Pages

sexta-feira, 5 de agosto de 2022

O QUE É QUE TENS PARA OFERECER?

 


II Samuel 16.5-7,13; 17.27-29

Há um provérbio antigo que diz, que uma pessoa só pode dar o que tem. Isso é uma pura verdade! Não pode uma fonte amarga dar água doce, ou a fonte doce jorrar água amarga.

Nos textos sagrados acima, vemos a luta do rei Davi, quando perseguido pelo próprio filho, Absalão, fugia a pé, para escapar da fúria de seu filho que havia ocupado o trono. Nessa viagem, a Bíblia diz, que Davi fugia a pé e descalço. Uma grande humilhação para um homem como Davi. Não podemos esquecer, que ele é conhecido na Bíblia, como “o homem segundo o coração de Deus”. Grande guerreiro. Vencedor de inúmeras guerras. Porém, nesse momento, não passava de um simples ancião, que com suas forças já combalidas, fugia de seu próprio filho.

Quando Davi chega a Baurim, diz a palavra, que saiu um homem descendente de Saul, por nome Simei, que começou a atirar pedras em Davi e amaldiçoá-lo, chamando Davi de homem de sangue e homem de Belial. Certamente o tal Simei, esperou a vida toda por aquele momento. Aproveitando do infortúnio de Davi, agora, com as mãos cheias de pedras, e a boca cheia de blasfêmias, maltratava o rei de Israel.

Porém, quando Davi chegou em Maanaim, saíram ao seu encontro três homens: “Sobi, filho de Naás, de Rabá, dos filhos de Amom, e Maquir, filho de Amiel, de Lo-Debar, e Barzilai, o Gileadita...”. Esses, ao contrário de Simei, que trazia pedras e maldições, trouxeram camas, bacias, vasilhas de barro, trigo, cevada, farinha, grão torrado, favas, lentilhas torradas, mel, manteiga, ovelhas e queijos. Diziam eles: “... este povo no deserto está faminto, e cansado, e sedento”.

Como cada um só dá o que tem, Simei, só tinha pedras e maldições. Certamente era um frustrado, que esperava algum momento para poder descontar no rei Davi as suas mágoas e frustrações. Ele não perdeu tempo, foi Davi saindo de Jerusalém, e ele já abriu a sua boca maldita, e sua mãos carregadas de pedras, tentando atingir a Davi. Mas, Davi, superou aquele momento de palavras malditas, e pedras atiradas contra ele, confiando no Senhor, dizendo o seguinte: “Porventura, o Senhor olhará para a minha miséria e o Senhor me pagará com bem a sua maldição deste dia” (2Sm 16. 12). É assim que faz o Senhor. Tudo aquilo que nossos inimigos desejam contra nós: As maldições, as pedradas, o Senhor transforma em bênçãos. O que carregam pedras hão de se cansar primeiro, pois pedras são pesadas e ferinas.

Davi, no Salmo 23 disse: Preparas uma mesa perante mim, na presença dos meus inimigos...”. Foi isso que o Senhor fez. Ele preparou mesa, cama, mel, trigo, lentilhas, queijo, manteiga, favas, ovelhas etc. Que riqueza de coisas boas tinham aqueles homens. Sobi, Maquir e Barzilai, eram pessoas do bem. Eram homens carregados de boas obras. Palavras poderosas, mãos abençoadoras, olhos e corações carregados de empatia.

O que tens em tuas mãos para oferecer? És um Simei, carregado de pedras e palavras malditas, ou um Sobi, um Maquir e um Barzilai, carregado de coisas boas? Lembre-se: Cada um dá o que tem.

Que o Senhor nos ajude, a termos sempre uma palavra de ânimo ao desanimado. Uma palavra de amor ao desprezado. Uma palavra de perdão ao pecador. Quanto as pedras, deixaremos elas para aqueles que não conseguiram ainda serem livres delas mesmas, e empáticos com o sofrimento e dor alheia. Oremos uns pelos outros.

Vosso em Cristo

Pr Daniel Nunes

 

quinta-feira, 4 de agosto de 2022

O DEUS QUE SE REVELA EM MEIO A TEMPESTADE

 


Depois disto, o Senhor respondeu a Jó de um redemoinho e disse” (Jó 38.1).

Senhor, quantas vezes te buscamos, e parece que não te encontramos. Apenas parece. Porque todas as vezes que te buscamos, Tu estás ali. Nunca te esquivaste de ter uma conversa com o homem. Foi assim com Adão, com Enoque, com Noé, com Abraão, com Isaque, com Jacó, com José, com Moisés ... e com Jó.

Nem sempre, essa conversa se deu em um ambiente sossegado, Senhor. Com Elias, antes de falar-lhe com voz mansa e delicada, veio o vento, o fogo a tempestade. Davi disse que “Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem-presente na angústia” (Sal 46.1). É mesmo assim; quando a dor assola a alma, a angústia enche o peito, que olhamos para todos os lados, e, assim como, disse Davi: “Quando o meu espírito estava angustiado em mim, então, conheceste a minha vereda. No caminho em que eu andava, ocultaram um laço. Olhei para minha direita e vi; mas não havia quem me conhecesse; refúgio me faltou; ninguém cuidou da minha alma” (Sal 142.3,4), também falamos nós. Pois, os mais íntimos nossos, parece que se tornam desconhecidos, Senhor.

É nesse momento, que ouvimos retumbar dos céus, a voz cheia de majestade. A voz poderosa do Senhor, que vem até aos ouvidos de nossa alma e nos diz: Filho meu, não temas, não te assombres, não te detenhas, porque Eu Sou contigo. Essa voz, “... é poderosa... cheia de majestade... quebra os cedros do Líbano...faz saltar como a bezerros... separa as labaredas de fogo... faz tremer o deserto... faz parir as cervas e desnuda as brenhas (Sal 29.4-9). Oh, como é bom ouvir essa voz. Saber que os nossos ouvidos ainda estão afinados, para ouvir o que Deus quer falar conosco.

