas as horas. Nas madrugadas frias, nas noites intermináveis, na hora da dor, e também nas alegrias da vida. Ele permanecerá sendo amigo na eternidade também.

Jesus, enquanto aqui viveu como homem, fez amigos. A Palavra nos diz o seguinte: “...Lázaro, o nosso amigo, dorme, mas vou despertá-lo do sono” (Jo 11.11). “Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a sua vida pelos seus amigos” (Jo 15.13). Ele é tão amigo, e tão dedicado aos seus amigos, que deu a sua própria vida para salvá-los. Porém, na sequencia deste texto, ele faz uma declaração, que não se pode deixar passar desapercebido, o Amigo Jesus diz: “Vós sereis os meus amigos, se fizerdes o que vos mando (Jo 15.14). Veja bem: Ele é fiel, justo, poderoso, puro, santo, maravilhoso, sincero; porém, exigente. A exigência dele é a seguinte: Quer ser meu amigo? então faça o que eu mando. Ele é um amigo Senhor! Ele deve estar no topo e em primeiro lugar de todas as nossas devoções. Disse Ele: “Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim;...” (Mt 10.37).

A grande barreira para que o ser humano seja amigo de Jesus não está em Jesus, mas no próprio homem. Porque, não basta falarmos  que somos amigo de Jesus, precisamos saber se ele também está dizendo a mesma coisa de nós. E, para que ele diga que é nosso amigo a condição é  única: “...se fizerdes o que eu vos mando”. Maria, a mãe de Jesus, deixou a mensagem bem clara: “...Fazei tudo quanto ele vos disser” (Jo 2. 5). Ah, aqui a coisa fica complicada; pois não basta fazermos alguma coisa, mas, tudo o que ele nos disser.

Quando Jesus nos diz: “Vós sereis os meus amigos, se fizerdes o que vos mando”,  deixa implícito a palavra “tudo” também. Significa dizer, que, para gozar dessa amizade perfeita, sincera, pura, salvadora, precisamos abrir mão de outras amizades. Aqui também está uma dificuldade para muitos, pois o mundo os encanta. A amizade do mundo, para esse tempo presente, parece mais convincente, mais contagiante. Para um mundo tangível e palpável, é sedutor as coisa visíveis, tangíveis e palpáveis. Por isso mesmo, temos dificuldade de amar mais as coisas espirituais que as temporais. Mesmo sabendo, que “...As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam” (1Co 2.9) e que “...as que se veem são temporais, e as que não se veem são eternas” (2Co 4.18) o homem é tentado a amar e ter profundo carinho e amizade com este mundo pecaminoso.

Tenho pensado com muita frequência sobre essa amizade com Jesus. Quanto mais o conhecemos, mais o mundo se torna insignificante para nós. Por outro lado, quanto menos o conhecemos, mais esse mundo ganha significância, a ponto de passarmos todos os limites, extrapolarmos todas as regras éticas e morais para adquirirmos a amizade mundana. Diz um pensador: “aves da mesma plumagens voam juntas”. Então podemos perguntar para nós mesmos: Qual a significância que Jesus tem para minha vida? Vale a pena abandonarmos os valores mundanos e pecaminosos para mantermos essa amizade com Cristo? Por outra lado: Qual a significância do mundo para mim? Vale a pena abandonar a Jesus para manter essa amizade mundana? O que está atrapalhando a minha amizade com Jesus?

Certamente que nada, mas nada mesmo deste mundo, se pode comparar com a amizade de nosso amado Salvador Jesus Cristo. Paulo, após ter o encontro com Jesus no caminho para Damasco, e passar a conhecer a Jesus, se expressou assim aos irmãos filipenses: “E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas as coisas e as considero como esterco, para que possa ganhar a Cristo” Fil 3. 8). Será que podemos falar a mesma coisa?

Vosso em Cristo

Pr Daniel Nunes da Silva

5 comentários:

Unknown disse...

Amém, excelente menssagem, há um preço para ser amigo de Jesus.

Unknown disse...

É de fato uma verdade indizível,um amigo incomparável,uma grande verdade a que o senhor expôs através deste texto bíblico.amem, que Deus continue lhe abençoando sempre...

Unknown disse...

É de fato uma reflexão oportuna, para os dias de hoje, pois é um despertamento para todos os cristãos. Deus continue lhe abençoando pr. Daniel.

Silvio Martins disse...

Parabéns nobre Pr. Daniel Nunes. Deus o ajude sempre a escrever pérolas.

Prof.Damiao disse...

Amém! Estou preso por um laço de amor a amizade de Jesus.

Postar um comentário