Ouvir Deus é melhor que ouvir os homens. Deus fala com firmeza, certeza, clareza, e tudo chega no seu lugar.

A ti Senhor, toda honra e toda gloria.

Pr Daniel Nunes

segunda-feira, 1 de agosto de 2022

CRISTÃOS SENDO DESAFIADOS E CONSCIENTIZADOS EM RELAÇÃO A OBRA MISSIONÁRIA

 


Depois disso, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então, disse eu: eis-me-aqui, envia-me a mim”.

Ø  Somente os verdadeiros cristãos sentem o desafio missionário (Gal 4.19; 1Co 9.16).

Ø  Clamor de almas não são para todos os ouvidos. É somente para ouvidos que foram desobstruídos pela Palavra de Deus (Rm 10.17). U

Ø  Um dos textos mais desafiadores para os cristãos atualmente, que antecedem a volta de Jesus é Marcos 13.10, onde diz: “Mas importa que o evangelho seja primeiramente pregado entre todas as nações”.

A principal missão da igreja na terra é fazer missões? O pregador inglês John Wesley disse: “A tua tarefa na terra é esta: salvar almas. A tarefa primordial, prioritária da igreja na terra é ganhar almas, resgatando-as do inferno. Ao pregarmos a palavra de Deus para um amigo, um conhecido, uma pessoa que esteja próxima ou longe de nós, poderemos estar salvando uma vida do fogo eterno.

Porque, mesmo após dois mil anos Jesus ter sido assunto aos céus, o mundo ainda não foi evangelizado?

Jesus, antes de subir disse aos seus discípulos: “... Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura” (Mc 16.15). O desejo do Senhor é que o mundo todo seja alcançado.

1.      Afastamento das civilizações. Há grupos muito afastados, tornando assim a evangelização difícil. Há povos que os exploradores ainda estão descobrindo. Há grupos étnicos que seus idiomas ainda não foram decifrados, ficando assim a penetração do missionário em seu meio, complicado e dificultoso. Muitos missionários perderam a vida na ânsia de evangelizar esses povos.

2.      Ainda outro motivo pelo qual grande parte do mundo permanece não evangelizado é a apatia entre muitos cristãos nas culturas ocidentais. As palavras de Tiago podem se aplicar àqueles de nós que são ricos comparados com o resto do mundo: "Atendei, agora, ricos, chorai lamentando, por causa das vossas desventuras, que vos sobrevirão. As vossas riquezas estão corruptas, e as vossas roupagens, comidas de traça; o vosso ouro e a vossa prata foram gastos de ferrugens, e a sua ferrugem há de ser por testemunho contra vós mesmos e há de devorar, como fogo, as vossas carnes. Tesouros acumulastes nos últimos dias. … Tendes vivido regaladamente sobre a terra; tendes vivido nos prazeres…" (Tiago 5:1–5 – ARA).

Essas são palavras duras para nossos ouvidos, mas devemos nos examinar para ver se elas se aplicam às nossas atitudes sobre nossos próprios recursos. Jesus nos ensinou: "das riquezas de origem iníqua fazei amigos; para que, quando aquelas vos faltarem, esses amigos vos recebam nos tabernáculos eternos" (Lucas 16:9). Em outras palavras, devemos usar nossos recursos neste mundo para promover o trabalho de Deus; o resultado será mais pessoas no céu.

A.     Será que vemos nosso dinheiro como pertencendo a nós para gastarmos em nossos prazeres? Ou como provisão de Deus para ser usada sob Sua orientação?

B.     Consideramos o nosso tempo como pertencendo a nós mesmos para fazermos o que quisermos? Ou como um presente de Deus para investir em busca da Sua vontade?

C.     Pensamos em nossos talentos como coisas a serem aproveitadas apenas para ganho pessoal? Ou os vemos como presentes de Deus para serem usados como Ele quer?

D.     Será que paramos para considerar os pobres e os das nações empobrecidas quando decidimos como gastar nossos recursos? Será que Deus nos chamou para missões estrangeiras, mas estamos resistindo?

E.     Será que Ele nos chamou para apoiar um missionário ou ministério específico em oração, embora muitas vezes nos esqueçamos deles?

F.      Somos bons administradores das provisões que Deus nos deu e temos o cuidado de usá-las como Ele quer?

G.    Estamos buscando o Seu reino primeiro e participando da propagação do evangelho da maneira que Ele nos chamou em nossa situação de vida?

H.    Uma das razões pelas quais tantas pessoas não ouviram o evangelho é que o povo de Deus se recusa a levar o evangelho a elas. Que não nos tornemos tão acostumados ao evangelho que não desejamos vê-lo se espalhar e fazer o que pudermos para trabalhar nesse sentido.

Em Mateus 11:21–24, Jesus se dirige a cidades onde Ele havia acabado de pregar e realizar milagres, mas se recusaram a acreditar nEle. A partir dessa leitura, entendemos que Deus nos responsabilizará pelas oportunidades que nos foram dadas (Mateus 10:14,15).  Sabendo que Deus é um “Juiz justo” (Sal 7:11), podemos confiar que Ele fará o que é certo quando as pessoas não alcançadas estiverem diante dEle no dia do julgamento. No entanto, também prestaremos conta se fomos ou não obedientes ao Seu mandamento de proclamar sobre o Salvador (Ez 3.16-19; Mt 12:36; 2 Co 5:10).

Deus nos tem dado muitas oportunidades para ajudar a resgatar almas, evangelizando pessoas, falando de Jesus a alguém, e por algum meio. Conforme sua situação permita, podemos nos envolver em alguma obra missionária. Não é preciso apenas ir. Veremos:

• Ajude sustentar a SEMAD com oração e finanças.

• Apoie crianças carentes através de organização de caridade que atenda às necessidades físicas e espirituais delas, aqui ou em outra parte do mundo.

• Pergunte ao Senhor se Ele deseja que você se torne um missionário de tempo integral. Não por preguiça de trabalhar, mas por vocação e chamada de Deus mesmo.

• Faça uma viagem missionária de curta duração para uma área não alcançada.

• Se você tiver conhecimentos de idiomas, torne-se um tradutor da Bíblia.

• Pare de inventar desculpas por medo ou preguiça.

• Avalie seus próprios talentos, dons e recursos para ver o que pode ser útil na divulgação do evangelho às pessoas não alcançadas. (Exemplos: habilidade de pilotar aviões, habilidades organizacionais, riqueza monetária, experiência em mecânica, conhecimento médico, jardinagem, pedagogia etc.

Quando Jesus subiu ao céu, Ele não confiou a propagação de seu evangelho aos anjos, confiou a um punhado de homens e mulheres. Jesus poderia, pessoalmente ter viajado muito mais longe, feito as viagens missionárias que Paulo fez. Mas Ele não fez nada disso. Ele confiou a mensagem mais importante do mundo para seus discípulos, pessoas comuns e falíveis. No entanto, essa mensagem mudou o mundo porque aquelas pessoas cheias do Espírito estavam dispostas a dar tudo de si. Quando toda pessoa que afirma seguir a Cristo também está disposta a dar tudo, podemos diminuir o problema das pessoas não evangelizadas para a glória de Deus.

Vosso em Cristo

Pr Daniel Nunes

sexta-feira, 22 de julho de 2022

OLHAR PARA FRENTE É A DIREÇÃO CORRETA

 Olhando para frente vemos Jesus, pois Ele sempre vai estar na frente.

Olhando para frente, vemos os alvos a serem conquistados.

Olhando para frente, olhamos com esperança.

Olhando à nossa frente, com um olhar confiante em Deus, vamos sempre ver as portas se abrindo.

Os homens podem até fecharem portas, mas Deus sempre abrirá outras ainda maiores e melhores.

Olhando para frente, não vamos ficar naquela cobrança: daquilo que fiz, daquilo que deixei de fazer, que poderia ter feito, que não devia fazer etc.

Há sempre uma luz lá final do túnel escuro. Essa luz é Cristo. Ela sempre brilhará à nossa frente.

Os homens sucumbem às investidas dos inimigos porque olham para trás.

O que ficou para trás, só terá valor para ser contado, e não para ser vivido.

A vida não se retrocede, não se vive duas vezes a mesma história.

O agora é muito fugaz. Ele se repete a cada instante de nossa existência.

O que escrevi e o que você leu a um segundo, já não é mais agora, pois o agora e somente agora, e logo não será mais, porque outro agora o substituirá.

Por isso a necessidade de estarmos sempre olhando para frente.

Isso pode até parecer filosófico, mas não é somente filosófico, porém real. Realíssimo.

Saudades podemos ter. Lembranças, decepções, insatisfação com a maneira que conduzimos alguma coisa, algum assunto, alguma ação. O que não podemos, é querer retroagir no tempo.

Para frente é que se anda. Para frente é que se olha. Olha para frente, anda para frente, visualize para frente. Levanta a cabeça e veja ao longe.

Se for preciso, suba em uma montanha e olha. Veja o que te espera ao longe, pois, o agora pode estar na tempestade, mas, ao longe o sol pode estar brilhando.   

Pr Daniel Nunes

quinta-feira, 21 de julho de 2022

HERMENÊUTICA BÍBLICA

 


2Pedro 1.20; 3.15,16

A Bíblia é um livro singular, pois se trata da mente de Deus falada nas palavras dos homens. O pastor Osiel Gomes, cita FEE; STUART, 2001, que disse: “A Bíblia é a Palavra de Deus dada nas palavras de pessoas na história. É esta natureza dupla da Bíblia que exige nossa parte na tarefa da interpretação”.

Raimundo de Oliveira, em seu livro “Como estudar e interpretar a Bíblia”, menciona também o autor supracitado, em seu livro “Entendes tu o que lês?”, onde diz: “o problema da interpretação das Escrituras é que um grande número de pregadores e professores da Bíblia cavam tanto nas suas pesquisas bíblicas, que tendem a enlamear as águas, tornando obscuro o que nos era claro na Bíblia”.

A Bíblia não é apenas um livro, mas uma coleção de livros, envolvendo cerca de quarenta autores ao longo de mil e seiscentos anos, escrito em três idiomas (hebraico, grego e partes em aramaico). É uma obra multicultural. Portanto, não é nada simples nem mesmo fácil interpretar tudo isso, sem ajuda de técnicas e métodos para uma clara e melhor compreensão do texto sagrado. Ainda mais, devemos sempre tomar em conta, que ninguém poderá interpretar a Bíblia sem a ajuda do Espírito Santo (1Co 2.10).

HERMENÊUTICA E EXEGESE

Parece que sempre temos dificuldade de entender a diferença entre exegese e hermenêutica, não é mesmo? Osiel diz: “Quando você procura o significado de uma palavra, querendo saber o que realmente ela queria dizer para as pessoas no tempo em que foi escrita, você está fazendo exegese. As regras, formas ou métodos como essa análise é feita podem se chamar Hermenêutica. A Hermenêutica é o que ajuda a entender melhor esses princípios de interpretação”. Continua: “A exegese busca a interpretação de um texto, já a hermenêutica estuda as regras, as bases para que o texto se torne compreensivo”. D. A. Carson nos diz o seguinte: “Diria que a exegese relaciona-se à interpretação de um texto, enquanto a hermenêutica diz respeito à natureza do processo interpretativo. A exegese termina dizendo: “Esta passagem significa isto ou aquilo”; a hermenêutica conclui assim: “Este processo interpretativo constitui-se das seguintes técnicas e pressuposições”. Carson diz que as duas estão relacionadas, porém, segundo ele, a hermenêutica nunca é um fim em si mesma: ela serve a exegese.

 

SIGNIFICADO DA PALAVRA HERMENÊUTICA

Se pode entender a palavra “hermenêutica” como a arte de interpretar, ou de interpretação. É por meio dessa ciência que entendemos os princípios, leis e métodos de interpretação. É de comum acordo de todos os estudiosos do tema, que esse termo foi usado pela primeira vez por Platão, porém, como um termo técnico. Ele o empregou no sentido de explicar e interpretar escritos antigos e atuais, que sejam de natureza espiritual, científica e do direito. Aqui falamos em Hermenêutica em sentido geral.

Osiel Gomes, em seu livro “Aplicando Bem a Palavra”, cita Ulrich J. Kortner que define hermenêutica da seguinte maneira:

“A hermenêutica é o estudo da compreensão. Compreender algo, no entanto, significa compreendê-lo como resposta a uma pergunta. Enquanto não conhecemos e compreendemos a pergunta, aquilo que estamos procurando entender permanece incompreendido. A hermenêutica faz-se necessária, pois a compreensão não é autoexplicativa... (KORTNER, 2009, p. 10).

A palavra é originaria do termo grego hermeneuein, que tem como significado “explicar”, ou “interpretar”. Na Bíblia é usado em João 1.42; 9.7; Hebreus 7.2; Lucas 24.27), onde todas as referências diz respeito a explicação de algum termo, ou sentido da palavra.

Hermes, é o nome dado ao deus grego considerado porta-voz ou intérprete dos outros deuses. No livro de Atos dos Apóstolos 14.12, na NVI lemos o seguinte: “A Barnabé chamaram Zeus e a Paulo, Hermes, porque era ele quem trazia a palavra”.

Além da hermenêutica no sentido geral como arte de interpretar os fatos da história, da profecia, da poesia e das leis, há ainda outro tipo de hermenêutica, que chamamos de “hermenêutica sagrada”, ligada essencialmente à interpretação, compreensão e explicação da Palavra de Deus

Alguns ainda dividem a hermenêutica da seguinte forma:

a.     A geral. Para interpretar qualquer obra.

b.    Especial. Aplica-se às obras como história, poesia, profecia.

c.     Sacra. O estudo das escrituras como divinamente inspirada por Deus (2Tm 3.16).

 

A NECESSIDADE DO ESTUDO DA HERMENÊUTICA SAGRADA

Como já sabemos, a hermenêutica tem como finalidade principal indicar o meio pelo qual é possível determinar as diferenças de pensamentos e atitudes entre o autor duma obra e o leitor que a lê. Para o estudante da Bíblia, isso é ainda mais sério, pois ele não se prende apenas em saber o que homens como Moisés, João, Paulo, escreveram, mas saber que neles estava a ação direta do Espírito Santo de Deus (2Pe 1.21).

Alguém pode perguntar: Por que preciso da hermenêutica para estudar a Bíblia? Não basta ler a Bíblia? Osiel Gomes disse que não é difícil de responder essa pergunta, pois a necessidade do uso da ciência para o texto sagrado resulta no próprio pecado do homem. Disse ele: “ele não tem uma mente saudável, e sofre influência desde mundo, por isso precisa ter a mente de Cristo para que faça uma boa interpretação” (1Co 2.16). Ele ainda nos diz que não há uma uniformidade de pensamento nos homens, por isso a necessidade da hermenêutica, que nos ajudará na harmonização da interpretação da Palavra de Deus.

O apóstolo Paulo disse que devemos manejar bem a Palavra da Verdade (2Tm 2.15). Quando o homem de Deus, seja ele pregador, professor da Escola Dominical, pastor, ou um presbítero, que no dizer de Paulo “...trabalha na Palavra e na doutrina” (1Tm 5.17), devem conhecer as regras de interpretação podendo assim combater as heresias, que nascem exatamente na má interpretação da Palavra (1Pe 3.15).

É impossível em um só estudo falar com maior profundidade sobre tão relevante tema. Não comentaremos sobre os princípios de hermenêutica entre os vários grupos de Judeus, como os Palestinos, Alexandrinos, Caraítas (filhos da leitura), Cabalistas e Espanhóis, e como eles interpretavam a Lei de Moisés. Vamos seguir adiante, diretamente ao hermenêutica na Igreja Cristã.

1.                  Período da Patrística. Nesse período a hermenêutica dependia de três centros de atividades da igreja: Alexandria, Antioquia e Ocidental.

a.    A escola de Alexandria. (Egito) Essa Escola data do século III depois de Cristo. Havia uma mescla entre a filosofia e a religião, afetando, portanto, a interpretação bíblica. Nessa escola aparece, nome importantes como Clemente de Alexandria e Orígenes. As fontes que eles recorriam eram os filósofos pagãos, como Homero e Filo.

Esses homens criam na Bíblia como inspirada por Deus, mas entendiam que alguns métodos deveriam ser aplicados no entendimento do texto para que a comunicação fosse compreensível. Achavam que a compreensão do texto deveria ser feito no método alegórico, desprezando o literal. Clemente chegou a dizer que o Antigo Testamento, somente poderia ser entendido alegoricamente.

Orígenes, que era superior a Clemente no saber, dizia que a Bíblia é o meio de salvação do homem, pois assim como o corpo era formado de três partes (corpo, alma e espírito), as escrituras também era tríplice em seu sentido (literal, moral e místico). Esse era um posicionamento platônico, que acreditava que o homem era um ser tríplice.

b.      A Escola de Antioquia. (Síria) Essa Escola foi fundada por Doroteu e Lúcio. Há alguns estudiosos que afirmam que foi Deodoro que tenha fundado essa Escola em 378 de nossa era. Na verdade, quem se destacou nesse tempo, foram dois discípulos de Deodoro: Teodoro de Mopsuéstia e João Crisóstomo.

Teodoro se destacou como como um intérprete liberal, intelectual e crítico da Palavra de Deus, mas Crisóstomo, pelo dogmatismo, espiritualidade e praticidade da Palavra. Recebeu o apelido de “Boca de Ouro”, pela eloquência de sua oratória. Tanto ele, como Teodoro, contribuíram muito para a interpretação séria das sagradas Escrituras, pois deram grande valor a exegese científica, buscando a compreensão do sentido original do texto, procurando tirar proveito do que diz a Palavra de Deus. Eles desprezaram o método alegórico na interpretação.

c.       A Escola do Ocidente. Era um método que se pode chamar de “eclético”, pois havia uma mescla da Escola de Alexandria no Egito, com Antioquia na Síria. Os nomes que se destacaram no Ocidente foram: Ambrósio, Jerônimo, Hilário e Agostinho. Jeronimo sobressaiu pela sua tradução da Bíblia, a Vulgata. Outro nome a ser destacado é o de Agostinho. Segundo a história ele não foi um grande exegeta, mas, foi reconhecido como aquele que sistematizou o conteúdo Bíblico e foi um grande intérprete das Escrituras.

Agostinho dizia que o intérprete da Bíblia, deve estar preparado em todos os aspectos, como: filológico, crítico ou histórico, e sobretudo deve amar o autor da Palavra. Para ele o literal deve fundamentar o alegórico.

 

2.        Método da interpretação bíblica na idade média. (Séculos V a XV) Conhecido como “período das trevas”, pois o espírito de ignorância imperava. Quanto a interpretação bíblica, prevalecia o método agostiniano: Literal, tropológico, alegórico, analógico. Nesse tempo a Escritura era interpretada de modo místico, pois era considerada um livro de grandes mistérios e muito complicado. Os intérpretes da Bíblia eram desprezados. A única Bíblia usada era a Vulgata de Jerônimo.

Na Idade Média a interpretação ficou totalmente presa à Igreja. Mesmo que exaltassem os escritos dos pais da Igreja, quando tais artigos não fossem de acordo com a Bíblia, a voz maior era da Igreja, e não da Bíblia. Não surgiu nenhum princípio novo, nem uma exegese saudável na Idade Média, mas prevaleceu sempre a tradição da Igreja. Um dos nomes mais famosos nesse tempo foi o de Tomás de Aquino, porém, foi o de Nicolau de Lira o de maior repercussão, como escreve Osiel Gomes:

“Pois ele rompeu com os pressupostos do método agostiniano, valorizando o sentido literal e místico na interpretação do texto Bíblico. Ele dava importância aos originais bíblicos, e o místico só poderia ser usado na demonstração da doutrina, pois ele “assassina” o texto e sua interpretação original”.

Segundo o pastor Osiel, esse posicionamento de Nicolau foi de suma importância, pois incendiaria o coração Lutero, que posteriormente estouraria a Reforma Protestante.

3.        O método de interpretação da Bíblia na Reforma. Foi o período renascentista, (meados do século XIV ao final do século XVI) que preparou a Europa e o mundo para a Reforma Protestante, chamou a atenção da cristandade de então para a necessidade de se estudar as Escrituras recorrendo aos originais, como forma de se achar o verdadeiro significado. Foram tidos como apóstolos dessa época áurea da hermenêutica, Johann Reuchlin e Desiderio Erasmo. Ambos muitos contribuíram para o estudo e pesquisa das Sagradas Escrituras. Reuchlin publicou uma gramática e um dicionário da língua hebraica; enquanto Erasmo escreveu a primeira edição crítica do Novo Testamento Grego. O quádruplo sentido da Bíblia ensinado por Agostinho foi paulatinamente abandonado, para dar lugar ao princípio de que a Bíblia deve ser interpretada apenas num sentido.

A fé inabalável dos reformadores, dizia que a Bíblia era a inspirada Palavra de Deus. Contra a infalibilidade dos concílios, eles estabeleceram a infalibilidade das Sagradas Escrituras. A posição dos reformadores tinham a seguinte posição: Não é a Igreja que determina o que as Escrituras ensinam; pelo contrário, são as Escrituras que determinam o que a Igreja deve ensinar.

O reformador Martinho Lutero salientou a necessidade de se considerar o contexto e as circunstâncias históricas de cada livro; exigiu que o intérprete da Bíblia tivesse intuição espiritual e fé. Teve a pretensão de encontrar Cristo em Toda a Escritura. Seu fiel aliado, Filipe Melanchton seguiu o princípio de que as Escrituras, devem ser entendidas primeiramente gramaticalmente, para depois ser entendida teologicamente, e que elas têm apenas um simples e determinado sentido.

João Calvino, tido como o maior exegeta da Reforma, considera que “o primeiro dever do intérprete é permitir que o autor diga o que realmente diz, ao invés de lhe atribuir o que pensa que devia ser”.

4.      O período confessional. (PÓS-REFORMA) Não poderia deixar de abordar esse tempo pós-reforma, onde o perigo rondou de perto a verdadeira hermenêutica. Foi um tempo de grandes controvérsias doutrinárias. Os protestantes, que até então estavam coesos na doutrina e na interpretação da Bíblia, começaram a se dividir em várias facções, enquanto a exegese se tornou serva da dogmática, degenerando-se em mera busca de textos-provas. Quer dizer: estudava-se as Escrituras apenas buscando apoio às declarações de fé das confissões da época.

Direi como o escritor aos Hebreus, faltar-me-ia tempo, para falar sore todos os intérpretes que se levantaram nesse tempo e posteriores, como os Socinianos, Coccejus, os pietistas. Na hermenêutica moderna, do século XIX até nós, como os liberais, os neo-ortodoxos, a nova hermenêutica etc. Para o estudante interessado em se aprofundar mais, será aconselhável uma bibliografia mais ampla no assunto, como: Os perigos da Interpretação Bíblica, de D.A. CARSON, Vida Nova; Aplicando bem a Palavra, de Osiel Gomes da Silva, Doksa; Como estudar e Interpretar a Bíblia, Raimundo Ferreira de Oliveira, CPAD; Hermenêutica, Curso Médio em Teologia, IBADEP Etc.

A UNIDADE ORGÂNICA DA BÍBLIA

Não houve contato de um escritor com outro para a formação da Bíblia. Tudo aconteceu em um processo divino e não mecânico. Berkhof diz: “A Bíblia não foi feita, mas seu desenvolvimento foi divino”.

Certamente que a unidade da Bíblia foi um milagre, pois não existe discrepância em seus assuntos. Isso por um único motivo: todas as suas partes foram produzidas pelo Espírito de Deus. Há um conteúdo único na Bíblia: A pessoa de Jesus Cristo.

O pastor Osiel nos diz que sobre o Aspecto progressivo das Escrituras, podemos dizer que se trata de um milagre também, pois lemos sobre a redenção da humanidade por meio da semente da mulher (Gn 3.15), que expressa a graça de Deus, passamos a entender daquilo que se inicia e que se concretiza em Cristo Jesus.

Se pode ver também claramente a autoridade e a unidade da Bíblia nas citações que diversos autores fizeram de outros livros, ratificando assim sua inspiração e unidade (Rm 3.10; Ec 7.20; Sal 14.2,3).

Os dois Testamentos

Dizia Agostinho: “O Novo Testamento está oculto no Antigo, o Antigo está aberto no Novo”. Enquanto no Antigo temos a promessa, no Novo se dá o cumprimento. O Antigo aponta a pessoa de Cristo, no Novo Testamento tudo parte do próprio Cristo.

Se pode ainda ver outras diferenças entre os dois Testamentos, pois o Antigo é profético, o Novo apostólico. No Antigo Testamento os profetas eram influenciados pelo Espírito Santo, no Novo o Espírito Santo está dentro de suas vidas.

PRINCÍPIOS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA

A Bíblia não pode nem deve ser interpretada ao bel-prazer do leitor. Não importa a sua cultura, para captar a mente de Deus e o que o Espírito Santo ensina na Bíblia, se faz necessário seguir alguns princípios ou regras.

Vamos usar algumas regras elencadas pelo pastor Raimundo Ferreira de Oliveira em seu livro Como Estudar e Interpretar a Bíblia, onde, antes de tratar sobre elas, o autor faz uma séria recomendação dizendo:

“O estudante da Bíblia que, porventura, desprezar estas regras, pode estar certo de que não só terá dificuldades na compreensão das Escrituras, porém, mais do que isto: confundirá, sem dúvida, aqueles que porventura sejam levados a ouvi-lo. E, uma coisa e não saber por não ter tido oportunidade de aprender; outra coisa é continuar na ignorância por rejeitar o conhecimento gratuitamente oferecido”.

REGRA UM

Estude a Bíblia partindo do pressuposto de que ela é a autoridade suprema em questão de religião, fé e doutrina. Consciente ou inconsciente nós nos submetemos em matéria de religião, ou a tradição, ou a razão, ou as Escrituras.

REGRA DOIS

Não se esqueça que a Bíblia é a melhor intérprete de si mesma, isto é: A Bíblia interpreta a Bíblia. Mesmo sabendo disso, muitos leitores querem desprezá-la no momento de interpretá-la. Não queira falar aquilo que a própria Bíblia não diz. Muitas vezes, com lágrimas como disse Paulo, descobrimos que os maiores inimigos da Bíblia, não são seus opositores que, em épocas de perseguições, rasgaram-na e queimaram-na, mas, sim, um grande número dos seus expositores, sempre prontos a achar na Bíblia apoio para as suas ideais absurdas. Daí surgiu esse amontoado de heresias existentes hoje em dia.

REGRA TRÊS

Dependa da fé salvadora e do Espírito Santo para a compreensão e interpretação da Escritura. Sabemos que o diabo cega os olhos dos incrédulos, como disse Paulo em 2 Coríntios 4.4. Essa é a razão por que que aquilo que na Bíblia para o cristão fiel brilha com grande fulgor do sol ao meio-dia, para o não crente é escuro como a noite (1Co 1.18).

REGRA QUATRO

Interprete a experiencia pessoa a luz das Escrituras, e não as Escrituras a luz da experiencias pessoal. Ao estudar as porções didáticas da Escrituras, você haverá de notar que o Escritor não diz: “Porque tal coisa aconteceu, isto é verdade.” Em vez disso, afirma justamente o oposto: “Porque isso é verdade, uma coisa particular aconteceu.” Por exemplo: O Novo Testamento não ensina que, porque Jesus ressurgiu dos mortos, Ele é o Filho de Deus. Antes, porque Jesus é o Filho de Deus, ressurgiu dos mortos.

REGRA CINCO

Os exemplos bíblicos só têm autoridade prática quando amparados por uma ordem que os faça mandamento universal. Exemplo: Noé plantou uma vinha e se embriagou, não é um mandamento universal. Outro: Jesus Chamou Herodes de raposa. Não significa que devemos afrontar as autoridades etc. Vamos tomar outro exemplo da vida do próprio Cristo: Ele nunca se casou, mas isso não significa que ele era contra o casamento, que esse sim é um mandamento universal, e fica a critério do solteiro casal ou não.

 

REGRA SEIS

O principal propósito da Escritura é mudar nossas vidas e não multiplicar nossos conhecimentos. (2Tm 3.16). Satanás conhece a Bíblia e é capaz de citá-la melhor que os mais eruditos pregadores. Sem dúvida ele passaria nos exames de conhecimento das Escrituras. Ele soube citar direitinho o Salmo 91.11,12 quando tentou a Jesus. Deus não me quer um cristão teórico, apenas com o conhecimento, mas sobretudo piedoso (1Co 8.1b). (A ilustração do professor Ludwig Kopfwissen)

REGRA SETE

Todo cristão tem direito e a responsabilidade de interpretar pessoalmente as Escrituras, seguindo princípios universalmente aceitos pela ortodoxia bíblica. Podemos lembrar dos tempos anteriores a Reforma, onde quem tinha autoridade para interpretar a Bíblia era somente os clérigos da Igreja Católica. Porém Lutero se insurgiu contra esse tipo de poder dizendo: “Se é certo o artigo na nossa fé “creio na Igreja Cristã”, então o papa não pode estar certo sozinho; do contrário deveríamos dizer: “creio no papa de Roma” e reduziu a Igreja Cristã a um único homem, o que é uma heresia diabólica e condenável. Além disto somos todos sacerdotes, como já disse, todos temos uma fé, um Evangelho, um sacramento; como então não teríamos o poder de discernir e julgar o que é certo ou errado em matéria de fé?”

Infelizmente, hoje em dia, muitos cristãos brincam de ler a Bíblia. A um grande número de iletrados em matéria de doutrinas bíblicas. Há uma pesquisa, que consta que muitos dos chamados “doutores em divindade” da atualidade, que nunca leram a Bíblia toda. Por isso somos uma geração de crentes virtual e espiritualmente doentes.

Na verdade, nem todas nossas perguntas serão respondidas aqui desse lado da vida. Chegará um dia, que todas os enigmas serão desvendados, como disse Paulo: “Porque, agora, vemos por espelho em enigma; mas, então, veremos face a face; agora, conheço em parte, mas, então, conhecerei como também sou conhecido” (1Co 13. 12).


REGRA OITO

Apesar da importância da história da Igreja, ela não chega a ser decisiva na fiel interpretação da Escritura. Sabemos do grande valor da história para nós evangélicos atualmente. Muitas questões foram resolvidas pelos pais da igreja, deixando um grande legado para a posteridade. Vejamos:

a.     No século II a Igreja lidava com a apologética e as ideais fundamentais do cristianismo;

b.    No século III e IV, com a doutrina de Deus;

c.     No século V, com o homem e o pecado;

d.    Desde o século V até o VII, com a pessoa de Cristo;

e.    Nos séculos XI ao XVI, com a expiação;

f.      No século XVI, com a aplicação da redenção (justificação).

 

Logicamente que não estamos falando de questões pequenas ou utopias. Conta-se que quando os muçulmanos tomaram a cidade de Constantinopla, a grande fortaleza da Igreja no Oriente, seus líderes, estavam reunidos discutindo se “a água benta”, após cair uma mosca dentro dela, continuava benta ou não.

Apesar do reconhecimento da história da Igreja, quando os crentes do passado se deram o penoso trabalho de sondagem e interpretação das Escrituras, defendendo a integridade da doutrina cristã. Mesmo reconhecemos a bravura e denodo com que os princípios sagrados foram defendidos e mantidos, devemos afirmar que a Igreja não determina que a Bíblia ensina; antes a Bíblia é que determina o que a Igreja ensina. Portanto, a interpretação da Igreja só tem autoridade à medida em que esteja na mais absoluta harmonia com os ensinamentos da Bíblia como um todo.

Nem a tradição devido aos anos, nem os mais renomados teólogos, pelo acúmulo de conhecimento adquiridos, podem justificar ter a última palavra no que concerne à interpretação das Escrituras. (assistimos na semana passada o pregador neopentecostal, Benny Hinn, se desculpando pela falsa interpretação dada a Palavra de Deus).


REGRA NOVE

O Espírito Santo quer aplicar as promessas divinas, exaradas nas Escrituras, à vida do crente em todos os tempos. As promessas que estão na Bíblia, são meios pelas quais Deus revela sua vontade aos homens. Porém, reclamar promessas pode ser algo subjetivo.

Devemos ter cautela ao reivindicarmos as promessas de Deus. A falta de orientação, muitas vezes faz o crente querer tomar posse de promessas através de meios que não são bíblicos. Quem já não viu aquele irmão procurando promessas, de joelhos, de repente, coloca o dedo em algum lugar na Bíblia de olhos fechados, e entende que ali está a promessa ou a direção de Deus. Não que isso não possa ocorrer, mas não é regra, e sim exceção. Quem não lembra daquela famosa estória, do irmão que abriu a Bíblia dessa forma, e o dedo parou em Mateus 27.5, que diz: “E ele, atirando para o templo as moedas de prata, retirou-se e foi-se enforcar”. Ele fechou a Bíblia rapidamente, orou e abriu outra vez, e parou em Lucas 10. 37, que diz: “... Vai e faze da mesma maneira”.

Não que que as promessas feitas ao povo de Israel não tenha valor para o crente, logicamente que tem. Está escrito que todas as promessas de Deus tem em Cristo o sim e o amém (2Co 1.20). Como por exemplo: Se você está passando por perseguições, e em meio a isto seja evado a orar pedindo orientação de Deus. Enquanto ora, o Espírito Santo pode levá-lo a lembrar da promessa de Êxodo 14.14: “O Senhor pelejará por vós, e vós calareis”. Mesmo que originalmente essa promessa foi dada a Moisés e aos filhos de Israel, quando diante das afrontas de Faraó, o Espírito Santo a aplica com uma promessa feita diretamente ao você, e desse modo você aquieta o coração, confiando nas promessas de Deus (2Pe 1.3,4).

 

O PORQUÊ DAS ESCRITURAS

Deus tem se revelado através dos tempos por meio de suas obras, isto é, por meio da Criação. Porém, na Palavra de Deus temos uma revelação especial e maior. É dupla esta revelação; temo-la de duas maneiras: a) na Bíblia - A PALAVRA ESCRITA; e b) em Cristo - A PALAVRA VIVA.

 A Necessidade do Estudo das Escrituras

A necessidade do estudo das Escrituras está implícita nos seguintes textos: 1 Pedro 3.15; 2 Timóteo 2.15; Isaías 34.16 e Salmos 119.130. O estudo destes versículos nos conduz a dois pontos de suma importância, que são: 1) Porquê devemos estudar a Bíblia, e 2) Como devemos estudar a Bíblia; ambos estudados a seguir.

1. Por quê devemos estudar a Bíblia:

a. A Bíblia e o manual do crente na vida cristã a no trabalho do Senhor. Sendo a Bíblia o livro-texto do cristão, é imperioso que este maneje-a bem para o eficiente desempenho de sua missão.

 b. A Bíblia alimenta nossa alma.  Não há dúvida de que o estudo da Bíblia Sagrada nutre e dá crescimento espiritual ao crente. Ela é tão indispensável à alma, como o pão é ao corpo. Ela é comparada ao alimento diário, porém, este só nutre o corpo quando é absorvido pelo organismo. Bom apetite pela Bíblia é sinal de saúde.

c. A Bíblia é o instrumento que o Espírito Santo usa nas suas batalhas. Se em nós houver abundância da Palavra de Deus, o Espírito Santo terá o instrumento com que operar. É preciso meditar nela. É preciso deixar que ela domine todas as esferas da nossa vida, nossos pensamentos, nosso coração e assim molde todo o nosso viver diário. Em suma: mister se faz ficarmos literalmente saturados da Palavra de Deus.

d. A Bíblia enriquece espiritualmente a vida do salvo. Essas riquezas vêm pela revelação do Espírito Santo, primeiramente. A pessoa que procurar entender a Bíblia somente através da percepção intelectual, muito cedo desistirá disso. Só o Espírito de Deus conhece as coisas de Deus.

2. Como devemos estudar a Bíblia

Se você deseja conhecer melhor a vontade de Deus para com a sua própria vida e para com o destino da humanidade, é importante ler a Bíblia seguindo o seguinte modelo:

a. Leia a Bíblia conhecendo seu Autor. Isto é de suprema importância. É a melhor maneira de estudar a Bíblia. Ela é o único livro cujo Autor está presente quando você o lê. E você sabe: o autor de um livro pode explicá-lo melhor que qualquer outra pessoa. Para compreender este livro singular, não basta lê-lo apenas, necessário se faz analisar detidamente as suas declarações. Façamos como Maria, que aprendia aos pés do Mestre. Aos pés do Mestre ainda é o melhor lugar para se aprender.

b. Leia a Bíblia diariamente. Esta regra é excelente. Não basta assistir aos cultos, ouvir bons testemunhos, assistir estudos bíblicos, e ler boas obras de literatura cristã. É preciso a leitura bíblica individual, pessoal e diariamente. Assim como fazia Israel quanto a colheita diária do maná, do crente diligente Deus requer o estudo diário da Sua Palavra.

c. Leia a Bíblia com a melhor atitude mental e espiritual. Isto é de capital importância para o êxito do estudo bí­blico. A atitude correta é a seguinte: a) Estudar a Bíblia como a Palavra de Deus, e não como uma obra literária qualquer; b) Estudar a Bíblia com o coração e em atitude de reverente devoção, e não apenas com o intelecto. As riquezas da Bíblia são para os humildes que temem ao Senhor. Quanto maior for a nossa comunhão com Deus, mais humildes seremos.

d. Leia a Bíblia com oração, devagar, meditando na sua mensagem. Assim têm feito os servos de Deus no passado, a exemplo de Davi e Daniel. O caminho a trilhar ainda é o mesmo. Na presença do Senhor, em oração, as coisas incompreensíveis são esclarecidas. A meditação aprofunda o sentido do que foi o estudo.

e. Leia a Bíblia toda. Há uma riqueza insondável nisso! É a única maneira de conhecermos a verdade completa dos assuntos tratados na Bíblia, visto que a revelação de Deus mediante ela é progressiva.

 

Que o Senhor nos ajude a entender cada dia melhor a sua Palavra!

 

 

 

terça-feira, 19 de julho de 2022

DIANTE DESSA GRAÇA

 


E todos nós recebemos também da sua plenitude, com graça sobre graça” (Jo 1. 16)

 

Diante de tão grande graça me arrependo e me humilho.

Me ajoelho e suplico o seu perdão.

Sinto-me ser levantado por sua poderosa mão,

e ouço sua voz me chamando de filho.

 

Diante de imensurável graça recebo os dons do Espírito Santo.

Posso decifrar coisas jamais vistas, ouvidas, sentidas ou percebidas.

O som que sai de meus lábios não é outro, senão o som que vem do profundo da alma e das cordas do coração que soa meu canto.

 

E somente posso pronunciar graça sobre graça,

pois por essa graça me deste salvação.

Diante da universal graça contemplo a verdade.

Verdade essa que faz transbordar de amor minha taça.

 

Amor tão grande que me traz saúde. Deus conosco, Emanuel.

Não há como traduzi-la de outra forma, a não ser, favor.

Diante dessa graça contemplo o meu Cristo.

Pois, por essa graça me sinto perdoado, e já contemplo o Céu.

 

Diante dessa graça a vida é jubilosa e triunfante.

Vida gloriosa, vida eterna que me espera.

Diante de tamanha graça é só felicidade.

E dessa graça que é de graça flui vida abundante.

 

Pr Daniel Nunes da Silva